Inácio Manuel Azevedo do Amaral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ignácio Manuel Azevedo do Amaral
Conhecido(a) por
Nascimento 14 de abril de 1883
Rio de Janeiro, Brasil
Morte 2 de outubro de 1950 (67 anos)
Rio de Janeiro, Brasil
Residência Brasil
Nacionalidade brasileiro
Alma mater
Serviço militar
Patente Capitão-de-Fragata Honorário
Instituições
Campo(s) Matemática

Ignácio Manuel Azevedo do Amaral (Rio de Janeiro, 14 de abril de 1883Rio de Janeiro, 2 de outubro de 1950) foi um matemático brasileiro, reitor da Universidade do Brasil e membro fundador da Academia Brasileira de Ciências.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ignácio nasceu no Rio de Janeiro, em 1883 e era filho de Ângelo Tomás do Amaral e Maria Francisca Álvares de Azevedo Amaral. Em 1900, concluiu o curso de águas marinhas na Escola Naval, de onde foi seu professor. Deu aulas também na Escola Normal do Distrito Federal e no Colégio Pedro II. Em 1912, ingressou no magistério da Escola Politécnica do Rio de Janeiro, hoje pertencente à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde lecionou as disciplinas de Geometria Analítica e Cálculo Infinitesimal.[1][2]

Foi reitor da Universidade do Brasil, hoje a UFRJ, sendo considerado o instaurador da autonomia nessa universidade, lançando as bases e planos para a a construção da cidade universitária da Universidade do Rio de Janeiro. Foi membro fundador da Academia Brasileira de Ciências, sendo seu presidente entre 1939 e 1941.[1]

Publicou diversos trabalhos sobre balística e análise e equações diferenciais, de 1906 até 1942. Contribuiu para as áreas de navegação, equações diferenciais e problemas de balística.[1]

Morte[editar | editar código-fonte]

Ignácio representaria a Academia Brasileira de Ciências no Congresso de Matemática de Cambridge<ref name=Circe> quando morreu subitamente na cidade do Rio de Janeiro, em 2 de outubro de 1950, aos 67 anos.[1]

Referências

  1. a b c d DUARTE, Paulo César Xavier (2014). Candido Lima da Silva Dias: da Politécnica aos primórdios da FFCL da USP (Tese). Rio Claro: Universidade Estadual Paulista - Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Consultado em 16 de julho de 2020 
  2. Circe Mary da Silva (ed.). «Politécnicos ou matemáticos?». História, Ciências, Saúde-Manguinhos. Consultado em 16 de julho de 2020 

Veja também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Adalberto Menezes de Oliveira
Presidente da
Academia Brasileira de Ciências

1939 — 1941
Sucedido por
Arthur Alexandre Moses