Síntese Anarquista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O anarquismo sintetista ou sintetismo é uma corrente dentro do anarquismo que pretende agrupar anarquistas de diversas tendências sob os princípios do anarquismo sem adjetivos.[1] Tal corrente surgiu como uma resposta ao plataformismo e teve como seus principais proponentes os anarcocomunistas Sébastien Faure e Voline.[1] Faure sustentava que o anarquismo caracterizava-se por três correntes fundamentais: o anarcossindicalismo, o comunismo libertário e o anarcoindividualismo. Em sua concepção, estas correntes não seriam contraditórias, mas complementares, tendo cada uma delas um papel a desempenhar dentro do anarquismo: o anarcossindicalismo como a força das organizações de massa e o melhor meio para a prática do anarquismo; o comunismo libertário como proposta de sociedade futura baseada na distribuição dos frutos de trabalho conforme a necessidade de cada um; o anarco-individualismo como negação da opressão individual e afirmação do direito ao desenvolvimento do indivíduo buscando satisfazê-lo em todos os sentidos.[2] De modo semelhante, Voline sustentava que era necessário sintetizar as diferentes correntes anarquistas, em um “conjunto harmonioso, ordenado, acabado”, e bem como Faure, reivindicava um modelo de organização em que o sindicalismo seja considerado o método da revolução social, o comunismo libertário constitua a organização da nova sociedade, e o individualismo torne-se o objetivo da sociedade pós-revolucionária, com vistas à emancipação e à felicidade do indivíduo.[2] Voline acreditava que seria um engano opor as correntes anarquistas umas às outras, e o mais produtivo seria realizar uma fusão delas, em um “anarquismo sintético”, o que a seu ver, seria indispensável.[2] A maior organização sintetista da atualidade é a Internacional de Federações Anarquistas.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes: debate entre as vertentes do anarquismo e o anarquismo sem adjetivos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Anarquismo sem adjetivos

Os pais da expressão "anarquismo sem adjetivos" foram os anarquistas Fernando Tarrida del Mármol e Ricardo Mella, preocupados com os debates amargos entre mutualistas, anarquistas individualistas, e anarquistas comunistas na década de 1880.[3] Eles usaram o termo "anarquismo sem adjetivos" como uma tentativa de mostrar maior tolerância entre as diferentes tendências anarquistas e para deixar claro que os anarquistas não deveriam impor um plano econômico preconcebido para ninguém, mesmo no plano teórico. Os anarquistas sem adjetivos tinham tendência a rejeitar qualquer modelo econômico particular dentro das vertentes do anarquismo, ou então a tomar uma posição pluralista, reconhecendo vantagens e desvantagens em cada modelo econômico específico. Para os anarquistas sem adjetivos, as preferências econômicas são consideradas de "importância secundária" frente à abolição de toda autoridade coerciva, sendo a experimentação livre a única regra de uma sociedade livre.

O debate logo se espalhou pela Espanha e a discussão encontrou espaço entre as páginas do periódico Le Révolté em Paris, o que fez com que muitos anarquistas concordassem com o argumento de Errico Malatesta de que "não é certo que nós [anarquistas] (...) fiquemos a discutir sobre meras hipóteses".[4] Ao longo do tempo, a maior parte dos anarquistas passaram a concordar que "o primeiro objetivo do anarquismo é garantir a liberdade pessoal e social dos homens, não importando sobre que base econômica ela se dê", como afirmou Max Nettlau,[5] e isso fez com que os anarquistas focassem o debate naquilo que tinham em comum ao invés das maneiras que acreditavam que uma sociedade livre deveria funcionar. Por exemplo, os anarcocomunistas passaram a perceber que ignorar o movimento operário faria com que suas ideias não atingissem a classe trabalhadora, enquanto os anarcossindicalistas enfatizaram seu compromisso com o comunismo libertário, que viria a ser instaurado após uma revolução social.

O mesmo debate tomou forma nos Estados Unidos, entre anarquistas individualistas e anarquistas comunistas. Na época, Voltairine de Cleyre "passou a rotular-se como simplesmente 'anarquista', e assim como Malatesta apelou para um 'anarquismo sem adjetivos', uma vez que, na ausência de um governo, diferentes experimentos seriam tentados em vários lugares a fim de determinar qual modelo econômico seria o mais apropriado".[6] Voltairine buscou a conciliação entre as diversas vertentes do anarquismo e foi uma defensora ardorosa do anarquismo sem adjetivos.

