Manifesto Fascista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Manifesto dei fasci italiani di combattimento publicado no Il Popolo d'Italia em 6 de junho de 1919

Il manifesto dei fasci italiani di combattimento, comumente conhecido como o Manifesto Fascista, foi a declaração do programa político do Fasci Italiani di Combattimento, um movimento fundado em Milão por Benito Mussolini em 1919.[1] O manifesto foi o texto que formou as bases do movimento fascista e que mais tarde se desenvolveria no Manifesto de Verona. Foi escrito pelo sindicalista revolucionário Alceste De Ambris e pelo poeta futurista Filippo Marinetti.

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

O Manifesto foi publicado no Il Popolo d'Italia em 6 de junho de 1919, sendo dividido em quatro seções, onde são descritos os objetivos do fascismo:[2]

Objetivos políticos[editar | editar código-fonte]

  • Sufrágio universal a partir dos 18 anos e possibilidade de candidatura a deputado a partir dos 25 anos.
  • Representação proporcional a nível regional.
  • Votação e igualdade política para mulheres.
  • Representação governamental dos novos conselhos nacionais por setor econômico.
  • Abolição do Senado italiano (naquela época, o Senado como câmara alta do Parlamento, era eleito pelos cidadãos mais ricos, embora na realidade fosse nomeado diretamente pelo rei. Mussolini acusou esse sistema de ser uma espécie de conselho ampliado do coroa que teve que ser superada)
  • A convocação de uma Assembleia Nacional composta por trabalhadores e sindicatos por um período de três anos, cuja primeira tarefa será determinar a forma constitucional do Estado.
  • A formação de conselhos nacionais compostos por especialistas em questões trabalhistas, indústria, transporte, saúde pública, comunicações, etc.

Objetivos trabalhistas e sociais[editar | editar código-fonte]

  • A promulgação imediata de uma lei estadual que estabelece a jornada de trabalho de oito horas para todos os trabalhadores.
  • Um salário mínimo alto, equitativo e justo para todos os trabalhadores.
  • A participação dos trabalhadores como representantes na operação técnica das indústrias.
  • Sindicalização do Estado, conferindo aos sindicatos e trabalhadores a gestão da indústria nacional e dos serviços públicos.
  • Reorganização das ferrovias e do setor de transportes.
  • O estabelecimento de seguros de invalidez e velhice.
  • Redução da idade de aposentadoria de 65 para 55 anos.

Objetivos militares[editar | editar código-fonte]

  • Criação de uma milícia nacional de curto serviço com responsabilidades especificamente defensivas.
  • Todas as fábricas de armas teriam que ser nacionalizadas.
  • Uma política externa pacífica mas competitiva. Esta política será uma mistura de nacionalismo italiano e internacionalismo, defendendo a soberania nacional e o irredentismo e a colaboração e solidariedade entre os povos.

Objetivos financeiros[editar | editar código-fonte]

  • Um forte imposto progressivo sobre o capital (que contempla uma expropriação parcial ou total da riqueza concentrada pela burguesia) que permite a redistribuição da riqueza entre todos os italianos de forma eqüitativa.
  • O confisco de todos os bens das congregações religiosas e a abolição de todos os bispados, que constituem uma enorme responsabilidade para a nação e possuem um grande número de privilégios em relação ao resto do povo italiano.
  • Revisão de todos os contratos de abastecimento de guerra e apreensão de 85% dos rendimentos da guerra.

Essas primeiras posições refletidas no Manifesto seriam uma espécie de precursor da A Doutrina do Fascismo e que foi descrito por Mussolini como "uma série de pontos a seguir, previsões, indícios que, uma vez livres da matriz inevitável de contingências, se desdobrariam em poucos anos em uma série de posições doutrinárias que permitem que o fascismo seja classificado como uma doutrina política diferente de todas as outras, passadas ou presentes”.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «HISTORY OF ITALY». www.historyworld.net. Consultado em 21 de dezembro de 2020 
  2. «Il manifesto dei fasci di combattimento». web.tiscalinet.it. Consultado em 21 de dezembro de 2020 
  3. «Mussolini - THE DOCTRINE OF FASCISM». www.worldfuturefund.org. Consultado em 21 de dezembro de 2020