Harry Britt

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Harry Britt é um ativista LGBT norte-americano e ex-supervisor da cidade de São Francisco, Califórnia. Foi indicado ao cargo de supervisor pela primeira vez em janeiro de 1979 pela prefeita Dianne Feinstein, sucedendo Harvey Milk, que havia sido assassinado na prefeitura junto com o prefeito George Moscone por outro supervisor, Dan White.[1]

Britt foi eleito supervisor em 1980, 1984 e 1988.[2] Foi presidente do Conselho de Supervisores de 1989-1990.[3]

Introduziu a legislação sobre parceira doméstica em 1982, que foi aprovada pelo Conselho de Supervisores, mas vetada pela prefeita Feinstein. Em 1989, sob a liderança de Britt, o Conselho aprovou novamente a legislação, que foi assinada pelo prefeito Art Agnos.[4] Entretanto, os eleitores rejeitaram a lei de parceria doméstica quando foi a voto popular. Uma versão modificada foi reinstituída em votação popular em 1990, também escrita por Britt.[5] [6]

Britt decidiu não concorrer a reeleição em 1992.[7]

Referências

  1. Shilts, Randy (1982). The Mayor of Castro Street. [S.l.]: St. Martin's Press. ISBN 978-0312523305 
  2. «Board of Supervisors: Past Supervisors». City and County of San Francisco. Consultado em 19 de novembro de 2008 
  3. National Research Council (U.S.). Panel on Monitoring the Social Impact of the AIDS (1993), The Social Impact of AIDS in the United States, National Academies Press, ISBN 9780309046282 
  4. Bishop, Katherine (31 de maio de 1989), «San Francisco Grants Recognition To Couples Who Aren't Married», New York Times 
  5. Bailey, Robert (1998). Gay Politics, Urban Politics. New York: Columbia University Press. p. 316. ISBN 9780231096638 
  6. Reinhold, Robert (30 de outubro de 1990), «Campaign Trail; 2 Candidates Who Beat Death Itself», New York Times 
  7. «SF's Gays Crying out for a Leader», San Jose Mercury News, pp. 19A, 13 de novembro de 1992 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.