Frios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Frios (português brasileiro) ou carnes frias (português europeu) são carnes pré-cozidas ou curadas que são fatiadas e servidas frias ou quentes. Eles são normalmente servidos em sanduíches ou em uma bandeja.[1] Eles podem ser adquiridos pré-cortados, geralmente em embalagens a vácuo, ou podem ser fatiados sob encomenda.

Saúde[editar | editar código-fonte]

A maioria dos frios pré-fatiados são mais ricos em gordura, nitratos e sódio do que aquelas que são fatiadas na hora, pois uma superfície exposta maior requer conservantes mais fortes.[1] Como resultado, as carnes processadas podem contribuir significativamente para a incidência de doenças cardíacas e diabetes, ainda mais do que a carne vermelha.[2]

Um estudo prospectivo que acompanhou 448.568 pessoas em toda a Europa mostrou uma associação positiva entre o consumo de carne processada e a mortalidade causada por doenças cardiovasculares e câncer.[3] Da mesma forma, um estudo prospectivo nos EUA seguindo meio milhão de pessoas sinalizou uma associação semelhante entre morte e aumento do consumo de carne processada.[4] As diretrizes do World Cancer Research Fund International sobre prevenção do câncer recomendam evitar todas as carnes processadas.[5]

Segurança[editar | editar código-fonte]

Em 2011, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA aconselham que aqueles com mais de cinquenta anos reaquecem os frios a 74 °C (165 °F) e os usem dentro de quatro dias.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Phil Lempert (27 de dezembro de 2006). «The 5 things you need to know about deli meats». Today Food. NBC News. Consultado em 17 de março de 2013 
  2. Micha, Renata; Michas, Georgios; Mozaffarian, Dariush (1 de dezembro de 2012). «Unprocessed red and processed meats and risk of coronary artery disease and type 2 diabetes--an updated review of the evidence». Current Atherosclerosis Reports. 14 (6): 515–524. ISSN 1534-6242. PMC 3483430Acessível livremente. PMID 23001745. doi:10.1007/s11883-012-0282-8 
  3. Rohrmann, Sabine; Overvad, Kim; Bueno-de-Mesquita, H. Bas; Jakobsen, Marianne U.; Egeberg, Rikke; Tjønneland, Anne; Nailler, Laura; Boutron-Ruault, Marie-Christine; Clavel-Chapelon, Françoise (1 de janeiro de 2013). «Meat consumption and mortality--results from the European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition». BMC Medicine. 11. 63 páginas. ISSN 1741-7015. PMC 3599112Acessível livremente. PMID 23497300. doi:10.1186/1741-7015-11-63 
  4. Sinha, Rashmi; Cross, Amanda J.; Graubard, Barry I.; Leitzmann, Michael F.; Schatzkin, Arthur (23 de março de 2009). «Meat intake and mortality: a prospective study of over half a million people». Archives of Internal Medicine. 169 (6): 562–571. ISSN 1538-3679. PMC 2803089Acessível livremente. PMID 19307518. doi:10.1001/archinternmed.2009.6 
  5. «Animal foods | World Cancer Research Fund International». wcrf.org. Consultado em 17 de dezembro de 2015. Arquivado do original em 22 de dezembro de 2015 
  6. Weise, Elizabeth (4 de maio de 2011). «CDC: Over 50? Heat cold cuts to 165 degrees to avoid listeria». usatoday.com. USA Today. Consultado em 13 de abril de 2022