Emilio Mola

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Emilio Mola
Conhecido(a) por El Director
Nascimento 9 de julho de 1887
Placetas, Cuba, Reino da Espanha
Morte 3 de junho de 1937 (49 anos)
Alcocero, Espanha Franquista
Ocupação Militar e político
Serviço militar
Serviço Exército Espanhol
País Espanha Reino da Espanha (1904–1931)
Segunda República Espanhola República Espanhola (1931–1932, 1933–1936)
 Espanha Franquista (1936–1937)
Anos de serviço 1904-1932
1934-1937
Patente General de Brigada
Comando Governador Militar de Navarra
Comandante do Exército do Norte
Conflitos Guerra do Rife
Guerra Civil Espanhola
Condecorações Medalha Militar Individual
Laureada Cruz de São Fernando

Emilio Mola y Vidal, 1º Duque de Mola, Grande da Espanha (9 de Julho de 1887 - 3 de Junho de 1937) foi um Comandante Nacionalista Espanhol durante a Guerra Civil Espanhola.[1] Ele era um veterano das guerras Africanas, onde ele se destacou servindo com os Regulares. Ele liderou a revolta militar que culminou na Guerra Civil Espanhola.

Ele cunhou o termo "quinta-coluna".

Inicio da vida e carreira[editar | editar código-fonte]

Mola nasceu em Placetas, Cuba, naquela época uma província espanhola colonial, onde o seu pai, um oficial do exército, estava estacionado. A Guerra de Independência Cubana dividiu a sua família; enquanto o seu pai servia nas forças Espanholas, o seu tio materno Leoncio Vidal era um importante combatente revolucionário. Na Espanha, ele matriculou-se na Academia de Infantaria de Toledo em 1907. Ele serviu na guerra colonial da Espanha em Marrocos, onde recebeu a Medalha Militar, e tornou-se uma autoridade em assuntos militares. Em 1927 ele era um General de Brigada.

Mola foi nomeado Diretor-Geral de Segurança em 1930, o último homem a ocupar este cargo sob Afonso XIII.[2] Este era um cargo político e as suas opiniões conservadoras tornaram-no impopular com políticos liberais e socialistas da oposição. Quando o governo da Frente Popular de esquerda foi eleito em Fevereiro de 1936, Mola tornou-se governador militar de Pamplona em Navarra, que o governo considerava ser afastado. Mas a área era um centro de atividade Carlista e o próprio Mola secretamente colaborou com o movimento. Trabalhou com elementos da direita da União Militar Espanhola e no final de Abril de 1936 foi reconhecido como seu líder na região centro-norte da Espanha.[3]

Rebelião de Julho e Guerra Civil[editar | editar código-fonte]

Mola emergiu como o estratega principal entre os conspiradores. Enquanto o General José Sanjurjo, no exílio em Portugal, permaneceu como líder reconhecido, a Mola foi delegada a autoridade dentro da organização para planear operações na Espanha.[4] Conhecido como "o Diretor", Mola enviou instruções secretas para as várias unidades militares envolvidas na revolta e elaborou um plano detalhado para um governo pós-golpe. Num memorando datado de 5 de Junho de 1936, Mola vislumbrou uma "ditadura republicana" baseada no modelo Português. O governo inicial consistiria de um "diretório" que supervisionaria um Estado semi-pluralista, mas autoritário. De acordo com Mola: "O Diretório garantirá que não haverá nenhuma mudança no regime republicano durante a sua administração, nem nenhuma mudança em qualquer reivindicação trabalhista que tenha sido obtida legalmente", mas "criaria um estado forte e disciplinado".[4] A constituição de 1931 seria suspensa e novas eleições seriam realizadas. Certos elementos liberais, como a separação da igreja e do estado e a liberdade de culto, deveriam ser mantidos. As questões agrárias deveriam ser resolvidas por comissões regionais com o objetivo de desenvolver pequenas propriedades, mas permitindo o cultivo coletivo em algumas circunstâncias.[5]

Apesar do planeamento extensivo, Mola aparentemente duvidou das chances de sucesso do golpe. A sua visão obscura das capacidades das milícias monarquistas e do partido católico conservador Confederação Espanhola de Direitas Autônomas (CEDA), bem como apenas apoio limitado da Falange, levou-o até 9 de Julho a considerar a possibilidade de ter que fugir para França se falhasse.[6]

Depois de vários atrasos, 18 de Julho de 1936 foi escolhido como a data do golpe. A participação de Francisco Franco não foi confirmada até o início de Julho.[7] Embora os eventos tenham acontecido antes do previsto no Protetorado Espanhol em Marrocos, Mola esperou até 19 de Julho para proclamar a revolta.[8] Quando o irmão de Mola foi capturado pelos Republicanos em Barcelona, o governo ameaçou a sua vida; Mola respondeu: "Não, ele sabe morrer como um oficial. Eu não posso voltar atrás com a minha palavra para os meus seguidores e, provavelmente, você não podem com a vossa." O seu irmão acabou cometendo suicídio. Mola então ordenou execuções sistemáticas em cidades capturadas com o propósito de incutir medo.[9] Ele famosamente declarou:

... "devemos estender o terror; devemos impor a impressão de domínio enquanto eliminamos sem escrúpulos a todos que não pensam como nós"[10]

.

