Ignatius Gottfried Kaim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ignatius Gottfried Kaim
(1746-1778)
Data de nascimento 1746
Local de nascimento  Áustria
Data de falecimento 1778
Local de falecimento  Áustria
Ocupação Químico, mineralogista austríaco, e descobridor do Manganês.

Ignatius Gottfried Kaim (1746-1778) foi químico e mineralogista austríaco. Através de uma série de experimentos realizados em Viena, em 1770, ele descobriu o manganês, da mesma forma como fizera Johan Glauber (1604-1670) ao descobrir que o dióxido de manganês podia se converter em permanganato, reagente químico muito usado em laboratórios.

A descoberta do manganês[editar | editar código-fonte]

Em sua dissertação De metallis dubiis, obra que foi publicada em 1770, e que teve grande difusão, Kaim descreve o processo de redução da pirolusita ou Dióxido de Manganês (MnO2) usando carbono e a formação de um metal quebradiço a quem chamou manganês. Esta é a primeira descrição do metal manganês muitos anos antes da síntese mais conhecida de Johan Gottlieb Gahn, em 1774, ou das descrições de Torbern Olof Bergmann (1735-1784) em 1781 ou dos experimentos feitos por Johann Christoph Ilsemann[1] em 1782. Conta-se que o metal foi encontrado no estado nativo pelo naturalista francês De la Peyrouse[2] [3] , em uma mina de ferro, na cidade de Sem, no condado de Foix, na França.

A descoberta de Kaim foi confirmada em 1774 em razão dos estudos do químico sueco Carl Wilhelm Scheele (1742-1786) que descobriu o cloro graças à reação do MnO2 com uma mistura de Ácido Sulfúrico e cloreto de sódio. Essa experiência resultou na primeira e grande aplicação do uso do manganês: a produção do cloro e de soluções alvejantes com atividade bactericida. Scheele e outros cientistas de sua época acreditavam que aqueles óxidos continham um elemento desconhecido. A primeira evidência dessa descoberta data de 1770, quando o austríaco Ignatius Gottfried Kaim (1746-1778) em sua dissertação intitulada De metallis dubiis, descreveu a reação do MnO2 com carbono. Em 1774, Johan Gottlieb Gahn (1745-1818) repetiu essencialmente o processo de Kaim, descrevendo o experimento e seus resultados com mais detalhes. Em um cadinho ele colocou MnO2, óleo e carvão, cobriu o conjunto e aqueceu. Ao abrir o conjunto, ele viu uma massa metálica que lembrava o ferro. Tratava-se do manganês.

Obra[editar | editar código-fonte]

  • De metallis dubiis, onde descreve suas experiências com a pirolusita, levando-o à descoberta do novo metal, o manganês.

Referências[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Johann Christoph Ilsemann (1727-1822) (* Clausthal, Harz, 7 de Abril de 1727 - † na mesma cidade 13 de Outubro de 1822), foi químico e naturalista alemão.
  2. Elements of chemistry, Jean-Antoine-Claude Chaptal (Conde de Chanteloup), William Nicholson, James Woodhouse.
  3. Elements of natural history and chemistry, Volume 2 - Antoine François de Fouroroy (comte), Robert Heron.