José Carlos Libâneo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-question.svg
Este artigo ou se(c)ção pode conter texto de natureza não enciclopédica. (desde outubro de 2017)
Justifique o uso dessa marcação e tente resolver essas questões na página de discussão.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
José Carlos Libâneo
José Carlos Libâneo
Nome completo José Carlos Libâneo
Nascimento 1945
Angatuba, SP
 Brasil
Ocupação educador e escritor
Principais trabalhos Universidade Católica de Goiás

José Carlos Libâneo (Angatuba, estado de São Paulo, 1945). É um intelectual, educador e escritor brasileiro[1]

Libâneo é bastante conhecido no meio educacional brasileiro pelas profundas contribuições teóricas que produz na área.[2] Suas reflexões sobre didática e prática de ensino e sobre sua perspectiva crítico-social dos conteúdos o colocam entre os mais importantes teóricos progressistas da educação. Cursou o ensino fundamental e médio no Seminário Diocesano de Sorocaba. Graduou-se em filosofia na PUC (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), em 1966. Em 1984 tornou-se “mestre” da educação escolar brasileira e “doutor” em educação, posteriormente. Possui pós-doutorado pela Universidade de Valladolid, Espanha, em 2005.[3]

Se destacou ao publicar o livro Democratização da Escola Pública – A Revisão Crítico-Social dos Conteúdos. Desde 1997, até a presente data, é professor titular aposentado da Universidade Católica de Goiás, onde, além de ensinar nos cursos de graduação e pós-graduação, é vice – Coordenador do mestrado em Educação.[4]

Em seu livro “Democratização da Escola Pública – A Revisão Crítico-Social dos Conteúdos”, José Carlos Libâneo defende um modelo de escola mais concentrada nas classes sociais menos favorecidas, onde seus métodos de ensino fossem principalmente pautados no estímulo do desenvolvimento da consciência crítica de cada indivíduo a fim de despertá-lo para a sua condição de oprimido e proporcionar a ele subsídios para que venha a se tornar um agente transformador da sociedade. Essa educação deveria servir como um instrumento de luta para a compreensão e transformação dos conceitos sociais. Valoriza o uso de um conhecimento que possibilitasse a liberdade intelectual e política para as que as pessoas dessem real significado à informação, julgando-a criticamente e tomando decisões mais livres e acertadas. Para isto propõe quatro pilares básicos para a escola de hoje, que juntos formam uma unidade, dependes um da realização dos outros: [5] O primeiro deles é o de preparar os alunos para o processo produtivo e para a vida na sociedade atual, investindo na formação geral, isto é, no domínio de instrumentos básicos conhecimentos, conceitos, habilidades, valores, atitudes que propiciem uma visão de conjunto das coisas, capacidade de tomar decisões, de fazer análises globalizantes de interpretar informações, de trabalhar em equipes interdisciplinares etc. Em segundo lugar, auxiliar os alunos nas competências do pensar autônomo, crítico e criativo, para que estes possam desenvolver a capacidade de aprender, de desenvolver os próprios meios de pensamento, de buscar informações. O terceiro é a formação para a cidadania crítica e participativa, onde escolas criem espaços de participação dos alunos dentro e fora da sala de aula de forma organizada onde estes possam praticar democracia, iniciativa, liderança e responsabilidade. O quarto objetivo é a formação ética. É urgente que os diretores, coordenadores e professores entendam que a educação moral é uma necessidade premente da escola atual e que eles precisam constantemente investir na capacitação efetiva para empregos reais e na formação do sujeito político socialmente responsável. Nesta publicação ele afirma acreditar na reforma educacional como objeto de transformação e crescimento e por isso mesmo ficou conhecido como um dos maiores pensadores do nosso país, contribuinte importantíssimo na defesa intransigente da consolidação de uma escola pública de qualidade no Brasil.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Aceleração Escolar – Estudos sobre educação de adolescentes e adultos (1976).
  • Democratização da Escola Pública – A pedagogia crítico social dos conteúdos (Editora Loyola, 17ª edição).
  • Didática (20ª edição). ISBN: 9788524916038; 288p
  • Adeus Professor, Adeus Professora? – Novas exigências educacionais e profissão docente (4ª edição).
  • Pedagogia e Pedagogos, Para que? (3ª Edição).
  • Organização e Gestão da Escola. 259p, Editora Alternativa

Referências

  1. http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Breve-Biografia-De-José-Carlos-Libâneo/51096.html Biografia na página do Trabalhos Feitos
  2. http://www.ufal.edu.br/noticias/2013/10/o-filosofo-carlos-libaneo-atrai-grande-publico O filósofo Carlos Libâneo atrai grande público. Universidade Federal de Alagoas.
  3. http://www.gepedi.faced.ufu.br/node/60 Biografia na página do GEPEDI - Grupo de Estudos e Pesquisas em Didática e Desenvolvimento Profissional Docente, UFU - Universidade Federal de Uberlândia
  4. https://pedagogiacamunifacs.wordpress.com/2013/06/10/jose-carlos-libaneo/ Biografia na página da UNIFACS - Universidade Salvador, Pedagogia CAM-UNIFACS
  5. https://www.revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/download/1473/1118 A Pedagogia em questão: entrevista com José Carlos Libâneo. Universidade Estadual de Ponta Grossa