Estação de Shinjuku

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Estação de Shinjuku
Vista aérea da parte sul (março de 2016).
Uso atual Estação de Trem Urbano Estação de Trem
Administração
Plataformas 51 (total)
Movimento diário 3.4 milhões de pessoas (2011)
Conexões Terminal de ônibus
Informações históricas
Inauguração 1 de março de 1885 (133 anos)
Localização
Endereço 3 Chome-38-1 Shinjuku, Tokyo 160-0022, Japão
Município Shinjuku, Tóquio
País Japão Japão

A Estação de Shinjuku (新宿駅, Shinjuku-eki?) é uma estação ferroviária que localizada nos bairros de Shinjuku e Shibuya, em Tóquio, Japão.

Servindo como o principal meio de transporte ferroviário entre os bairros especiais de Tóquio e a Tóquio Ocidental via trem inter-municipal, trem urbano, e linhas de metrô, a estação é usada por cerca de 3.4 milhões de pessoas diariamente, fazendo dela a estação mais movimentada do mundo (como registrado em 2011 pelo Guinness World Records).[1] A estação possui 36 plataformas e mais de 200 saídas. Outras 17 plataformas (51 no total) podem ser acessadas por corredores para 5 estações diretamente conectadas sem precisar ir para o lado de fora.[2]

História[editar | editar código-fonte]

A estação foi inaugurada em 1885 como uma parada da Linha Akabane - Shinagawa (agora parte da Linha Yamanote) das Ferrovias Nacionais Japonesas. Inicialmente pouco utilizada, foi à medida que as linhas Chūō, Keiō e Odakyū foram abertas que a estação começou a se tornar amplamente utilizada. Em 1959, o chegou o metrô. Em 1968, uma manifestação de 290 mil pessoas protestou contra a guerra perto da estação, fazendo com que os trens parassem. Houve planos em vários pontos da história para conectar Shinjuku à rede Shinkansen, e o Plano Básico Shinkansen de 1973, ainda em vigor, especifica que a estação deve ser o terminal sul da linha Jōetsu Shinkansen para Niigata. Embora a construção da ligação Ōmiya-Shinjuku nunca tenha começado e a Linha Jōetsu encerre na Estação de Tóquio, o espaço para a construção, incluindo uma área embaixo da estação, permanece reservado.[3] Em 5 de maio de 1995, a seita apocalíptica Aum Shinrikyō tentou um atentado terrorista químico, desencadeando um dispositivo de gás cianeto em um banheiro no subterrâneo, apenas um mês após o ataque de gás no metrô de Tóquio, que matou 13, deixou 6.225 pessoas com lesões não-fatais, feriu gravemente 50 pessoas e causou 984 casos de problemas temporários de visão. Desta vez, o ataque foi frustrado pela equipe que extinguiu o dispositivo queimado.[4]

Linhas[editar | editar código-fonte]

JR logo (east).svg JR East[5]
JY Linha Yamanote
JA Linha Saikyō
JS Linha Shōnan-Shinjuku
JC Linha Rapida Chūō
JC Linha Chūō
JB Linha Chūō-Sōbu
JC Linha Rapida Chūō
KeioRailway logo.svg Keio Corporation[5]
Number prefix Keiō.PNG Linha Keio
Number prefix Keiō.PNG Nova Linha Keio
OdakyuGroup logo2.svg Odakyu Electric Railway[5]
Odakyu odawara.svgOH Odakyu Odawara Line
PrefSymbol-Tokyo.svg Metrô Toei[5]
Subway TokyoOedo.png Linha Oedo
Subway TokyoShinjuku.png Linha Shinjuku
Tokyo Metro logo.svg Metrô de Tóquio[5]
Subway TokyoMarunouchi.png Linha Marunouchi

Referências

  1. Guiness World Records. «A estação mais movimentada». Consultado em 23 de fevereiro de 2018. 
  2. Estação de Shinjuku. «Mapa da Estação de Shinjuku». Consultado em 23 de fevereiro de 2018. 
  3. Image du Monde. «Estação Ferroviária de Shinjuku (em Francês)». Consultado em 23 de fevereiro de 2018. 
  4. G1 (15 de setembro de 2006). «Japão condena à forca mentor de ataque com gás no metrô de Tóquio». Consultado em 23 de fevereiro de 2018. 
  5. a b c d e Estação de Shinjuku. «Transporte em Shinjuku». Consultado em 23 de fevereiro de 2018.