Joaquim Antônio de Siqueira Torres

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Armas do primeiro barão de Água Branca.

Joaquim Antônio de Siqueira Torres, primeiro barão de Água Branca (Cimbres, atual Pesqueira (PE), 8 de setembro de 1808[onde?], 29 de janeiro de 1888) foi um nobre e proprietário rural brasileiro.

Filho do capitão Teotônio Vitoriano Torres e de Gertrudes Maria da Trindade.[1]

Os descendentes do barão de Água Branca permanecem residindo na região de Alagoas, constituindo numerosa família com forte veia política.

O barão de Água Branca casou-se duas vezes. A primeira vez foi com Joaquina Vieira Sandes, com quem teve três filhos: Severino Pompeu de Siqueira Torres, Minervina de Siqueira Torres, Joana de Siqueira Torres. A segunda vez foi com Joana Vieira Sandes (Baronesa de Água Branca) com quem teve oito filhos: Cícero Joaquim de Siqueira Torres, Joaquim Antônio de Siqueira Torres, Miguel de Siqueira Torres, Manoel de Siqueira Torres, Antônio de Siqueira Torres, Alexandre de Siqueira Torres, Luís Vieira de Siqueira Torres (foi senador e vice-governador do estado de Alagoas) e Brandina de Siqueira Torres.

Títulos nobiliárquicos e honrarias[editar | editar código-fonte]

Recebeu a comenda da Ordem de São Gregório Magno pelo Papa Leão XIII, por ter patrocinado a construção da igreja matriz de Água Branca.

Barão de Água Branca[editar | editar código-fonte]

Título conferido por decreto imperial em 15 de novembro de 1879.[1] Faz referência à cidade alagoana de Água Branca.

Referências

  1. a b VASCONCELOS, José Smith de; VASCONCELOS, Rodolfo Smith de (1918). Archivo nobiliarchico brasileiro. Lausanne: Imprimerie La Concorde. p. 29 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.