Filomena Marona Beja

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Filomena Marona Beja
Nascimento 9 de junho de 1944 (78 anos)
Lisboa, Portugal Portugal
Prémios Grande Prémio de Literatura dst (2006)

Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLB (2007)

Género literário Romance, conto, Novela

Filomena Marona Beja (Lisboa, 9 de junho de 1944) é uma escritora portuguesa.

Profissional da área da documentação técnico-científica[1], Filomena Marona Beja estreou-se no romance com As Cidadãs(1998), livro que transporta o/a leitor/a para a Lisboa do início do século XX e cuja reedição, em 2009, coincidiu com as comemorações do centenário da implantação da República[2].

A autora publicou também Betânia (2000), A Sopa (2004) — com o qual ganhou o Grande Prémio de Literatura DST em 2006 —, A Duração dos Crepúsculos (2006), A Cova do Lagarto (2007) — galardoado com o Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLB[3] —, Bute Daí Zé (2010)[4], "Eléctrico 16" (2013), Um Rasto de Alfazema (2015) e Avenida do Príncipe Perfeito (2016).

Em 2011, Filomena Marona Beja editou o seu primeiro livro de contos, Histórias Vindas a Conto[5], colectânea ilustrada com fotografias de André Beja [6]. Em Abril de 2018, é editado De Volta (aos contos).

Em 2014 editou Franceses Marinheiros e Republicanos (2014), conjunto de novelas ilustrado pela artista plástica Maria José Ferreira.