Gurgel XEF

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2015). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Gurgel XEF
GurgelXef.jpg
Visão Geral
Produção 19821986
Fabricante Gurgel
Modelo
Classe Minicarro
Carroceria sedan
Designer João Gurgel
Ficha técnica
Motor VW 1600
56 cv
11,3 mkgf
Transmissão 4
Dimensões
Comprimento 3,12
Entre-eixos 1,80
Largura 1,70
Peso 800
Cronologia
Gurgel Cena

O XEF é um sedan compacto produzido pela Gurgel. Durante 6 anos, foram produzidas menos de 200 unidades.[1]

A denominação XEF foi dada por Maria Cristina, filha de João Gurgel. Certo dia ela chegou em casa dirigindo o protótipo. Ao perguntarem de quem era o carro ela disse: “É do chefe!”, mostrando que se tratava de um carro projetado pelo seu pai.

História[editar | editar código-fonte]

Projeto[editar | editar código-fonte]

A Gurgel sempre quis produzir um automóvel pequeno e rápido, adaptado para o transito complicado das grandes cidades. Na época em que estudava na universidade, João Augusto Conrado do Amaral Gurgel desenhou um veículo com motor de dois cilindros. Depois de virar fabricante de utilitários, que basicamente utilizavam mecânica de Fusca, ele aproveitou essa mecânica para seu primeiro projeto de carro compacto e urbano. O então novo modelo foi apresentado no Salão do Automóvel de São Paulo de 1981 e se chamava GTA (Grâ Turismo Articulado). Em 1983 houve uma modificação e o modelo passou a se chamar XEF com algumas modificações, como o quebra-vento do Fiat 147, uma janela em forma de escotilha, um para-brisa e a janela-vigia traseira original do VW Brasília. No início, por causa do restrito espaço para bagagem, poderia se acoplar uma pequena carreta atrás do carro utilizado como porta-malas removível, o que foi reprovado pelos consumidores.

Produção[editar | editar código-fonte]

O XEF começou a ser produzido em 1982 e recebeu mais alterações, como retirada do ressalto traseiro e a ovalação da escotilha, o que deixou seu desenho mais bonito. Também foram alterados a tampa do motor e as saídas de ar, que passaram para trás da placa. Foram adicionadas aletas para refrigeração do motor. Os para-choques ganharam duas garras. No interior os instrumentos do painel foram modificados: os mostradores passaram a ser horizontais e os conta-giros no mesmo tamanho do velocímetro e os bancos tiveram os apoios de cabeça separados dos assentos. O emblema G, no capô, migrou para a coluna traseira. O modelo foi produzido até 1986 e nesse mesmo período foram alterados pela Gurgel a grade dianteira, sendo esta integrada ao seu capô e os para-choques perderam as garras, mas ganharam uma proteção emborrachada. Nesse ano foi oferecida a opção do banco inteiriço e o freio de mão foi transferido para baixo do painel. Nessa mesma ocasião foi apresentada uma versão picape do XEF que foi batizada de E-250, mas acabou não sendo produzida.

Licenciamento[editar | editar código-fonte]

Todos os 145 XEF produzidos foram licenciados. Abaixo, o licenciamento ano a ano do XEF: são 58 a álcool e 87 a gasolina.

Combustível 1982 1983 1984 1985 1986 Total
Álcool 0 19 9 17 13 58
Gasolina 1 18 24 24 20 87
Total 1 37 33 41 33 145

Desenho[editar | editar código-fonte]

Seu desenho imita os detalhes dos veículos da Mercedes-Benz dos anos 1980, sonho de consumo dos brasileiros, numa época em que as importações eram proibidas a maioria dos brasileiros e permitida apenas às embaixadas estrangeiras. Pode-se notar principalmente no desenho do para-lama e faróis retangulares (de VW Voyage), com lentes de piscas nas extremidades. O conjunto é complementado com uma falsa grade de cor preto fosco, Existia um “G” estilizado sobre o capô dianteiro que também imitava a marca alemã.

Seu perfil chama a atenção por ser uma carroceria de três volumes, que era pouco comum em veículos muito pequenos. As portas são bem dimensionadas e facilitam a entrada dos ocupantes. Em sua traseira, as lanternas caneladas, provenientes do VW Brasília, também lembra a marca alemã. O aro também são inspirados nos carros da Mercedes e a denominação XEF vem aplicada junto do para-lama dianteiro.

Interior[editar | editar código-fonte]

No seu interior o acabamento foge do estilo espartano utilizado pela Gurgel. Seu interior comporta três pessoas confortavelmente lado a lado em função de sua largura ser de 1,70 e o banco do motorista é separado do banco dos passageiros, que já vinham com apoios de cabeça e podiam ser revestidos tanto em tecido ou couro. E atrás dos encostos existia uma bolsa elástica que era utilizada para prender a bagagem no reduzido espaço traseiro. Todo o seu interior era acarpetado, possuindo também vidros elétricos e toca-fitas de fábrica. A Gurgel pensou em colocar ar-condicionado quando ele era produzido, mas acabou desistindo por motivos não especificados. Seu painel dispõe de cinco instrumentos: velocímetro, nível do combustível, pressão do óleo, conta-giros e vacuômetro e seu volante tem duas hastes.

Especificações[editar | editar código-fonte]

Chassi[editar | editar código-fonte]

O chassi é originário da Gurgel: é uma estrutura tubular de aço incorporada pela carroceria com plástico reforçado com fibra de vidro.

Suspensão[editar | editar código-fonte]

Sua suspensão é a mesma do VW Fusca (braços arrastados superpostas, lâminas de torção e barra estabilizadora na dianteira e na traseira possui sistema de semi-eixo oscilante com uma lâmina tensora longitudinal em cada lado e ligada à barra de torção e com cinta limitadora de curso de distensão).

Dimensões[editar | editar código-fonte]

Possui tamanho reduzido (3,12 de comprimento e apenas 1,80 de extensão entre-eixos). Não possuía espaço para bagagem, pois o espaço que existia era para acomodar o tanque de 55 litros.

Motor[editar | editar código-fonte]

Seu motor é um VW 1600 a ar que tinha como opção o carburador simples (à gasolina, 48cv e 10 m.kgf de torque) ou dupla-carburação (à álcool, 56cv e 11,3 m.kgf de torque). Sua velocidade máxima e de cerca de 140 km/h e vai de 0 a 100 km/h em cerca de 20 segundos. Seu câmbio é de 4 velocidades mais a ré e utilizava o mesma relações de marchas e diferencial do VW 1300.

Referências

  • Revista Quatro Rodas, Março de 1983, Editora Abril
  • Revista Quatro Rodas, Dezembro de 1983, Editora Abril

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Gurgel XEF