Mir

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de MIR)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Mir (desambiguação).
Mir
Mir Space Station viewed from Endeavour during STS-89.jpg

A Mir em 1998.

Mir insignia.svg
Estatísticas
Tripulação: 3
Lançamento 20 de fevereiro de 1986 a 23 de abril de 1996
Data de ocupação
(EO-1 / Mir-1)
12 de março de 1986
Período Orbital: 91.9 min
Inclinação: 51.6 graus
Órbitas por dia: 15,70
Órbitas 86.331
Reentrada 23 de março de 2001 05:59 UTC
Países  União Soviética  Rússia
Velocidade média: 7.700 m/s (27.700 km/h)
Massa : 129.700 kg
Pressão c.101.3 kPa (29.91 inHg, 1 atm)
Diagrama da estação
Mir diagram.svg

Mir (em russo: Мир, Paz ou Mundo) foi uma estação espacial que operou na órbita baixa da Terra entre 1986 e 2001, de propriedade da União Soviética e depois da Rússia. A Mir foi a primeira estação espacial modular e foi montada em órbita entre 1986 e 1996, tinha uma massa maior do que a de qualquer espaçonave anterior. Até 21 de março de 2001 foi o maior satélite em órbita, sucedida pela Estação Espacial Internacional (EEI) depois que sua órbita declinou. A estação serviu como um laboratório de pesquisa de microgravidade em que as equipes realizaram experimentos sobre biologia, biologia humana, física, astronomia, meteorologia e sistemas da naves espaciais com o objetivo de desenvolver tecnologias necessárias para a ocupação humana permanente do espaço.

A Mir foi a primeira estação de pesquisa continuamente habitada em órbita e estabeleceu o recorde da mais longa presença humana contínua no espaço, com 3 644 dias. O recorde foi rompido em 23 de outubro de 2010, quando foi superado pela EEI.[1] Ela detém ainda o recorde de mais longo voo espacial humano único, com Valeri Polyakov passou 437 dias e 18 horas na estação entre 1994 e 1995. A estação espacial foi ocupada por um total de doze anos além de sua vida útil original de quinze anos, tendo a capacidade de suportar uma tripulação residente de três pessoas, ou de tripulações maiores para missões espaciais de curta duração.

Após o sucesso do programa Salyut, a Mir representou a próxima fase do programa de estação espacial da União Soviética. O primeiro módulo da estação, conhecido como o módulo de núcleo, foi lançado em 1986 e foi seguido por seis módulos adicionais. Os foguetes Proton foram usados ​​para lançar todos os seus componentes, exceto para o módulo de ancoragem, que foi instalado por um ônibus espacial da missão STS-74 em 1995. Quando concluída, a estação era composta por sete módulos pressurizados e vários componentes sem pressão. A energia era fornecida por vários painéis fotovoltaicos conectados diretamente aos módulos. A estação era mantida em uma órbita entre 296 km e 421 km de altitude e viajava a uma velocidade média de 27,700 quilômetros por hora, completando 15,7 órbitas por dia.[2] [3] [4]

A estação foi lançada como parte do programa de voos espaciais tripulados soviético para manter um posto avançado de pesquisa de longo prazo no espaço, e, após o colapso da União Soviética, passou a ser operada pela nova Agência Espacial Federal Russa (RKA). Como resultado, a grande maioria da tripulação da estação era formada por russos; no entanto, através de colaborações internacionais, como os programas Intercosmos, Euromir e Shuttle-Mir, a estação foi disponibilizada para os astronautas de países da América do Norte, Europa e Japão. O custo do programa Mir foi estimado em 2001 pelo ex-diretor da RKA, Yuri Koptev, como algo em torno de 4,2 bilhões de dólares ao longo de sua existência (incluindo desenvolvimento, montagem e operação orbital).[5]

Concepção e estrutura[editar | editar código-fonte]

A estação representou a terceira geração das estações espaciais soviéticas, baseada na capacidade de expansão, reequipagem e reabastecimento. A possibilidade em dispor diferentes configurações utilizando o complexo de módulos proporcionou à estação uma grande capacidade de funcionamento e autonomia. Realidade esta impensável nas outras gerações, que eram utilizadas por um curto período de tempo. A Mir foi levada ao espaço pelo foguete Proton 8K82K. A Soyuz e a Progress foram as principais naves de serviço da estação. Mais tarde, com a entrada dos Estados Unidos no projeto, ela foi adaptada para receber o ônibus espacial (em Portugal: vaivém espacial) da Nasa.

A estação recebeu seis módulos entre 1986 e 1996, que formavam sua estrutura física: principal, Kvant 1 (12 de março de 1987), Kvant (26 de dezembro de 1989), Kristall (10 de junho de 1990), Spektr (1º de junho de 1995) e Priroda (27 de abril de 1996).

História e missões importantes[editar | editar código-fonte]

A Mir vista de um ônibus espacial.

A Mir permaneceu no espaço a quatrocentos quilômetros de altitude, completando uma órbita em volta da Terra a cada noventa minutos. No total, foram realizadas mais de 82 mil voltas ao redor do planeta. Cerca de 25 missões russas e trinta internacionais foram feitas, recebendo 103 visitantes. Ao todo, quatorze mil experimentos científicos foram realizados. Os cosmonautas que ocuparam a estação realizaram 66 passeios no espaço, sendo que o mais longo durou sete horas.

