Epistemologia platônica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A epistemologia platônica sustenta que o conhecimento é inato, de tal modo que a aprendizagem seria o desenvolvimento das idéias escondidas na alma, que aflorariam como resultado de um interrogatório amistoso. Platão acreditava que a alma existia antes do nascimento sob a "forma de Deus", com perfeito conhecimento de tudo. Assim, quando algo é aprendido, na verdade é apenas "lembrado".[1]

Mito da caverna[editar | editar código-fonte]

No seu mais famoso diálogo, A República, Platão faz uma analogia entre as sensações humanas e as sombras que são projetadas no fundo de uma caverna - uma alegoria conhecida como Mito da caverna

Referências

  1. Ackrill, J.L. "Anamnēsis in the Phaedo," in E.N. Lee and A.P.D. Mourelatos (eds.) Exegesis and Argument: Studies in Greek Philosophy Presented to Gregory Vlastos. Assen, 1973. 177-95. On the theory of recollection in Plato's Phaedo(73c-75).
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.