Forja

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"A forja", de Francisco Goya.

Forja pode se referir ao forno utilizado para aquecer os metais a serem trabalhados por um ferreiro[1], ao conjunto de instrumentos utilizados pelo ferreiro[2][3], à oficina em que metais são forjados por um ferreiro[4][5], ao local aonde metais são fundidos e moldados[2], ou mesmo aos próprios processos de redução direta do minério de ferro e forjamento de peças metálicas[6][7][8].

O processo de forjamento por meio da forja ainda se parece com aquele consagrado na Idade Média[9], segundo o qual o metal deve ser aquecido, martelado sobre uma bigorna e, ao fim, temperado em líquido.

O processo de redução do minério de ferro, tanto na forma direta ou indireta, emprega fornos que podem ser chamados de forjas. Entretanto, o termo forja está mais associado ao processo de redução direta, cuja etapa de refino é realizada unicamente por forjamento[10].

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo forja vem do francês antigo forge, forma derivada de faverge, que remete ao lugar onde se trabalha o metal[11][12]. Por sua vez, o termo faverge provém do latim fabrica[11][12], que tanto pode se referir a “oficina”[13], quanto a “ofício” ou “arte”[14].

Combustíveis[editar | editar código-fonte]

Lenha[editar | editar código-fonte]

Até à Idade Média era comum que ferreiros europeus trabalhassem em fornos alimentados por lenha[15], os quais, porém, não atingiam as mesmas temperaturas que aqueles alimentados por carvão[16][8], combustível mais caro à época.[15]

Carvão[editar | editar código-fonte]

Forja à carvão.

A forja a carvão é o forno tradicionalmente associado ao trabalho com metais[17][18]. Sua estrutura é normalmente construída em ferro fundido[19] ou material refratário e inclui um algaraviz por onde passa o ar soprado por um insuflador, como um fole ou um ventilador[20][21]. Contudo, no passado, não era raro que forjas a carvão fossem construídas com pedras comuns ligadas por barro, ante a indisponibilidade de material refratário adequado.[15]

As temperaturas atingidas pelo emprego de carvão permitiram que metais com alto ponto de fusão fossem deformados[15][22], o que levou as forjas a utilizar este combustível em substituição à lenha. Todavia, o tipo de carvão utilizado nas forjas foi alterado com o tempo, por força de crises no abastecimento de determinado tipo e o constante desenvolvimento de novos processos de forjamento e fundição de metais.

O carvão vegetal foi o primeiro substituto da lenha, mas não atingia temperaturas suficientemente altas para a fundição do minério de ferro, o que motivava a existência de etapas intermediárias na produção de ferro e aço[8]. Estas desvantagens, contudo, não impediram o carvão vegetal de ser amplamente utilizado ao ponto de se tornar absurdamente escasso.[8]

Diante da referida escassez, o carvão mineral passou a ser empregado no lugar do carvão vegetal. Entretanto, a concentração de enxofre neste combustível se provou inconveniente, pois contribuição para a fragilização dos produtos metalúrgicos confeccionados com sua combustão[8]. Esse problema somente veio a ser superado com a introdução do processo de coqueificação do carvão mineral[8], que permitiu a produção do combustível mais utilizado em forjas até hoje[21], o coque.

Gás[editar | editar código-fonte]

As forjas à gás são aquelas que empregam gás natural, propano ou gás liquefeito de petróleo[23] para criar a chama que aquecerá o metal a ser forjado e normalmente são construídas a partir de um tambor cilíndrico de metal revestido de material refratário, um queimador e um botijão contendo o combustível[18]. Em alguns casos, o botijão é substituído por um ponto de gás encanado a fim de evitar que a temperatura do cilindro diminua devido à insuficiência de gás.[18]

O emprego de gases como combustíveis na forja é indicado a forjadores principiantes pela facilidade que propicia no controle do calor[18], pela portabilidade do equipamento e porque dispensam o uso de foles ou ventilador, o que permite seu uso em oficinas pequenas. Algumas forjas à gás apresentam uma porta em cada extremidade, facilitando o forjamento de peças mais longas.[24]

As principais desvantagens deste tipo de forja são o custo do combustível[25][26][27] e a dificuldade em aquecer partes específicas do material a ser trabalhado[18]. Esta última característica, porém, pode ser contornada com o uso de chamas de oxiacetileno e oxigênio-propano.[24] 

A frio[editar | editar código-fonte]

Em verdade, a “forja a frio” não corresponde a um tipo de combustível para forja, mas a uma técnica de forjamento que emprega pressão mecânica calculada para dar forma a ligas leves de metal[28] abaixo de sua temperatura de cristalização (que pode variar da temperatura ambiente – dispensando combustíveis – até centenas de graus celsius).[29][28] Neste tipo de forja é comum a utilização do método da impressão de matriz de forjamento, no qual o metal é fechado em um molde ligado a uma bigorna sobre a qual é vigorosamente lançado um martelo.[28]

As peças forjadas a frio não necessitam de trabalhos de acabamento, e por isso são mais baratas que aquelas forjadas sob calor intenso, além de mais resistentes, porque não submete o material a estresse térmico e não altera a estrutura do material em grão.[29][28] Contudo, antes de serem forjadas a frio, peças feitas de prata, ouro, cobre e latão necessitarão de recozimento.[30]

Tipos de Forja[editar | editar código-fonte]

Forno de Lupa.