Em março de 1986, a Mir recebeu a sua primeira tripulação, formada pelos cosmonautas Leonid Kizim e Vladimir Soloviev. O primeiro cosmonauta estrangeiro a chegar a estação foi o sírio Muhammed Faris da missão Soyus TM-3 pelo programa Intercosmos. Posteriormente, pelo mesmo programa estiveram na estação o cosmonauta afegão Abdul Ahad Mohmand e o cosmonauta francês Jean-Loup Chrétien, o primeiro ocidental na Mir.

Entre outras curiosidades, o jornalista japonês Toyohiro Akiyama transmitiu da estação, ao vivo, um programa para uma televisão de Tóquio, em dezembro de 1991. No mesmo mês, o cosmonauta Valeri Polyakov completou 438 dias na Mir, um recorde mundial de permanência no espaço.

Lançamentos utilizados na construção da estação[editar | editar código-fonte]

Módulo Data de
lançamento
Veículo
lançador
Data de
acoplagem
Massa
(kg)
Soyuz Objetivo
Módulo Principal 19 Fevereiro de 1986 Proton
8K82K
20.100 N/A Módulo principal da estação espacial, destinado à moradia dos ocupantes
Kvant 1 31 Março de 1987 Proton
8K82K
9 Abril de 1987 10.000 TMA-2 Módulo dedicado à Astronomia
Kvant 2 26 Novembro de 1989 Proton
8K82K
6 Dezembro de 1989 19.640 TMA-8 Sistemas de suporte de vida
Kristall 31 Maio de 1990 Proton
8K82K
10 Junho de 1990 19.640 TMA-9 Tecnologia de processamento de materiais, laboratórios de Geofísica e Astrofísica
Spektr 20 Maio de 1995 Proton
8K82K
1 Junho de 1995 19.640 TMA-21 Alocação dos experimentos relativos ao programa de colaboração entre a Rússia e os Estados Unidos
Módulo de Acoplagem 12 Novembro de 1995 STS-74
Atlantis
15 Novembro de 1995 6.134 TMA-22 Sistema a ser utilizado para o acoplamento entre os ônibus espaciais americanos e a estação espacial
Priroda 23 Abril de 1996 Proton
8K82K
26 Abril de 1996 19.000 TMA-23 Módulo de sensoriamento remoto

Missões que usaram a nave Soyuz[editar | editar código-fonte]

Nave Soyuz acoplada na MIR
Foto da tripulação da STS-81 dentro da MIR
A Mir durante a missão STS-86.

Missões que usaram o ônibus espacial[editar | editar código-fonte]

A configuração final de Mir , mostrando o módulo de ancoragem (marrom) com um Ônibus Espacial encaixado.
A Mir e o ônibus espacial Atlantis acoplados durante a missão STS-71.
  • 22 de março-31 de março de 1996 - STS-76 - iniciou a presença estadunidense contínua na MIR, levando o astronauta Shannon Lucid, que fez um passeio no espaço para instalar pacotes de experimentos no módulo de acoplagem
  • 16 de agosto-26 de agosto de 1996 - STS-79 - astronauta John Blaha substitui Lucid, ficando na MIR quatro meses com os cosmonautas da missão MIR-22, conduzindo experimentos de ciência dos materiais, fluidos e pesquisa biológica
  • 12 de janeiro-22 de janeiro de 1997 - STS-81 - Linenger substituiu Blaha na MIR, tendo feito o primeiro "passeio no espaço" com traje espacial russo - a missão enfrentou um inédito incêndio no espaço, dentro da MIR
  • 15 de maio-24 de maio de 1997 - STS-84 - o astronauta Mike Foale substitui Linenger, e integra a equipe a especialista russa Elena V. Kondakova - nesta missão ocorre uma colisão entre a MIR e uma nave cargueiro Progress, com danos na MIR - Foale faz um EVA com o cosmonauta Anatoly Solovyev para verificar os danos
  • 25 de setembro-6 de outubro de 1997 - STS-86 - David Wolf substitui Foale - astronauta Scott Parazynski e o cosmonauta Vladimir Titov executam um "passeio no espaço" conjunto, o primeiro em que um cosmonauta usa um traje espacial estadunidense
  • 22 de janeiro-31 de janeiro de 1998 - STS-89 - astronauta Andy Thomas substitui Wolf - o vôo também levou a MIR o cosmonauta Salizhan Sharipov
  • 2 de junho-12 de junho de 1998 - STS-91 - esta missão retornou Thomas e conduziu pesquisas científicas

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Jackman, Frank (29 de outubro de 2010). «ISS Passing Old Russian Mir In Crewed Time». Aviation Week [S.l.: s.n.] 
  2. Hall, R., : (2000). The History of Mir 1986-2000 British Interplanetary Society [S.l.] ISBN 0-9506597-4-6. 
  3. Hall, R., : (2001). Mir: The Final Year British Interplanetary Society [S.l.] ISBN 0-9506597-5-4. 
  4. «Orbital period of a planet». CalcTool. Consultado em 12 de setembro de 2010. 
  5. Patrick E. Tyler (24 de março de 2001). «Russians Find Pride, and Regret, in Mir's Splashdown» New York Times [S.l.] Consultado em 9 de março de 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]