O golpe de estado Nacionalista não conseguiu ganhar o controle de Madrid ou de outras áreas urbanas, embora a maior parte do exército o apoiasse. Com a situação a transformar-se em guerra civil, Sanjurjo foi morto em um acidente aéreo em 20 de Julho. Mola, em seguida, tornou-se comandante Nacionalista no norte, enquanto Franco se tornou comandante no sul. Com a morte de Sanjurjo, Mola estabeleceu uma entidade governamental com vários membros para a chamada "zona Nacionalista" chamada de Junta de Defesa Nacional. Com sede em Burgos, foi nominalmente chefiada por Miguel Cabanellas, o mais antigo general participante.[11]

Em 5 de Setembro, uma ofensiva Nacionalista enviada pelo General Mola sob o comando do Coronel Alfonso Beorlegui tomou Irun e fechou a fronteira francesa. As forças de Mola encarregaram-se de assegurar toda a província de Guipúscoa, isolando as províncias Republicanas remanescentes no norte.

Uma junta em Burgos mostrou-se incapaz de definir a estratégia geral; assim, Franco foi escolhido comandante-chefe numa reunião de generais em 21 de Setembro. Mola continuou a comandar o Exército do Norte e liderou um esforço frustrado de tomar Madrid em Outubro. Em um discurso de rádio, ele descreveu os simpatizantes nacionalistas na cidade como sendo uma "quinta-coluna" que complementava as suas quatro colunas militares.[12] O governo Republicano procedeu então à execução em massa de cerca de 2.000 supostos apoiantes, civis e militares dos Nacionalistas. O que mais tarde foi conhecido como os massacres de Paracuellos esmagou qualquer quinta coluna em potencial.[13][14]

Morte[editar | editar código-fonte]

Mola morreu em 3 de Junho de 1937, quando o avião bimotor Airspeed Envoy, no qual ele estava viajando, voou com más condições atmosféricas para o lado de uma montanha enquanto retornava a Vitoria. As mortes de Sanjurjo e Mola deixaram Franco como o líder proeminente da causa Nacionalista. Na avaliação do historiador Stanley Payne, Mola tinha sido "o único subordinado capaz de responder a Franco.[15] Embora sempre tenha havido acusações de que Franco tenha ordenado a morte de seus dois rivais, até agora nenhuma evidência foi produzida.[8]

Em 1948, Franco, como Caudillo do recente re-estabelecido Reino da Espanha, postumamente concedeu a Mola o título de Duque de Mola e de Grande da Espanha. O título foi imediatamente assumido pelo seu filho, Don Emilio Mola y Bascón.

Veja também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Emilio Mola

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Site Biografías y Vidas». Consultado em 14 de Maio de 2019 
  2. Payne, S. The Spanish Civil War. Cambridge University Press, 2012. pag 66.
  3. Payne 2012, p. 66-67.
  4. a b Payne 2012, p. 67.
  5. Payne 2012, p. 67-68.
  6. Payne 2012, p. 68.
  7. Preston, Paul, "From Rebel to Caudillo: Franco's path to power", History Today, July 1986, pp. 24-29 36 (7)
  8. a b Jackson, Gabriel, The Spanish Republic and the Civil War 1931-39, New Jersey , 1967.
  9. Preston, Paul. 2012. The Spanish Holocaust. Harper Press. Londres.
  10. Unearthing Franco's Legacy, p. 175
  11. Payne 2012, p. 82.
  12. Um dos primeiros usos da frase: "A polícia ontem à noite começou uma busca de casa em casa por rebeldes em Madrid ... Ordens para essas buscas ... aparentemente foram instigadas por uma recente transmissão pela estação de rádio Rebelde do General Emilio Mola. Ele afirmou que estava a contar quatro colunas de tropas fora de Madrid e outra coluna de pessoas escondidas dentro da cidade que se juntariam aos invasores assim que eles entravam na capital." New York Times 16 de Outubro, 1936.
  13. VIDAL, Cesar. Paracuellos-Katyn: un ensayo sobre el genocidio de la izquierda. Madrid, 2005. p.2164
  14. Helen Graham (2002). The Spanish Republic at War 1936-1939. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 190 
  15. Payne 2012, p. 191.