Línguas austro-asiáticas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Distribuição geográfica das línguas austro-asiáticas

As línguas austro-asiáticas constituem uma extensa família de línguas do Sudeste asiático, abrangendo também algumas partes da Índia e Bangladesh. O nome austro-asiático provém da palavra latina para "sul" e do nome grego 'Ásia', e por extensão "Sul da Ásia". Entre essas línguas, apenas o vietnamita, o khmer, e o mon possui um longo registro escrito, e apenas o vietnamita e o khmer possuem o status de língua oficial (no Vietnã e Camboja respectivamente). O restante das línguas é falado por grupos minoritários.

As línguas austro-asiáticas possuem uma distribuição irregular na Índia, Bangladesh e Sudeste asiático, separadas por regiões onde outras línguas são faladas. É amplamente aceito que as línguas austro-asiáticas são línguas autóctones do Sudeste asiático e do leste do subcontinente indiano e que as outras línguas da região, incluindo as línguas indo-européias, tai-kadai, dravídicas, e sino-tibetanas, são resultado de migração populacional. (Há, por exemplo, palavras austro-asiáticas nas línguas tibeto-burmesas do leste do Nepal.) Alguns lingüistas têm tentado provar que as línguas austroasiáticas estão relacionadas às línguas austronésias, assim formando a superfamília áustrica.

Classificação[editar | editar código-fonte]

Os linguistas tradicionalmente reconhecem duas divisões primárias do austro-asiático: as línguas mon-khmer do sudeste asiático, nordeste da Índia e Ilhas Nicobar, e as línguas munda do leste indiano, Índia Central e Bangladesh. O Ethnologue identifica 168 línguas austroasiáticas, das quais 147 são mon-khmer e 21 são munda. No entanto, nenhuma evidência para essa publicação tem sido publicada, e é possível que a classificação linguística tenha sido influenciada pela percepção subjetiva de pesquisadores de uma dicotomia racial os falantes das línguas que têm sido tradicionalmente classificadas como mon-khmer e aquelas que têm sido classificadas como munda.

Cada uma das famílias escritas em negrito é aceita como um conjunto válido. No entanto, as relações entre as famílias autroasiáticas é debatida; em adição à classificação tradicional, são dadas duas novas propostas, nenhuma das quais aceita o tradicional grupo mon-khmer como unidade válida.

Gérard Diffloth (1974)[editar | editar código-fonte]

Essa é a classificação mais aceita usada na Encyclopædia Britannica. Muitas línguas que não eram conhecidas na época foram excluídas.

Ilia Peiros (2004)[editar | editar código-fonte]

Peiros é uma classificação lexicostatística, baseada em porcentagens de vocabulários em comum. Isso significa que a língua pode parecer mais distante a uma língua relacionada do que de fato é devido ao contato linguístico(ou a falta dele), esse é apenas o ponto de partida desse tipo de classificação genealógica.

Gérard Diffloth (2005)[editar | editar código-fonte]

Mais do que enumerar cognatos, Diffloth compara reconstrução de vários clades, e se atém a classificá-los baseado em inovações em comum.

  • Koraput: 7 línguas
  • Línguas munda nuclear
  • Khariano-Juang: 2 línguas
  • North Munda languages
Korku
Kherwarian: 12 línguas
  • Línguas khasi-khmuicas
  • Línguas palaungo-pakanicas
Pakanico ou Palyu: 2 línguas do sul da China
Palaungico: 21 línguas de Myanmar, sul da China, e Tailândia, mais a língua mang do Vietnã.
  • Línguas khmero-viéticas
  • Línguas vieto-katuicas
Viético: 10 línguas do Vietnã e Laos, incluindo o vietnamita, que possui mais falantes que qualquer outra língua astro-asiática. Essas são as únicas línguas austro-asiáticas que desenvolveram sofisticados sistemas tonais.
Katuico: 19 línguas do Laos, Vietnã, e Tailândia.
  • Línguas khmero-bahnaric
Os Dialetos khmer do Camboja, Tailândia, e Vietnã.
Peárico: 6 línguas do Camboja.
  • Línguas nico-monicas
  • Línguas asli-monicas
Asliano: 19 línguas da Malásia peninsular e Tailândia.
Monico: 2 línguas, a língua mon de Myanmar e a nyahkur da Tailândia.

Há em adição várias línguas não classificadas no sul da China.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Peck, B. M., Comp. (1988). An Enumerative Bibliography of South Asian Language Dictionaries.
  • Peiros, Ilia. 1998. Comparative Linguistics in Southeast Asia. Pacific Linguistics Series C-142. Canberra, Australian National University.
  • Zide, Norman H., and Milton E. Barker. Studies in Comparative Austroasiatic Linguistics. Indo-Iranian monographs, v. 5. The Hague: Mouton, 1966.
  • Byomkes Chakrabarti,A Comparative Study of Santali and Bengali, 1994

Ligações externas[editar | editar código-fonte]