Incidente 228

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Soldados armados vistos em Tainan pelo Dr. M. Ottsen, que serviu para as Nações Unidas
Xilogravura A terrível inspeção de Huang Rong-can
"Terror In Formosa", uma reportagem do The Daily News de Perth, relatou a situação em março.
Moradores furiosos invadem a delegacia de polícia de Yidingmu em Taipei em 28 de fevereiro de 1947
O pintor e professor Chen Cheng-po foi morto em Chiayi
Hoje, o 228 Museu memorial em Taipei fica em uma estação de transmissão que teve um papel importante no incidente.

O incidente de 28 de fevereiro, também processado como o massacre de 28 de fevereiro,[1][2] incidente 228[3] ou massacre 228[3] (chinês tradicional: 二二八事件, pinyin: Èr’èrbā shìjiàn), foi um levante anti-governo em Taiwan, que foi violentamente reprimida pelo Kuomintang liderada República da China governo, que matou milhares de civis a partir de 28 de fevereiro de 1947. o número de mortes de Taiwan do incidente e massacre foi estimado entre 5 000 e 28 000.[4][5] O massacre marcou o início do Terror Branco, no qual dezenas de milhares de outros taiwaneses desapareceram, morreram ou foram presos. O incidente é um dos eventos mais importantes da história moderna de Taiwan e foi um ímpeto crítico para o movimento de independência de Taiwan.[6]

Em 1945, após a rendição do Japão no final da Segunda Guerra Mundial, os Aliados entregaram o controle administrativo de Taiwan à República da China, encerrando assim 50 anos de domínio colonial japonês. Os habitantes locais ficaram ressentidos com o que consideravam uma conduta arrogante e frequentemente corrupta por parte das autoridades do Kuomintang (KMT), incluindo confisco arbitrário de propriedade privada, má gestão econômica e exclusão da participação política. O ponto crítico veio em 27 de fevereiro de 1947 em Taipei, quando agentes do Departamento de Monopólio do Estado agrediram uma viúva taiwanesa suspeita de vender cigarros contrabandeados. Um oficial então atirou em uma multidão de espectadores furiosos, atingindo um homem que morreu no dia seguinte.[7] Soldados dispararam contra manifestantes no dia seguinte, após o qual uma estação de rádio foi apreendida e a notícia da revolta foi transmitida para toda a ilha. À medida que o levante se espalhava, o governador Chen Yi, instalado pelo KMT, pediu reforços militares, e o levante foi violentamente reprimido pelo Exército Nacional Revolucionário. Nos 38 anos seguintes, a ilha foi colocada sob lei marcial em um período que seria conhecido como Terror Branco.

Durante o Terror Branco, o KMT perseguiu supostos dissidentes políticos, e o incidente foi considerado tabu demais para ser discutido. O presidente Lee Teng-hui se tornou o primeiro presidente a discutir o incidente publicamente em seu aniversário em 1995. O evento agora é discutido abertamente e os detalhes do evento se tornaram objeto de investigação governamental e acadêmica. 28 de fevereiro é agora um feriado oficial chamado Dia do Memorial da Paz, no qual o presidente de Taiwan se reúne com outras autoridades para tocar um sino comemorativo em memória das vítimas. Monumentos e parques memoriais para as vítimas de 28 de fevereiro foram erguidos em várias cidades de Taiwan. O Novo parque de Taipei de Taipei foi renomeado como 228 Parque Memorial da Paz, e o 228 Museu memorial foi inaugurado em 28 de fevereiro de 1997. O Kaohsiung Museu de História também tem uma exposição permanente detalhando os eventos do Incidente 228 em Kaohsiung.[8][9] Em 2019, a Comissão de Justiça de Transição exonerou aqueles que foram condenados na sequência.[10]

Referências

  1. Wu, Naiteh (julho de 2005). «Transition without Justice, or Justice without History: Transitional Justice in Taiwan» (PDF). Taiwan Journal of Democracy (1): 10. Cópia arquivada (PDF) em 25 de fevereiro de 2021. The memory of the February 28 massacre, although politically taboo during the KMT’s authoritarian rule 
  2. «Taiwan's hidden massacre. A new generation is breaking the silence». Washington Post. 1 de março de 2017. realization that his grandfather had been one of the tens of thousands of victims targeted and murdered in Taiwan's “February 28 Massacres.” 
  3. a b Shattuck, Thomas J. (27 de fevereiro de 2017). «Taiwan's White Terror: Remembering the 228 Incident». Foreign Policy Research Institute. In Taiwan, the period immediately following the 228 Incident is known as the “White Terror”(...). Just blocks away from the Presidential Palace in Taipei is a museum and park memorializing the victims of the 228 Massacre 
  4. Forsythe, Michael (14 de julho de 2015). «Taiwan Turns Light on 1947 Slaughter by Chiang Kai-shek's Troops». The New York Times. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2018. To somber cello music that evokes “Schindler’s List,” displays memorialize the lives lost, including much of the island’s elite: painters, lawyers, professors and doctors. In 1992, an official commission estimated that 18,000 to 28,000 people had been killed. 
  5. KRISTOF, NICHOLAS D. (3 de abril de 1992). «Taipei Journal; The Horror of 2-28: Taiwan Rips Open the Past - The New York Times». nytimes.com. Consultado em 1 de março de 2020. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2018 
  6. Fleischauer, Stefan (1 de novembro de 2007). «The 228 Incident and the Taiwan Independence Movement's Construction of a Taiwanese Identity». China Information. 21 (3): 373–401. doi:10.1177/0920203X07083320 
  7. Chou, Wan-yao (2015). A New Illustrated History of Taiwan. Traduzido por Plackitt, Carole; Casey, Tim. Taipei: SMC Publishing Inc. p. 317. ISBN 978-957-638-784-5 
  8. Ko, Shu-ling; Chang, Rich; Chao, Vincent Y. (1 de março de 2011). «National 228 museum opens in Taipei». Taipei Times. p. 1. Consultado em 14 de novembro de 2014 
  9. Chen, Ketty W. (28 de fevereiro de 2013). «Remembering Taiwan's Tragic Past». Taipei Times. p. 12. Consultado em 14 de novembro de 2014 
  10. Lin, Sean (6 de outubro de 2018). «Commission exonerates 1,270 people». Taipei Times. Taipei. Consultado em 22 de agosto de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre história ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.