Forno de Lupa[editar | editar código-fonte]

O forno de lupa é o mais antigo modelo de forja utilizado na redução direta do minério de ferro[8]. Esses fornos eram construídos em pedra ou barro[31][32] sobre um buraco retangular, circular ou semi-circular cavado na terra, com algaravizes laterais feitos de argila[33][34], para entrada do ar pela força do vento[8], abano ou insuflador[10], no qual eram depositados minério de ferro e carvão vegetal.[35]

Ao longo do tempo, autores atribuíram denominações diversas a este tipo de forja: "fornos primitivos", "fornos rústicos", "baixos-fornos", "fornos de cadinho", "fornos de galícia", e, inadequadamente, até de "forja catalã".[6][10] Contudo, a denominação “forno de lupa”, surgida da tradução do inglês bloomery furnace, tem a vantagem de referir-se mais claramente ao produto da redução direta, a lupa (chamada bloom em inglês, loupe em francês e lupe em alemão).[10]

A produção de ferro[35] e aço[8] por meio destes fornos ocorria em três etapas.[10] Na primeira, o minério de ferro era submetido ao processo de redução direta que lhe transformava em lupa, uma massa esponjosa composta de ferro com baixo teor de carbono e escória. Em seguida, a lupa era retirada por um orifício no fundo do forno e seguia para refino por forjamento. Por fim, o metal refinado era forjado novamente para adquirir sua forma final (forjamento secundário).[10]

Segundo registros históricos, este tipo de forja lograva produzir pouco mais de 100 toneladas de barras de ferro dúctil por ano, apenas.[36]

Forja Catalã[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Forja Catalã

A “forja catalã” era um estabelecimento dedicado à redução direta do minério de ferro e à produção de ferro e aço[37] que empregava um forno de pedra com 2 metros de altura, cujos insufladores de ar consistiam em foles de couro acionados por trompas d'água.[35][6][10]

Essa forja criada na região da Catalunha, Espanha, representou um avanço tecnológico em relação aos fornos de lupa, uma vez que sua capacidade diária de produção era quase dez vezes maior.[38][35] Em razão disso, as forjas catalãs dominaram a produção de ferro na Europa do século XI ao século XV.[8]

Ocorre que, com o surgimento dos altos fornos e do método de refino do ferro gusa (liga metálica com ponto de fusão mais baixo que o do ferro[35]), a indústria siderúrgica passou a preferir o processo de redução indireta do minério de ferro, aos poucos deixando de utilizar as forjas catalãs.[8]

Forja de Refino[editar | editar código-fonte]

“Forja de refino” é um forno empregado na fase de refino do processo de redução indireta do minério de ferro, na qual o ferro gusa sofre descementação por meio de fusões adicionais, reações oxidantes e forjamento para retirada de impurezas, visando a produção de ferro forjado, ferro fundido ou o aço.[39][10][8][35]

Uma vez que os altos fornos não atingiam a temperatura necessária para fundir ferro de maneira completa, a utilização do ferro gusa era imprescindível à produção daqueles produtos metálicos.[10] Ocorre que a existência da fase intermediária alongava e encarecia o processo de redução indireta, o que permitia que as antigas forjas continuassem competitivas na produção de ferro e aço.[8]

Contudo, a adoção do processo de pudlagem no início do séc XIX encurtou o processo de a redução indireta ao utilizar coque para atingir temperaturas mais altas em seus fornos, de modo que as forjas de refino se tornaram obsoletas. Posteriormente, o processo de pudlagem demonstrou ser incapaz de atender a crescente demanda por ferro e foi substituído pelo processo de Bessemer e pelo forno Siemens-Martin de produção de aço líquido.[6][10]

