Sindicalismo revolucionário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Sindicalismo revolucionário é a designação dada a uma doutrina e prática difundida nas primeiras décadas do século XX, inicialmente na França, defendida por Fernand Pelloutier, no que se refere à prática, e teorizada por Georges Sorel. Segundo essa doutrina, a ação sindical constitui a mais eficaz forma de educação, dentro do espírito revolucionário, para a renovação radical da sociedade.[1] A doutrina difundiu-se posteriormente na Itália, ganhando aportes teóricos de Arturo Labriola, na Espanha, Argentina e nos Estados Unidos, entre as primeiras décadas do século XX e o fim dos anos 1930.

É muitas vezes considerado como uma vertente do anarcossindicalismo.

Referências

  1. (em italiano) Sindacalismo rivoluzionario. Thesaurus. Biblioteca Nazionale Centrale di Firenze.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.