Joaquim Fernandes Lopes Ramos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joaquim Fernandes Lopes Ramos
Nascimento
Capivary, atualmente Silva Jardim, Rio de Janeiro, Brasil


Joaquim Fernandes Lopes Ramos (Capivary, atualmente Silva Jardim) foi um importante fazendeiro, usineiro e político brasileiro do século XIX.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Além de suas atividades como um grande fazendeiro no município de Capivary, Lopes Ramos notabilizou-se por ter participado efetivamente da vida política local.[1] Foi também major da Guarda Nacional[2] e oficial da Imperial Ordem da Rosa[1].

Descendeu, e foi herdeiro, de uma antiga família de sesmeiros da região compreendida entre os rios Bacaxá e São João.[3] O conjunto de suas 13 propriedades integravam um dos maiores latifúndios da região.[3]

O sucesso e a influência de alguns grandes fazendeiros de Capivary, na primeira metade do século XIX, facilitaram a elevação da pequena localidade, então integrante do município de Cabo Frio, à categoria de vila, em 1841, tornando-se independente. Lopes Ramos era o quarto maior fazendeiro local,[3] sendo ainda dono da única fábrica de açúcar da região. Assim, juntamente com José Pinto Coelho, Francisco Leite de Brito, Manoel Pinto Coelho e Luís Gomes Silva Leite, se comprometeu a custear e construir a câmara municipal e a cadeia da nova vila.[4] A exemplo de outros importantes fazendeiros locais, ocupou diversos cargos na administração[5] da nova vila. Por mais de uma vez foi juiz substituto municipal, juiz de órfãos, membro do conselho das escolas e de conselhos de obras públicas, bem como era um dos poucos eleitores da região.

Falecido no início da década de 1860, Lopes Ramos deixou geração de seu casamento com Bárbara Maria da Conceição.

Referências

  1. a b Eduardo Laemmert. «Almanak administrativo, mercantil e industrial da Corte e Província do Rio de Janeiro para o anno de 1853». Consultado em 28 de janeiro de 2010 
  2. Plutarco Brasileiro II, Pereira da Silva, José Manuel, Typ. Laemmert, 1847
  3. a b c Ao Sul da História, Mattos,Hebe - Editora FGV, Faperj, 2009
  4. CASIMIRO DE ABREU, Bruzzi,Nilo, Editora Aurora, Rio de Janeiro, 1949.
  5. Eduardo Laemmert. «Almanak administrativo, mercantil e industrial da Corte e Província do Rio de Janeiro para o anno de 1851». (em português). Consultado em 30 de janeiro de 2010 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Almanak Mercantil, Administrativo e Industrial da Corte e da Província do Rio de Janeiro, Eduardo Laemmert, edições de 1847, 1851, 1852, 1853.
  • Ao Sul da História, Mattos, Hebe - Editora FGV, Faperj, 2009
  • Casimiro de Abreu, Bruzzi, Nilo, Editora Aurora, Rio de Janeiro, 1949, pág.53.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.