Referências

  1. «Forja - dicionário português: - Dicionário, tradutor, sinônimos de forja, definição e traduções de forja…». dicionarioportugues.org. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  2. a b «Forja». Michaelis On-Line. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  3. «Forja». Dicionario Online - Caldas Aulete. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  4. «Forja - dicionário português: - Dicionário, tradutor, sinônimos de forja, definição e traduções de forja…». dicionarioportugues.org. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  5. «Forja». Dicio - Dicionário Online de Português. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  6. a b c d Landgraf, Femando José G.; Tschiptschin, André P.; Goldenstein, Hélio. «Notas sobre a história da Metalurgia no país». www.pmt.usp.br. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  7. «Glossário». ri.usiminas.com. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  8. a b c d e f g h i j k l m Melo, Malard, Antonio Augusto (1 de janeiro de 2009). «Avaliação ambiental do setor de siderurgia não integrada a carvão vegetal do Estado de Minas Gerais.». PPGSEA - Mestrado profissional (Dissertações). Consultado em 25 de setembro de 2016 
  9. Meneghetti, Diego (5 de setembro de 2012). «Como uma espada é forjada?». Revista Mundo Estranho. Editora Abril. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  10. a b c d e f g h i j Maia, Rafael Rocha (9 de maio de 2014). «Análise de inclusões de escória em amostras arqueológicas da fábrica de ferro de Ipanema.». Escola Politécnica - Universidade de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais). doi:10.11606/d.3.2014.tde-29122014-115425. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  11. a b «Étimo da palavra FORJAR». origemdapalavra.com.br. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  12. a b «Forge». www.etymonline.com. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  13. «Fábrica». origemdapalavra.com.br. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  14. Garrison, Daniel H. «The Name "Fabrica"». www.vesaliusfabrica.com. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  15. a b c d Batata, Márcio (20 de março de 2015). «Tratamento térmico rudimentar para aço – Básico e sem frescura.». Instituto Defesa. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  16. «Carvoaria caseira para forja e afins - Versão para Impressão». www.bushcraftbr.com. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  17. «Ferreiro japonês forja facas da forma secular, com carvão e água.». www.eatinout.com.br. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  18. a b c d e «Forja com propano». www.mecanicaindustrial.com.br. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  19. «A OFICINA COMO LOCAL DE TRABALHO». arte-patrimonio.blogs.sapo.pt. Consultado em 29 de setembro de 2016 
  20. «Como Forjar uma faca :: Compilação medieval». compilacaomedieval.webnode.com.br. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  21. a b Leme, Hugo de Almeida. «A oficina da propriedade agrícola». Anais da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. 2: 151–172. ISSN 0071-1276. doi:10.1590/S0071-12761945000100005 
  22. «Como construir uma forja de carvão natural». eHow Brasil. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  23. «Como Fazer uma Forja para Metal». Wikihow.com. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  24. a b «The Forge and Bellows.». www.blackiron.us. http://www.blackiron.us/forge.html. Consultado em 23 de junho de 2017 
  25. «Forja a gás ou carvão ? [Archive] - The Knife Network Forums : Knife Making Discussions». www.knifenetwork.com. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  26. «Forja a gás - Tutorial -». www.xilofilos.com. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  27. «Pequena forja». www.guiadomarceneiro.com. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  28. a b c d «Vantagens e desvantagens do processo de forjamento». www.manutencaoesuprimentos.com.br. 24 de outubro de 2012. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  29. a b «Forjamento a frio como processo em metalmecânica». www.manutencaoesuprimentos.cloudbr.net. 16 de junho de 2010. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  30. «Forja, Forjar, Metal, Prata, Joalharia». www.heartjoia.com. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  31. Silva, Carlos Tavares da; Soares, Joaquina; Duarte, Susana; Covas, Ana Paula. «Inventário do Património Arqueológico de Odemira». www.atlas.cimal.pt. Comunidade Intermunicipal Alentejo Litoral. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  32. «Orada Velha - Portal do Arqueólogo». arqueologia.patrimoniocultural.pt. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  33. Proença, Alex (15 de julho de 2007). «A produção negociada». Opinião Socialista. Consultado em 25 de setembro de 2016 
  34. Jorge, Susana Oliveira (1976). «Vasos cerâmicos do Abrigo 1 da Ganda (Angola)». Revista de Guimarães, n.º 86, 1976, p. 223-233. Consultado em 17 de junho de 2017 
  35. a b c d e f Faciaben, Marcos Eduardo (22 de junho de 2012). «Tecnologia siderúrgica no Brasil do século XIX: conhecimento e técnica na aurora de um país (o caso da Fábrica de Ferro de São João do Ipanema)». Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. Dissertação (Mestrado em História Social). doi:10.11606/d.8.2012.tde-08112012-113010 
  36. Landgraf, Femando José Gomes; Araujo, Paulo Eduardo Martins (2014). A arquitetura do Alto forno e a biblioteca perdida de Ipanema. Anais do 14o Seminário Nacional de História da Ciência e Tecnologia. [S.l.: s.n.] 
  37. BIEHL, Luciano Volcanoglo (2003). A ciência ontem, hoje e sempre. Canoas: ULBRA. 32 páginas 
  38. Noldin Júnior, José Henrique (2002). Contribuição ao estudo da cinética de redução de briquetes auto-redutores (PDF). Dissertação (Mestrado em Engenharia Materiais e de Processos Químicos e Metalúrgicos). Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. pp. 16–23 
  39. «Aplicação do ferro-gusa na indústria». www.manutencaoesuprimentos.com.br. Consultado em 25 de setembro de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre Tecnologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.