Ucrânia e Rússia[editar | editar código-fonte]

Voline foi um proeminente escritor e intelectual anarquista que teve um papel importante na organização e liderança da Confederação Anarquista Ucraniana,[7] mais conhecida como Nabat, organização anarquista que se estabeleceu na Ucrânia entre 1918 e 1920. O Território Livre foi a área onde a organização teve mais influência, ainda que em grandes cidades no sul da Ucrânia, o Nabat também exerceu uma influência considerável.[8]

Voline foi designado para escrever uma plataforma para o Nabat que pudesse estar de acordo com todas as mais importantes vertentes do anarquismo, em especial o anarcossindicalismo, o anarcocoletivismo, o anarcocomunismo e o anarcoindividualismo. Tal plataforma nunca foi completamente aceita dentro da organização, porém Voline usou aquilo que já havia escrito como base para criar sua "síntese anarquista".[9] A sua plataforma proposta para o Nabat reivindicava um modelo de organização em que o sindicalismo seria considerado o método da revolução social, o comunismo libertário constituiria a organização da nova sociedade, e o individualismo tornaria-se o objetivo da sociedade pós-revolucionária, com vistas à emancipação e à felicidade individual.[10]

A discussão sobre a síntese anarquista surge no contexto da discussão da Plataforma Organizacional dos Anarquistas Comunistas, escrita pelo Grupo de Anarquistas Russos no Estrangeiro e publicada no periódio Dielo Truda em 1926.[2] A Plataforma Organizacional dos Anarquistas Comunistas atraiu fortes críticas de alguns dos mais proeminentes anarquistas da éoca, como Errico Malatesta, Luigi Fabbri, Camillo Berneri, Max Nettlau, Alexander Berkman,[11] Emma Goldman, Gregori Maximoff,[12] e também de Voline. Voline, junto de outros anarquistas russos exilados como Mollie Steimer e Senya Fleshin, escreveram uma resposta à Plataforma Organizacional dos Anarquistas Comunistas na qual sustentavam que manter o anarquismo somente como uma mera teoria de classes é limitá-lo a um único ponto de vista, e que o anarquismo seria "muito mais complexo e pluralista". Novamente, Voline afirma que o sindicalismo deve ser adotado como método um método de ação, o comunismo libertário como o ideal de organização da nova sociedade, e o individualismo o objetivo a ser alcançado pelo humanidade em sua fase pós-revolucionária.[13]


Referências

  1. a b c «"J.3.2 What are "synthesis" federations?", An Anarchist FAQ». Consultado em 2 de março de 2015. Arquivado do original em 7 de outubro de 2010 
  2. a b c d "Especifismo e Síntese/Sintetismo" por Felipe Corrêa
  3. Presley, Sharon. Exquisite rebel: the essays of Voltairine de Cleyre. SUNY Press, 2005. 48
  4. quoted by Max Nettlau, A Short History of Anarchism, p. 198-9
  5. Max Nettlau, A Short History of Anarchism, p. 201
  6. Marshall, Peter "Demanding the Impossible", p. 393
  7. Avrich, Paul (2006). The Russian Anarchists. Stirling: AK Press. p. 204. ISBN 1-904859-48-8 
  8. Avrich, Paul (julho de 1968). «Russian Anarchism and the Civil War». The Russian Review: 296–306 
  9. Guérin, Daniel (2005). No Gods, No Masters: An Anthology of Anarchism. [S.l.]: AK Press 
  10. "Estos tres elementos (el sindicalismo, el comunismo, y el individualismo) son tres aspectos de un único y mismo proceso la construcción, por el método de la organización de clase de los trabajadores (el sindicalismo), de la sociedad anarcocomunista que no es más que la base material necesaria a la plenitud completa del individuo libre."Primera Conferencia de las Organizaciones Anarquistas de Ukrania "Nabat" Arquivado em 28 de agosto de 2011, no Wayback Machine.
  11. [https://web.archive.org/web/20081121164359/http://www.inspiracy.com/black/wooden.html%20 Arquivado em 21 de novembro de 2008, no Wayback Machine. ¿Wooden shoes or platform shoes? on the organizational platform of the libertarian communists by Bob Black]
  12. [https://web.archive.org/web/20101007160139/http://www.infoshop.org/page/AnarchistFAQSectionJ3%20 Arquivado em 7 de outubro de 2010, no Wayback Machine. J.3.4 Why do many anarchists oppose the "Platform"? on An Anarchist FAQ]
  13. "Reply by several Russian Anarchists to the ‘Platform’" by Various Authors


Ícone de esboço Este artigo sobre Anarquismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.