Ertogrul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ertuğrul)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicionasse esta.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Ertogrul[1] (Ertuğrul; 1198 - 1281) foi um líder dos cais (kayı boyu), uma tribo de turcos oguzes originários do norte do Irão. Foi também o pai de Osmã I, que viria a ser o fundador do Império Otomano.

Tendo o Irão sido varrido pela invasão dos mongóis de meados do século XIII, a tribo Kayi foi forçada a deixar o Irão em direção à Anatólia. Durante a fuga, o pai de Ertogrul, Salomão Xá morreu afogado na travessia do rio Eufrates, quando batia em retirada de uma batalha perdida contra os mongóis. Assim, Ertogrul assumiu o comando da tribo dos Kayi aos 29 anos de idade.

Aladino I Magno, o sultão seljúcida de Rum (Anatólia central), concordou em assentar Ertogrul e sua tribo no noroeste da Anatólia, em uma região ao redor da cidade de Söğüt, compreendida entre o rio Sangário e o monte Caraca Dague; na época um confim instável da fronteira turco-bizantina, e muito próxima a fortalezas gregas como Niceia, Bursa e Nicomédia.

Ertogrul, como mais tarde seu filho Osmã e seu neto Orcano I, recebeu do sultão de Rum o título de "Gazi", isto é, veterano de guerra, ou juiz e campeão da causa do Islão. No século XIX, uma fragata da marinha otomana recebeu o nome de Ertogrul, em sua memória.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Salomão Xá
Bei dos cais
1227 - 1281
Sucedido por
Osmã I

Referências

  1. GEPB 1950s, p. 762-763.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Grande enciclopédia portuguesa e brasileira Vol. XIX. Lisboa: Editorial Enciclopédia. 1950s