Golshifteh Farahani

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Golshifteh Farahani
Em 2018, na cerimônia do César
Nome completo Rahavard Farahani
Nascimento 10 de julho de 1983 (36 anos)
Teerã, Irã
Nacionalidade francesa[1]
Atividade 1997–presente
Cônjuge Amin Mahdavi (2004–2013)
Outros prêmios
Fajr International Film Festival
Página oficial

Golshifteh Farahani (em persa: گلشیفته فراهانی), nome artístico de Rahavard Farahani (Teerã, 10 de julho de 1983),[2] é uma atriz, conhecida após ser banida de seu país e por haver posado nua para o Le Figaro Madame.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Seu pai era ator e diretor de teatro, e a mãe uma pintora.[4] Farahani começou seus estudos de música clássica (voz e piano) aos cinco anos de idade e, já aos doze, foi reconhecida no Conservatório de Viena.[2]

Logo foi descoberta pelo executivo cinematográfico iraniano Dariush Mehrjui, e tornou-se protagonista de um de seus filmes, iniciando assim sua carreira que logo a levou a novos papéis.[2]

A atriz veio a obter o reconhecimento no país natal, vencendo o prêmio Crystal-Simorgh do Fajr International Film Festival.[2] Isto lhe valeu a participação no filme Rede de Mentiras, ao lado de Leonardo di Caprio (2008).[3]

No lançamento do filme, em Nova Iorque, a atriz posou com os cabelos soltos e ombros desnudos; quando retornou ao Irã teve o passaporte confiscado e por sete meses foi submetida a vários interrogatórios.[4]

Sobre essa repressão, a atriz declarou: "Você é jogada como uma bola da Corte Revolucionária Islâmica aos serviços de inteligência, cada uma das organizações querendo provar ter mais poder"[4]

Protesto fotográfico[editar | editar código-fonte]

Ainda em 2008 Farahani deixou seu país, em protesto às restrições impostas ao cinema local, passando a residir em Paris.[3] Sua fuga se deu em 23 de agosto daquele ano, de forma traumática pois se viu obrigada a deixar os parentes, e o país que, apesar de tudo, diz ser "o melhor país para se viver"; mas ressalta: "Olhe para nós, todos que nascemos depois da revolução. O mundo muçulmano olha para o Irã como um exemplo, um sonho, mas eles não sabem o que acontece lá".[4]

Em janeiro de 2012 a atriz posou nua para a publicação francesa Le Figaro, numa manifestação contra a repressão às mulheres, o que levou as autoridades iranianas do Ministério da Cultura e Orientação Islâmica a notificarem-na a não mais retornar ao país.[3]

Referências

  1. http://www.parismatch.com/People-Match/Cinema/Actu/Golshifteh-Farahani.-L-etre-persan-466452/
  2. a b c d «Golshifteh Farahani Biography 1983». Mag Issue. Consultado em 18 de janeiro de 2012 
  3. a b c d Agência de Notícias (18 de janeiro de 2012). «Atriz iraniana é banida do país após foto nua». Folha de S. Paulo. Consultado em 18 de janeiro de 2012 
  4. a b c d Fernando Eichenberg (12 de janeiro de 2012). «Golshifteh Farahani: sem véu e sem censura». Terra Magazine. Consultado em 20 de janeiro de 2012