Henri Désiré Landru

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Henri Désiré Landru
Nome nativo Henri Désiré Landru
Nascimento 12 de abril de 1869
Paris
Morte 25 de fevereiro de 1922 (52 anos)
Versalhes
Cidadania França
Ocupação assassino em série, subdiácono, contador, cartógrafo, encanador
Causa da morte guilhotina

Henri Désiré Landru (Paris, 12 de abril de 1869 – Versalhes, 25 de fevereiro de 1922) foi um assassino em série francês, que recebeu a alcunha de Barba Azul.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Paris, após deixar a escola ele passou quatro anos no Exército. Ele seduziu uma prima e teve uma filha com ela, mas se casou com outra, dois anos depois, com quem teve quatro filhos. Sofreu um golpe financeiro, aplicado por um falso patrão, o que o enfureceu e provavelmente lhe serviu de inspiração. Em 1900 foi condenado a dois anos por fraude envolvendo viúvas. Foi a primeira de várias outras condenações.

Em 1914 Landru ficou viúvo e começou a trabalhar meio-período como comerciante de móveis. Nessa época ele resolveu colocar anúncios nos jornais de Paris buscando atrair viúvas para encontros com "intenção de matrimônio". Com a I Guerra Mundial, grande quantidade de homens se alistaram e eventualmente morriam durante o serviço militar, deixando muitas mulheres viúvas que Landru pretendia assediar.

Landru iniciou os assassinatos, provavelmente por estrangulamento. Depois queimava e desmembrava os corpos das vítimas.

De 1914 a 1918, Landru eliminou 11 vítimas: 10 mulheres e 1 filho adolescente de uma delas. Sem os corpos, as vítimas eram listadas como "desaparecidas" confundindo a polícia. Landru também usava uma grande variedade de lugares para atrair as mulheres, como se percebe nas correspondências com elas.

Em 1919, a irmã de uma das vítimas de Landru, Madame Buisson, denúnciou o desaparecimento da mulher. Ela não sabia o nome verdadeiro, mas conhecia a aparência do assassino. Com essas indicações a polícia chegou a Landru, mas sem conseguir provar os assassinatos pois não foram localizados os corpos. Somente encontrando os recortes dos anúncios e as correspondências enviadas e recebidas, inclusive para Madame Buisson, combinadas com outros documentos, foi que conseguiu propor a pena de morte para Landru.

Landru foi julgado em 11 de novembro de 1921 e sentenciado à morte pela guilhotina, três meses depois.

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

Ligações Externas (Em inglês)[editar | editar código-fonte]