Jean-Luc Marion

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Jean-Luc Marion
Nascimento 3 de julho de 1946 (74 anos)
Meudon
Cidadania França
Alma mater Lycée Condorcet, Escola Normal Superior de Paris, Universidade de Paris-Sorbonne
Ocupação filósofo, teólogo, professor universitário
Prêmios Cavaleiro Comandante da Ordem de São Gregório Magno, Prêmio Karl Jaspers, Cavaleiro da Legião de Honra, Oficial da Ordem das Palmas Acadêmicas, Prêmio Ratzinger
Empregador Universidade de Poitiers, Universidade de Paris-Sorbonne, Universidade de Chicago
Movimento estético fenomenologia
Religião Igreja Católica

Jean-Luc Marion (Meudon, 1946) é um filósofo francês, membro da Academia Francesa. Seu pensamento é apontado como uma continuidade da fenomenologia de Edmund Husserl e Martin Heidegger,[1] a quem foi introduzido por seus professor Jacques Derrida.[2].

Também foi influenciado pelo historiador da filosofia Ferdinand Alquié assim como pelo teólogo Hans Urs von Balthasar. Seu trabalho, que se insere na corrente da de grandes nomes da francesa, ao lado de autores como Paul Ricœur, Emmanuel Levinas e Michel Henry, é um exemplo do que vem sendo classificado como "virada teológica".[3]

Marion tem sido objeto de intensos debates acadêmicos. Autores como Emmanuel Falque, veem em livros como O Tratado sobre a Fenomenologia do Dado, "se não a uma nova Crítica da razão pura (de Immanuel Kant), pelo menos uma Crítica da razão pura invertida", ao passo que outros autores criticam seu estilo de difícil compreensão.[4][5]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ex-aluno da École normale supérieure (1967-1971), onde foi aluno de Louis Althusser, foi professor de filosofia da Universidade de Poitiers e depois em Paris -X-Nanterre, antes de substituir Emmanuel Levinas na cadeira de metafísica da Sorbonne. Ele também foi professor visitante em várias instituições, incluindo a Universidade Laval, em Quebec (1994-1996) e a Universidade Johns-Hopkins (2006, 2007, 2013). Atualmente, ele é professor da Universidade de Chicago, onde sucedeu Paul Ricœur.

Ele foi eleito para a Academia Francesa em novembro de 2008. Em dezembro de 2011, Marion foi nomeado pelo Papa Bento XVI como membro do Pontifício Conselho para a Cultura (dicastério da Cúria Romana). Ele é Doctor Honoris Causa de diversas universidades estrangeiras.

Ele era amigo íntimo do filósofo e fenomenólogo Michel Henry e também aluno de Jacques Derrida no ENS, com quem teve um longo debate sobre o atual Status quaestionis da fenomenologia.[6]

Pensamento[editar | editar código-fonte]

Foi como comentarista de Descartes que Jean-Luc Marion iniciou sua carreira e que seu trabalho interessou seus pares.[7]

Seu trabalho pode ser dividido em quatro áreas principais de pesquisa:

  1. A história da metafísica, abordada desde o seu momento cartesiano (o lugar e o papel de René Descartes no sistema e a história da metafísica);[8]
  2. A fenomenologia contemporânea, ele radicaliza para o pensamento de doação pura e saturação;
  3. A teologia cristã , onde Deus é concebido além de ser, em frente a sua identificação metafísica sendo uma primeira ou uma primeira pergunta;
  4. Uma filosofia do amor, baseada no pensamento ético de Lévinas para fazer do amor a modalidade essencial de relacionamento com os outros.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio Charles Lambert da Academia de Ciências Morais e Políticas de Ídolo e Distância, 1978
  • Prêmio Henri Desmarest da Academia Francesa de Deus Sem Ser, 1982
  • Grande Prêmio de Filosofia da Academia Francesa por todo o seu trabalho, 1992
  • Prêmio Karl-Jaspers da Universidade e da cidade de Heidelberg, 25 de junho de 2008
  • Grande Prêmio de Humboldt Stiftung, Colônia, 15 de abril de 2014
  • Eleito membro da Académie des Lyncéens, em 2009.
  • Eleito para a Academia Francesa, em 6 de novembro de 2008, na cadeira do cardeal Jean-Marie Lustiger

