Escala heptatônica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Uma escala heptatônica é qualquer escala ou modo configurando a sucessão de sete graus dentro de uma oitava. O exemplo mais conhecido é a escala diatônica, que contém, por exemplo, a escala maior e as escalas menores.[1]

Música global[editar | editar código-fonte]

Resultados da superposição de dois tetracordes gregos clássicos sobre uma oitava, os octoecos (em grego clássico: Ὀκτώηχος; romaniz.: Oktṓēchostrad.: “oito sons”; em antigo eslavo eclesiástico: Осмогла́сие, transl. Osmoglásie; em latim: octo toni; em armênio/arménio: ութձայնի, transl. owt’jayni/ut῾jayni; em aramaico: ܒܶܝܬ̥ ܓܰܙܳܐ‎, transl. Bayt Gazzā/Bēṯ Gazo; em georgiano: ოქტოიხოსი, transl. ok'toikhosi) consistem em sistemas de modos utilizados para a composição de hinos e a recitação em diversas tradições de música cristã.[2]

Na música árabe, o maqam pode se manifestar como uma escala heptatônica resultada da superposição de dois tetracordes.[3] O mesmo pode ocorrer com o makam na música turca otomana.[4]

Na música clássica hindustâni, as escalas heptatônicas são chamadas thaat (em sânscrito: ठाट; romaniz.: thāṭ), e são a principal classe de ragas.[5]

Na música chinesa, alguns de seus modos são heptatônicos, apesar de uma maioria pentatônica.[6] Na música japonesa, embora originalmente se tenham utilizado apenas escalas pentatônicas de origem chinesa, foi então elaborada nativamente uma forma própria de escala heptatônica (em japonês: 七声, transl. shichisei) pela adição de dois novos semitons.[7]

Referências

  1. Abromont, Claude (2005). Teoría de la música. [S.l.]: Fondo de Cultura Económica. p. 546 
  2. Savas, Savas I. (1965). Byzantine Music in Theory and in Practice (PDF) (em inglês). Boston: Hercules Press. p. 42. Consultado em 13 de março de 2020 
  3. Rechberger, Herman. Scales and Modes around the World (em inglês). Helsinque: Fennica Gehrman. p. 92. ISBN 978-952-5489-28-6 
  4. Rechberger, Herman. Scales and Modes around the World (em inglês). Helsinque: Fennica Gehrman. p. 123. ISBN 978-952-5489-28-6 
  5. Benward; Saker (2003). Music: In Theory and Practice. 1. Boston: McGraw-Hill. p. 39. ISBN 978-0-07-294262-0 
  6. Rechberger, Herman. Scales and Modes around the World (em inglês). Helsinque: Fennica Gehrman. pp. 192–3. ISBN 978-952-5489-28-6 
  7. Rechberger, Herman. Scales and Modes around the World (em inglês). Helsinque: Fennica Gehrman. p. 197. ISBN 978-952-5489-28-6