Alegoria do navio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Navio do estado)

Alegoria do navio,[1][2] também referida como navio do estado, é uma alegoria filosófico-política narrada no Livro VI de A República, de Platão, em que Sócrates se utiliza de um hipotético navio, conduzido por uma tripulação disfuncional, para representar os problemas de governança de um sistema político não baseado no conhecimento. Para Sócrates, o filósofo é o único conhecedor da verdade e, portanto, é aquele que estaria mais inclinado a governar sabiamente. Ele retrata a pólis grega como multiforme - composta de aristocracia, oligarquia e democracia -, o que exigiria a presença de um filósofo para ordená-la, pois toda forma humana de governo, inicialmente positiva, acaba por cair na corrupção. Ademais, os governos sempre desprezaram os filósofos e sempre fizeram com que o povo ignorante os odiasse e zombasse deles, preferindo a escravidão. Esses princípios são estabelecidos por Sócrates na alegoria do navio, no qual o timoneiro é um velho cego e sábio, e o leme é constantemente disputado entre os homens a bordo que querem conduzir o navio.

Sócrates responde às objeções de Adimanto ao governo da pólis (isto é, da cidade-estado) pelos filósofos, descrevendo uma situação em que o indivíduo que conduz um navio não tem nenhum conhecimento do ofício. Todos ali comem e bebem até se empanturrarem; regem-se pelo prazer e não pelo saber; consideram inútil o verdadeiro piloto, que julga ser necessário ter em conta as estações, as condições do tempo, o movimento dos astros e assim por diante, para conduzir adequadamente a embarcação (488a-489a). [3]:283 Em um navio como esse, afirma Sócrates, os filósofos são certamente inúteis, mas não são responsáveis por isso, já que o natural seria os homens que têm necessidade de governo irem em busca de quem tem capacidade para tal (489b-c). [3]:284

A alegoria do navio ilustra dois tipos possíveis e distintos de governo da pólis, a saber: o governo justo dos filósofos e o governo injusto dos sofistas. [4] O primeiro seria o da Calípolis, em que o governante é guiado pelo saber, enquanto o segundo estaria voltado ao prazer.

O uso da comparação do governo de um estado ao comando de um navio já estava presente em versos de Arquíloco de Paros, Alceu, Sólon, Ésquilo e Eveno.[5]

Referências

  1. KOHAN, Walter Omar. Infância e educação em Platão. São Paulo: Revista Educação e Pesquisa – USP, vol. 29, nº. 01, pp. 23-24: 2003.
  2. Alegoria do navio de Platão
  3. a b PLATÃO A República. Trad. Carlos Alberto Nunes.
  4. No Teeteto, Sócrates observa que, embora os filósofos possam parecer inúteis, eles foram criados como homens livres, enquanto os hábeis retóricos (referindo-se aos sofistas) foram criados como escravos. De almas pequenas e não retas, seriam servos do tempo e de seus discursos (172c-173b).
  5. Corrêa, Paula da Cunha (2016). «The 'Ship of Fools' in Euenos 8b and Plato's Republic 488a–489a». In: Swift, Laura; Carey, Christopher. Iambus and Elegy: New Approaches (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press

Ver também[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.