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Com Alain de Benoist, Avec ou sans Dieu ?, coll. « Carrefour des jeunes », Beauchesne, Paris 1970.
  • Sur l’ontologie grise de Descartes. Science cartésienne et savoir aristotélicien dans les Regulae, Librairie Philosophique J. Vrin, 1975.
  • L’Idole et la distance. Cinq études, Grasset, 1977.
  • Sur la théologie blanche de Descartes. Analogie, création des vérités éternelles, fondement, P.U.F, 1981.
  • Dieu sans l’être, Fayard, 1982 - rééd. PUF, 2010.
  • Sur le prisme métaphysique de Descartes. Constitution et limites de l’onto-théo-logie cartésienne, P.U.F, 1986.
  • Prolégomènes à la charité, Éditions de la Différence, 1986.
  • Réduction et donation. Recherches sur Husserl, Heidegger et la phénoménologie, P.U.F., 1989.
  • Questions cartésiennes I. Méthode et métaphysique, PUF, 1991.
  • La Croisée du visible, Éditions de la Différence, 1991, PUF.
  • Questions cartésiennes II. L’ego et Dieu, PUF, 1996.
  • Hergé. Tintin le terrible ou l'alphabet des richesses, Hachette, 1996, 2006.
  • Étant donné. Essai d’une phénoménologie de la donation, P.U.F., 1997.
  • De surcroît. Études sur les phénomènes saturés, PUF, 2001, 2010.
  • Le Phénomène érotique, Éditions Grasset & Fasquelle, 2003.
  • Le Visible et le révélé, Cerf, 2005.
  • Au lieu de soi, l'approche de Augustin d'Hippone, PUF, 2008
    • Ouvrage issu d'un cycle de conférences données en 2004 sur la lecture et l'interprétation des Les Confessions de saint Augustin sur un mode non métaphysique, au moyen des principaux concepts élaborés dans une logique phénoménologique. L'enjeu est double : tester la validité herméneutique des concepts de donation, de phénomène saturé, retrouver dans l'œuvre l'itinéraire d'une approche au lieu de soi.
  • Certitudes négatives, Grasset & Fasquelle, 2010.
  • Le croire pour le voir, Communio Parole et silence, 2010.
  • Discours de réception à l’Académie française, Grasset & Fasquelle, 2010.
  • La Rigueur des choses, entretiens avec Dan Arbib, Flammarion, 2012.
  • Sur la pensée passive de Descartes, PUF, 2013.
  • Courbet ou la peinture à l’œil, Flammarion, 2014.
  • Cours sur la volonté, édité par Christophe Perrin, collection Empreintes philosophiques, Presses Universitaires de Louvain, 2014.
  • Reprise du donné, PUF, 2016.
  • Brève apologie pour un moment catholique, Grasset, 2017.

Em Português[editar | editar código-fonte]

  • Sobre a Ontologia Cinzenta de Descartes, Instituto Piaget, 1975.
  • O visível e o revelado, Loyola, 2010
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. Risto Saarinen , Deus e o Dom: Uma Teologia Ecumênica de Dar , Imprensa Litúrgica,2005, 149 p. ( ISBN 978-0-8146-3013-6) , p. 26
  2. [S.l.: s.n.] ISBN 978-2-7116-2422-5  Parâmetro desconhecido |passage= ignorado (|pagina=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |pages totales= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |langue= ignorado (|lingua=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |année= ignorado (|ano=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |lieu= ignorado (|local=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |titre= ignorado (|titulo=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |éditeur= ignorado (|editor=) sugerido (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  3. Denis Fisette, “Fenomenologia e metafísica: observações sobre um debate recente” , em Luc Langlois et al., (Ed.), Metafísica: sua história, sua crítica, seus problemas , Paris / Montreal, Vrin / Presses da Universidade de Laval,1999, p. 91-116
  4. Em sua resposta ao discurso de recepção de Marion na Académie française, o bispo Dagens disse: “Às vezes, eu compartilho, senhor, os tormentos de seus leitores não iniciados na fenomenologia, quando eles tentam entendê-lo. [...] pode-se ter a impressão de que você está brincando com as palavras...".Fichier pdf de la réponse sur le site du Monde.
  5. Recension de Certitudes négatives sur le site Actu philosophia : [1], où l'on souligne également le cadre théologique de ses démonstrations philosophiques.
  6. Sur le don – débat entre J.-L. Marion et J. Derrida", in Figures de phénoménologie|passagem=pp. 189-214
  7. Cf. D. Arbib, « L’infini et la chair, ou l’unique percée cartésienne », in C. Ciocan & A. Vasiliu, éd., Lectures de Jean-Luc Marion, Paris, Cerf, 2016, p. 135-150.
  8. Sur le rapport entre philosophie et histoire de la métaphysique, cf. D. Arbib, « Philosophie et histoire de la philosophie : J.-L. Marion interprète de Descartes », in Ph. Capelle-Dumont (éd.), Philosophie de Jean-Luc Marion, Paris, Hermann, 2015, p. 107-123.