Gelatina de café

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gelatina de café
Categoria gelatina
País Japão e Inglaterra
Ingrediente(s)
principal(is)
Café instantâneo ou fresco; gelatina ou agar-agar; açúcar ou adoçante.
Receitas: Gelatina de café   Multimédia: Gelatina de café

Gelatina de café (コーヒーゼリー, kōhī zerī?) é uma sobremesa de geléia aromatizada com café e açúcar.[1][2] Embora já tenha sido comum na culinária do Reino Unido e dos Estados Unidos, agora é mais comum no Japão, onde pode ser encontrada para compra e consumo na maioria dos restaurantes, cafés e lojas de conveniência. A gelatina de café pode ser feita usando pó instantâneo ou a partir do zero. 

História[editar | editar código-fonte]

Receitas para gelatina de café aparecem, pela primeira vez, em livros de receita publicados na Inglaterra, em 1817.[3][4] As primeiras receitas utilizavam café misturado com geleia de mocotó, e às vezes, ictiocola ou outros clarificadores.[5] Após a introdução de pacotes de gelatina em pó, a maioria das receitas utiliza gelatina dissolvida diretamente no café quente, e então colocada em um molde.[6]

No início do século XX, a geleia de café foi promovida como uma alternativa mais saudável para café quente, já que se pensava que a gelatina iria absorver o excesso de ácido no estômago.[7]

A marca de gelatinas Jell-o lançou uma mistura pronta de gelatina de café em 1918,[8] mas a sobremesa não se tornou popular fora da Nova Inglaterra (região nordeste dos Estados Unidos). Até hoje ela pode ser encontrada em locais como Rhode Island, Massachusetts e outros estados da região. O restaurante Durgin-Park, inaugurado em 1827 e um dos mais antigos da cidade de Boston, ainda serve gelatina de café, feita com as sobras do café servido no dia anterior.[9]

A gelatina de café japonesa foi desenvolvida durante o período Taisho (1912-1926),[10] imitando as gelatinas moldadas populares na Europa. Ela era popular entre os jovens modernos interessados na moda ocidental, e ascendeu junto com a cultura dos cafés.[10] A sobremesa se manteve popular no Japão, e até hoje está largamente disponível no país. A rede de cafeterias Starbucks lançou um frapuccino feito com gelatina de café, em 2016.[11][12]

Descrição[editar | editar código-fonte]

A gelatina de café japonesa é feita a partir de café adoçado adicionado a agar-agar, uma substância similar à gelatina feita de algas, e chamada de kanten em Japonês.[13] Nas receitas tradicionais europeias e estadounidenses, gelatina normal é utilizada no lugar de agar-agar.

A gelatina é, geralmente, cortada em cubos e servida como acompanhamento ou parte de diversos pratos de sobremesa e bebidas. Cubos de gelatina podem ser adicionadas a milkshakes, no fundo de um copo onde se serve vaca-preta, ou para enfeitar um sorvete tipo sundae.[10] Ela também é frequentemente adicionada a copos de café quente ou gelado, e servido com creme e xarope de goma. Leite condensado é uma cobertura comum derramada sobre cubos de gelatina de café gelada em uma tigela.[14]

Referências

  1. Journal of Taste. [S.l.: s.n.] 1904 
  2. About Ices Jellies & Creams. Col: Kegan Paul library of culinary arts. [S.l.]: Taylor&Francis. 2013. ISBN 978-1-136-18425-3 
  3. Hughson, D. (1817). The New Family Receipt Book. Londres: W. Pritchard and J. Bysh. 204 páginas 
  4. THOMSON, Julie R (21 de setembro de 2016). «Coffee Jelly Is The Dessert That Just Won't Die». The Huffington Post 
  5. Jarrin, G.A. (1827). The Italian Confectioner. [S.l.: s.n.] 
  6. Kander, Simon (1921). The Settlement Cookbook. [S.l.: s.n.] 
  7. «COFFEE AFTER DINNER.». The Lancet. 162 (4168). doi:10.1016/s0140-6736(01)46056-9 
  8. Schlichenmeyer, Terri. «10 Food Products That (Thankfully) Flopped». Mental Floss 
  9. PANDOLFI, Keith. «Boston Uncommon». Saveur 
  10. a b c 1941-, White, Merry I.,. Coffee life in Japan. Berkeley: [s.n.] ISBN 9780520259331. OCLC 780425994 
  11. «Starbucks Unveils Coffee Jelly Frappuccino». Time. 27 de junho de 2016 
  12. «People Are Going Crazy for Starbucks Japan's Coffee Jelly Frappuccinos». Eater 
  13. White 2012, p. 123.
  14. MACEWAN, Matthew. «The Delicious Road: a Japanese Dessert Journey». Tofugu