Leão-europeu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde maio de 2015). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaLeão-europeu
Leão-europeu esculpido em mármore, 400 aC.

Leão-europeu esculpido em mármore, 400 aC.
Estado de conservação
Extinta
Extinta  (100 dC) (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Felidae
Género: Panthera
Espécie: P. leo
Subespécie: P. l. europaea
Nome trinomial
Panthera leo europaea

O leão-europeu (Panthera leo europaea) era uma população de leão que habitava o continente europeu e que se encontra extinto desde o ano 100 d.C., quando os últimos indivíduos desta subespécie foram mortos na Grécia, em Itália e mesmo no norte de Espanha. No entanto este leão pode na verdade ter sido uma extensão europeia do leão-asiático (Panthera leo leo) ou então um remanescente do leão-das-cavernas (Panthera leo spelaea) que sobreviveu em épocas históricas.[1][2]

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

Na Europa, os leões habitavam a Península Balcânica. Habitavam as atuais Grécia, Bulgária, Macedônia, Romênia e países que integravam a extinta Iugoslávia e seu habitat se estendia até à Península Ibérica, passando pelo sul da França, Itália, Hungria e o sul das atuais Áustria e Suíça. Das subespécies de leão, era a que vivia mais ao norte. Alguns escritores gregos como Heródoto e Aristóteles falam da presença de leões na península Balcânica em meados do primeiro milênio antes de Cristo. No ano de 480 a.C., a marcha do xá aquemênida Xerxes foi atrapalhada por um ataque de leões a seus camelos de carga. Viviam em florestas temperadas e áreas de vegetação mediterrânea, e se alimentavam de bisões, cervos, alces, auroques e outros herbívoros europeus.

A sua Extinção[editar | editar código-fonte]

Junto com o leão-do-atlas, trazido do norte da África, e o leão-asiático (trazido do Oriente Médio), também foram utilizados leões-europeus nas arenas romanas, o que, a longo prazo, afetou fortemente as populações, e quando os leões-europeus se encontravam a beira da extinção, os romanos passaram a utilizar o leão-do-atlas nas arenas para devorar cristãos e lutar contra gladiadores e outros animais tais como o tigre-do-cáspio e o urso-do-atlas. Além disso os leões-europeus também foram afetados pela caça (o leão era um objetivo de caça muito popular entre gregos, macedônios e romanos) e competição com cães ferais. Antes do nascimento de Cristo foram extintos da Itália e por volta do ano 1 foram extintos da Europa Ocidental. Por volta do ano 70 se encontravam restritos ao norte da Grécia, numa área que se estendia entre o rio Aliakmon e o rio Mesta, até que no ano 100 foram extintos por completo. Por conta de sua extinção remota, não se sabe muito a respeito desta subespécie. Depois disso apenas uma população de leões no Cáucaso pertencente à subespécie asiática restava na Europa. Tal população viria a ser extinta no século X.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências