Lúcia Miguel Pereira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lúcia Miguel Pereira
Nascimento 12 de dezembro de 1901
Barbacena, Minas Gerais
Morte 22 de dezembro de 1959 (58 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade  Brasileira
Ocupação Crítica literária, biógrafa, ensaísta e tradutora
Magnum opus Em surdina

Lucia Miguel Pereira (Barbacena, 12 de dezembro de 1901Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 1959) foi uma influente crítica literária, biógrafa, ensaísta e tradutora brasileira da primeira metade do século XX, filha do médico sanitarista Miguel da Silva Pereira, esposa do igualmente escritor Otávio Tarquínio de Sousa e tia do poeta Bruno Tolentino.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Biógrafa de Machado de Assis e referência do ensaísmo feminino nas décadas de 1920 e 1930, ela recomendou à família que em caso de sua morte todos os seus escritos inéditos só poderiam ser publicados com autorização do marido, o advogado e escritor Otávio Tarquínio de Sousa, e, na falta deste, teriam de ser incinerados. Como ambos morreram juntos, no Desastre aéreo de Ramos, a família seguiu à risca as instruções e queimou todos os textos inéditos e cartas pessoais encontradas.[1]

Seus textos de crítica literária - reveladores de sua erudição e da aguda capacidade de percepção da arte e da vida - que circularam em jornais e publicações avulsas, foram reunidos na década de 1990 em dois volumes: A Leitora e seus Personagens e Escritos da Maturidade, que resgatam suas colaborações, entre 1931 e 1959, para o Boletim de Ariel, Revista do Brasil, Gazeta de Notícias, o Correio da Manhã e O Estado de S. Paulo, entre outros periódicos.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Maria Luísa. Rio de Janeiro: Schmidt, 1933.
  • Em Surdina. Rio de Janeiro: José Olympio, 1933.
  • Machado de Assis (Estudo Crítico-biográfico). Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1936. Prêmio da Sociedade Felippe d'Oliveira.
  • "Simplicidade". In: Homenagem a Manuel Bandeira. Rio de Janeiro: Tipografia do Jornal do Commercio, 1936.
  • Amanhecer. Rio de Janeiro: José Olympio, 1938.
  • O Livro do Centenário de Eça de Queiroz (org). Lisboa: Dois Mundos, 1945.
  • História da Literatura Brasileira - Prosa de Ficção - de 1870 a 1920. Rio de Janeiro: José Olympio, 1950.
  • "Prefácio". In: PAIVA, Manuel de Oliveira. Dona Guidinha do Poço. São Paulo: Saraiva, 1951.
  • A Vida de Gonçalves Dias. Rio de Janeiro, José Olympio, 1952.
  • "Prefácio". In: ASSIS, Machado de. Relíquias da Casa Velha. São Paulo: Martins, 1952.
  • Cinquenta Anos de Literatura. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação do Ministério da Educação e Cultura, 1952.
  • Cabra Cega. Rio de Janeiro: José Olympio, 1954.
  • "Prefácio". In: BARRETO, Afonso Henriques de Lima. Histórias e Sonhos. São Paulo: Brasiliense, 1956.
  • Textos escolhidos de Adolfo Caminha (org.). Rio de Janeiro: Agir, 1960. Coleção Nossos Clássicos.
  • "Prefácio". In: PAIVA, Manuel de Oliveira. A Afilhada. São Paulo: Anhembi, 1961.
  • "A valorização da mulher na sociologia histórica de Gilberto Freyre". In: Gilberto Freyre: Sua Ciência, sua Filosofia, sua Arte. Rio de Janeiro: José Olympio, 1962.
  • A leitora e seus personagens. Rio de Janeiro: Graphia, 1992.
  • Escritos da maturidade. Rio de Janeiro: Graphia, 1995.

Referências

Referências[editar | editar código-fonte]

  • CANDIDO, Antonio. O Albatroz e o Chinês. Rio de Janeiro, Ouro sobre Azul, 2004.
  • MENDONÇA, Bernardo de. "A Leitora e seus Personagens: profecias e memória dos anos 1930". In: PEREIRA, Lucia Miguel. A Leitora e seus Personagens. Rio de Janeiro, Graphia Editorial, 2005, 2a. edição, pp. 11–20.
  • VIÉGAS, Luciana. "Lucia Miguel Pereira e seus Escritos da Maturidade". In: PEREIRA, Lucia Miguel. Escritos da Maturidade.Rio de Janeiro, Graphia Editorial, 2005, 2a. edição, pp. 9–12.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.