Fazendas decoradas da Helsíngia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Em 27 de janeiro de 2019 foi proposta a renomeação deste artigo para Fazendas decoradas da Hälsingland. Se não concorda, use a página de discussão.
Obs.: Hälsingland é a forma usada em fontes académicas em português. Helsíngia não é uma forma usada em português, tendo sido introduzida no título e no corpo do artigo sem discussão nem apresentação de fontes comprovativas.
Pix.gif Fazendas decoradas da Helsíngia *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Gästgivars.jpg
Gästgivars
País  Suécia
Tipo Cultural
Critérios v
Referência 1282
Região** Europa e América do Norte
Coordenadas 61° 42' 26" N 16° 11' 45" E
Histórico de inscrição
Inscrição 2012  (36ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

Fazendas decoradas da Helsíngia (em sueco: Hälsingegårdar) são propriedades rurais com casas senhoriais artisticamente decoradas, na província histórica da Hälsingland, na Suécia. Mandadas construir por ricos camponeses independentes, refletem uma arquitetura popular com tradições na província. São consideradas como tendo grande valor histórico e cultural preservado até aos nossos dias. [1] [2]

UNESCO[editar | editar código-fonte]

Das cerca de 1000 casas decoradas da Hälsingland, 7 foram incluídas como Património Mundial por "representarem o zênite de uma tradição em construção de madeira regional que data desde a Idade Média. Elas refletem a prosperidade de fazendeiros independentes que, no século XIX, usaram suas riquezas a fim de construir casas com decoração elaborada"[3].

As sete fazendas são:

  • Gästgivars, Vallsta
  • Bommars, Letsbo
  • Pallars
  • Kristofers, Järvsö
  • Jon-Lars, Alfta
  • Bortom åa
  • Erik-Anders, Söderala

Referências

  1. «Hälsingegårdar» (em sueco e inglês). Världsarv i Sverige (ViS). Consultado em 27 de janeiro de 2019 
  2. «Hälsingegårdar, ett UNESCO världsarv» (em sueco). Museu Regional de Gävlesborg. Consultado em 27 de janeiro de 2019 
  3. «UNESCO»