Esturjão-do-golfo-do-méxico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaEsturjão-do-golfo-do-méxico
Acipenser oxyrhynchus desotoi

Acipenser oxyrhynchus desotoi
Estado de conservação
Status iucn3.1 VU pt.svg
Vulnerável
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Actinopterygii
Ordem: Acipenseriformes
Família: Acipenseridae
Género: Acipenser
Espécie: A. oxyrhynchus
Subespécie: Acipenser oxyrhynchus desotoi
Nome trinomial
Acipenser oxyrhynchus desotoi'''
Vladykov, 1955[1]

O esturjão-do-golfo-do-méxico (Acipenser oxyrhynchus desotoi) é uma subespécie de esturjão do gênero Acipenser que vive no Golfo do México e em alguns rios que nele desaguam. O esturjão-do-golfo-do-méxico foi identificado pela primeira vez como uma subespécie distinta em 1955.[2] O esturjão-do-golfo-do-méxico é considerado uma subespécie ameaçada desde 1991, segundo a Lei de Espécies em Perigo dos Estados Unidos da América. O seu habitat original seria a área que vai do Rio Suwannee, na costa oeste da Flórida, até o Rio Mississípi, incluindo as águas marítimas das regiões central e oriental do Golfo do México. Três espécies do gênero Scaphirhynchus compartilham territórios fluviais com o esturjão-do-golfo-do-méxico, e nenhuma delas é anádroma.[3]

Características[editar | editar código-fonte]

Visualmente é quase impossível distinguir o esturjão-do-golfo-do-méxico do esturjão-atlântico, já que a diferença morfológica mais significativa entre as duas subespécies é o comprimento do baço, que é um órgão interno. O baço do esturjão-do-golfo-do-méxico tem um comprimento que equivale a cerca de 12,3% do comprimento-padrão do peixe, enquanto que no baço do esturjão-atlântico a relação correspondente é de apenas 5,7%. Diferenças morfológicas menores incluem o comprimento relativo da cabeça, o formato das placas ósseas dorsais e o comprimento da barbatana peitoral. As diferenças genéticas entre as duas subespécies foram estudadas, e elas indicam que o isolamento reprodutivo ocorreu no Pleistoceno. As diferenças comportamentais são mais nítidas, especialmente os hábitos alimentares. O esturjão-do-golfo-do-méxico adulto alimenta-se principalmente, ou exclusivamente, durante os meses de inverno, quando estão em água salgada ou salobra, e comem pouco ou nada no restante do ano, quando se encontram nos rios. O peso varia de acordo com os padrões alimentares, havendo um aumento significativo de peso no inverno e reduções menos acentuadas no verão. A dieta do esturjão-do-golfo-do-méxico consiste de organismos de fundo, incluindo moluscos, camarões, vermes marinhos, isópodos e anfípodas. Não se conhece o motivo deste padrão sazonal de alimentação.[2][3] Os indivíduos adultos desta subespécie apresentam um comprimento médio de 1 a 2,5 metros. As fêmeas são maiores do que os machos. O esturjão-do-golfo-do-méxico pode viver até cerca de 60 anos, mas geralmente a idade máxima é de 20 a 25 anos.[4]

Ciclo de vida[editar | editar código-fonte]

Os esturjões-do-golfo-do-méxico jovens permanecem nos rios em que nasceram mais ou menos até os dois anos de idade, alimentando-se neles. Depois disso, eles juntam-se aos indivíduos adultos nas suas migrações anádromas e nos seus hábitos alimentares. A migração subindo os rios ocorre geralmente de fevereiro a abril, quando as temperaturas da água sobe para entre 16°C e 23°C. A migração descendo os rios começa normalmente no final de setembro ou em outubro, quando a temperatura da água cai. Os machos atingem a maturidade sexual entre os sete e os doze anos de idade, e as fêmeas entre os oito e os dezessete. A reprodução ocorre sempre no rio em que nasceram, geralmente em fundos duros, abaixo de uma nascente de águas subterrâneas. Após a reprodução, os adultos e os indivíduos jovens mais maduros congregam-se em regiões de águas mais frias, profundas e lentas, geralmente abaixo das nascentes de águas subterrâneas.[2] [5][3]

Saltos[editar | editar código-fonte]

Todas as espécies de esturjão às vezes dão saltos sobre a superfície da água. O esturjão-do-golfo-do-méxico faz isso em duas ocasiões: nos rios, em julho e agosto, e mais cedo no período de alimentação no mar. Os pesquisadores acreditam que ele salte para comunicar-se e manter a coesão grupal.[5] Desde pelo menos 2002, todo verão, ocupantes de barcos que navegam no Rio Suwanee chocam-se contra esturjões que saltam, o que provocando acidentes com ferimentos graves.[6][7]

Controle populacional[editar | editar código-fonte]

Não se conhecem predadores do esturjão, além dos seres humanos, mas acredita-se que eles tenham pouco impacto sobre a espécie. Entre os parasitas do esturjão-do-golfo-do-méxico estão o branchiura, nematódeos, tremátodes e sanguessugas. Não foram observados impactos nocivos devido à ação desses parasitas. A espécie é também hospedeira da glochidia (larva) de três espécies de mexilhões de água doce. A pesca excessiva e a construção de barragens provavelmente contribuiu para o declínio das populações desta subespécie.[3]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Ong, Tun-Liang; Joseph Stabile, Isaac Wirgin, John R. Waldman (16 de maio de 1996). «Genetic Divergence between Acipenser oxyrinchus oxyrinchus and A. o. desotoi as Assessed by Mitochondrial DNA Sequencing Analysis». American Society of Ichthyologists and Herpetologists. Copeia. 1996 (2): 464–469. JSTOR 10.2307/1446867. doi:10.2307/1446867. Consultado em 30 de agosto de 2007 
  2. a b c Fish and Wildlife Research Institute. «Facts About Gulf Sturgeon». Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Consultado em 31 de agosto de 2007 
  3. a b c d U.S. Fish and Wildlife Service and Gulf States Marine Fisheries Commission. 1995. Gulf Sturgeon Recovery Plan. Atlanta, Georgia.
  4. NOAA Fisheries, Office of Protected Resources, Gulf Sturgeon (Acipenser oxyrinchus desotoi)
  5. a b Lovgren, Stefan (30 de outubro de 2006). «Mystery of Florida's Giant Jumping Sturgeon Solved?». National Geographic News. National Geographic Society. Consultado em 30 de agosto de 2007 
  6. Mayell, Hillary (12 de novembro de 2002). «Florida Sturgeon "Attacks" Over For Now». National Geographic News. National Geographic Society. Consultado em 30 de agosto de 2007 
  7. Kofman, Jeffrey (13 de julho de 2007). «The Boater Versus the Beast». Nightline. ABC News. Consultado em 30 de agosto de 2007