Guida Ottolini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Guida Ottolini
Nome completo Margarida Roque Gameiro Ottolini Coimbra
Nascimento 1915
Morte 1992 (77 anos)
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Área Ilustração

Margarida Roque Gameiro Ottolini Coimbra (1915 - 1992) foi uma ilustradora portuguesa.

Filha de Raquel Gameiro e de um filho do 3º Conde de Ottolini, não frequentou qualquer escola, tendo recebido toda a instrução e educação de uma preceptora, que a ensinou a ler e a escrever tanto em Português, como em francês e alemão, e de sua mãe, com quem aprendeu a desenhar e a pintar. Cresceu num ambiente de artistas, participando como figurante nalguns filmes do tio Leitão de Barros e sendo retratada pelo tio Jaime Martins Barata, pelo que é seu o único rosto feminino nos painéis da Assembleia da República.

Começou cedo a colaborar com a mãe na ilustração de livros e revistas; as suas primeiras tiras de banda desenhada apareceram no magazine Civilização[1].

Em 1940 ilustrou, pela primeira vez, o boletim Mocidade Portuguesa Feminina[2] , colaboração que irá mantém de forma esporádica. Para o jornal Lusitas trabalhou até ao fim da sua publicação em 1974.

Ao longo da sua vida, Guida Ottolini ilustra inúmeros livros para crianças.

Em 3 de Maio de 1994, a Tertúlia da BD prestou-lhe homenagem a título póstumo pela sua dedicação à banda desenhada[1].

Lista de Livros Ilustrados[editar | editar código-fonte]

  • Uma viagem maravilhosa, Suzanne Jeusse e Vera Bordalo Pinheiro (1933)
  • As aventuras de João Espertalhão, Leonor de Campos (1933)
  • A primeira aventura de Zé Nêspera, Teresa Leitão de Barros (1936)
  • Contos da Belinha, Emília de Sousa Costa (1936)
  • Mestre Galo e "Espertalhão", Alberto Mário Sousa Costa (1936)
  • Exame de admissão aos liceus: pontos modelos, n.º 1 a 10, Óscar da Silva Machado (1936)
  • Luz da infância, Viriato Hermínio (1939)
  • As filigranas, Luís Lopes (1941)
  • Bichos, bichinhos e bicharocos, Leonor de Campos (1944)
  • Alguns milagres e parábolas de Jesus, Oliveira Cabral (1946)
  • Danças regionais, Emília de Sousa Costa (1947)
  • Temas de redacção sobre moral cristã, Gabriela Santos (1948)
  • Os anos do pai gato, Fernanda Flores (1950)
  • Historietas da Lili, Estefânia Carreira (1957)
  • Corações ao alto, Oliveira Cabral (1958)
  • Portugal, Oliveira Cabral (1960)
  • Cancioneiro infantil, Estefânia Carreira (1962)
  • A história do bebé: recordações, Fernanda Flores (1969)
  • Canções do amor à terra, Estefânia Carreira (1969)
  • Alarme no acampamento, Maria Alice Andrade dos Santos (1970)
  • Amor sem fronteiras: Santa Teresa do Menino Jesus, Januário dos Santos (3ª edição, 1983)

Notas

  1. a b A banda desenhada portuguesa, 1914-1945 / [textos de] João Paiva Boléo, Carlos Bandeiras Pinheiro ; [arranjo gráfico] Paulo Emiliano ; fotogr. Luís Pavão, Laura Guerreiro. Lisboa : Fundação Calouste Gulbenkian. CAM, 1997
  2. Helena Roldão (2 de maio de 2014). «Ficha histórica: Mocidade Portuguesa Feminina : boletim mensal (1939-1947).» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 27 de Maio de 2014. 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.