Formas nominais do verbo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

As formas nominais do verbo ou verbos não finitos são o gerúndio, infinitivo e particípio.[1] Não apresentam flexão de tempo e modo, perdendo desta maneira algumas das características principais dos verbos. Por serem tomadas como nomes (substantivos, adjetivos e advérbios), recebem o nome de formas nominais. Estas formas se comportam semelhantes a um substantivo, adjetivo ou advérbio.[1]

Infinitivo

O infinitivo indica a ação que é propriamente dita, sem situá-la no tempo, desempenhando uma função semelhante a um substantivo. O infinitivo é o nome do verbo. Está sempre terminado em -r nunca terá outra terminação. Exemplo: caminhar, correr, andar.[2]

O infinitivo pode apresentar algumas vezes flexão em pessoa, constituindo assim duas formas possíveis: o infinitivo pessoal e o infinitivo impessoal.[2]

De acordo com isso, temos em conta de que o infinitivo sempre terminara em r

Particípio

O particípio indica uma ação já acabada, finalizada, adquirindo uma função parecida com a de um adjetivo ou advérbio. O particípio passado regular é reconhecido pelos sufixos, ou seja, terminam em -ido e ado.

Exemplos: acabado, finalizado,

Temos comprado muita comida.

Exceções: ganho, gasto, pago, dito, escrito, feito, visto, posto, aberto, coberto.

Ele foi preso ontem.

Também existem os particípios na Voz Ativa e na Voz Passiva.

Gerúndio

O gerúndio (também chamado de presente perfeito) indica uma ação em andamento, um processo verbal ainda não finalizado. Pode ser usado em tempos verbais compostos ou sozinho. Termina com o sufixo -ndo.

Estou finalizando os exemplos deste verbete. (tempo composto)
Fazendo teu trabalho antecipadamente, não terás preocupações. (gerúndio sozinho com função de advérbio).

O gerúndio é reconhecido pelos verbos terminados em ndo. Exemplos: subindo, caminhando, gravando, enchendo, perdendo, difundindo e etc.

Uso

Costuma-se usar o infinitivo pessoal quando:

•    refere-se a um sujeito próprio, diferente do da oração principal;

Para conseguirmos sair, alguém precisa destrancar a porta.

•    o sujeito a que se refere é expresso antes do infinitivo;

Para nós conseguirmos sair, precisamos abrir a porta.

•    o sujeito é indeterminado na terceira pessoa do plural.

Referências

  1. a b Araújo, Ana Paula de. «Formas nominais do Verbo». InfoEscola. Consultado em 17 de setembro de 2013 
  2. a b Duarte, Vânia. «Características do infinitivo». R7. Brasil Escola. Consultado em 17 de setembro de 2013 
Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.