Harimia Ahmed

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Harimia Ahmed
Ocupação política

Harimia Ahmed é uma advogada comorense. A primeira mulher advogada em Comores, atuou como Ministra da Justiça e presidente do conselho da ordem dos advogados. Ahmed também advogou defendendo clientes bastante conhecidos nas cortes do país.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Harimia Ahmed é a esposa de Idi Nadhoim, Vice-Presidente de Comores de 2006 a 2011.[1][2][3] Ahmed exerce a advocacia desde pelo menos 1994, tendo sido a primeira mulher a atuar nesta profissão em Comores.[4][5][6]

Ahmed serviu três mandatos como presidente do conselho da ordem dos advogados, afirmando que o conselho passou por um crescimento no número de seus membros de dois, em 1968, para 40 no final de seu mandato. Ahmed ambicionava melhorar a transparência, a igualdade de serviços e a eficiência dos membros do conselho.[7] Durante seu período no cargo, também atuou como consultora jurídica do governo comorense e foi Ministra da Justiça, em 2007.[8][9][10] Em 2010, serviu como vice-presidente do capítulo comorense do Centro de Estudos Estratégicos da África, sendo nomeada como cônsul honorária do Senegal no Comores em 2012.[11]

Em 2000, Ahmed atuou como advogada de Cheikh Ali Bacar Kassim, um antigo parlamentar e conhecido adversário do líder das forças armadas golpistas e posteriormente Presidente Azali Assoumani. Kassim denunciava a prática de escândalos financeiros por parte de integrantes do alto escalão do governo e pedia por sua substituição.[12][13] Ahmed teve negada a permissão para se encontrar com Kassim, o que o fez entrar em greve de fome.[12]

Em 2011, Ahmed representou o Brigadeiro-General Salimou Mogamed Amiri, ex-chefe de gabinete do Exército, acusado de assassinar o Tenente-Coronel Combo Ayouba e de rebelião.[14] Quatorze guarda-costas de Amiri também foram acusados de rebelião ao resistirem contra a prisão do general.[15] Amiri e dez de seus guarda-costas foram declarados inocentes da acusação de rebelião, mas o general continuou sendo mantido em prisão domiciliar pela acusação de assassinato.[15]

Referências

  1. «COMOROS ISLANDS : Couple takes its distance from Sambi» 
  2. «Chiefs of State& Cabinet Members of Foreign Governments – A Directory» (PDF) 
  3. «Interview : Idi Nadhoim, ancien vice président de l'union des Comores» (em francês) 
  4. «Etats Generaux de Secteur Prive – Volume 1 Rapport Final» (PDF) (em francês). Consultado em 10 de março de 2018. Arquivado do original (PDF) em 10 de novembro de 2017 
  5. «Harmia Ahmed nommée consul honoraire du Sénégal à Moroni» (em francês) 
  6. «Quatrième concours des facultés de droit de l océan Indien des droits de l homme Moroni, avril PDF» (em francês) 
  7. «Passation de service du bâtonnier du conseil de l'ordre des avocats / Me Harmia passe le flambeau à Me Mzimba» (em francês) 
  8. Bank, World (2006). Doing Business 2007: How to Reform. [S.l.: s.n.] ISBN 9780821364895 
  9. «Nos Correspondants» (em francês) 
  10. «Comoros Islands : Serious conflict at the top» 
  11. «CBW 19 Jan 420». Flickr (em inglês) 
  12. a b «Comoros: Detained Politician Goes On Hunger Strike» 
  13. «Treatment of people who have expressed opposition to or dissatisfaction with Colonel A. Azali, leader of the April 1999 military coup [COM35544.E]». European Country of Origin Information Network (em alemão) 
  14. «Affaire Salimou: L'ancien ched d'état-major de l'and relxaé par le tribunal» (em francês) 
  15. a b «Comores : l'ex-chef de l'Etat-major de l'armée nationale relâché par le tribunal -Le Quotidien du Peuple en ligne» (em francês)