Anticonsumismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estêncil anticonsumista

O anticonsumismo refere-se ao movimento social e ao conjunto de práticas contrárias ao consumo em excesso, com base em uma crítica à economia de mercado que promove a valorização do acúmulo de bens individuais como princípio de felicidade. Tal movimento tem como base a antiglobalização, a antiempresarialidade (em especial, a condenação às práticas das multinacionais) e o pró - ambientalismo.

O anticonsumismo pode ser entendido como um antimaterialismo e tal prática é derivada de duas origens básicas: a Religião (que se opõe ao materialismo, já que este interfere na conexão com o divino e leva a uma vida de imoralidades) e o Ativismo Social (que enxergam a guerra, crime e mal estar social como resultados diretos do materialismo, por serem incapazes de oferecer uma razão saudável para a existência humana).

Origem[editar | editar código-fonte]

Frequentemente, a ideia de anticonsumismo vem relacionada aos ideais de Karl Marx, que em suas teorias critica substancialmente as práticas capitalistas e a relação de classes dominantes versus dominadas, e Thorstein Veblen, que a partir da Teoria da Classe Ociosa, critica a relação da sociedade com as dadas instituições, utilizando como exemplo, a classe de indivíduos que se abstêm do trabalho produtivo (classe ociosa), mas detém o poder e os lucros provenientes do trabalho da classe trabalhadora.

Crítica[editar | editar código-fonte]

O consumismo é fruto de um sistema industrial que não olha de forma ampla os motivos de sua produção, visando apenas o lucro e desconsiderando impactos ecológicos e sociais, invadindo a esfera particular da população ao criar necessidades vistas como desnecessárias e manipular tais necessidades com publicidade intrusiva.

A maior crítica à esse sistema de consumo conspícuo é a tendência das pessoas à identifica-se fortemente com produtos e serviços consumidos por elas, em especial, produtos que vem atrelados às marcas que indicam status social elevado. Os objetos passam a ser tratados como sinais sociais e não mais como uma necessidade e/ou facilitador,levando ao condicionamento do indivíduo para que se consuma cada vez mais, sem saber o porque.

A grande aliada de tais práticas, com a importantíssima função anunciativa, é a mídia, que por meio de propagandas explicitas (publicidade) e implícitas (personagens consumindo os produtos dentro das obras - cinema, programas de TV) promovem a alienação de consumo.

Referências[editar | editar código-fonte]

Definição ABC - Anticonsumismo - http://elmaxilab.com/definicao-abc/letra-a/anti-consumismo.php (acessado em 05/05/2015 - 14h20)

Wikipedia - Karl Marx - https://pt.wikipedia.org/wiki/Karl_Marx (acessado em 05/05/2015 - 14h20)

Wikipedia - Thorstein Veble - https://pt.wikipedia.org/wiki/Thorstein_Veblen