Indústria cultural

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O termo Indústria Cultural (em alemão Kulturindustrie) foi criado pelos filósofos e sociólogos alemães Theodor Adorno (1903-1969) e Max Horkheimer (1895-1973), apresentado no capítulo "A indústria cultural: iluminação como engano em massa", do livro Dialética do Esclarecimento (1944), em que propuseram que a cultura popular é semelhante a uma fábrica que produz bens culturais padronizados - filmes, programas de rádio , revistas etc. - usados para manipular a passiva sociedade de massa.[1] Para os autores, o consumo dos prazeres fáceis da cultura popular, disponibilizados pelos meios de comunicação de massa, torna as pessoas dóceis, por mais difíceis que sejam suas circunstâncias econômicas.[1]

Ainda para Adorno e Horkheimer, o perigo inerente à indústria cultural é o cultivo de falsas necessidades psicológicas que só podem ser atendidas e satisfeitas pelos produtos do capitalismo; assim, eles perceberam especialmente a cultura produzida em massa como perigosa para a sobrevivência das artes mais difíceis de serem produzidas do ponto de vista técnico e intelectual. De acordo com os pensadores, a indústria cultural:

[...] não introduz as massas nas áreas de que eram antes excluídas, mas serve, ao contrário, nas condições sociais existentes, justamente para a decadência da cultura e para o progresso da incoerência bárbara”.[2]

Objetivo

Seguindo a lógica do capitalismo industrial e financeiro, a Indústria Cultural busca padronizar e homogeneizar os produtos, para que possam ser consumidos pela maioria das pessoas. Assim, tudo o que pertence a Indústria Cultural deve seguir um padrão pré-definido para o consumo imediato.

Tendo o consumidor não como um sujeito, mas sim como um objeto. Este termo define as produções artísticas e culturais organizadas no contexto das relações capitalistas de produção, uma vez lançadas no mercado, e por estes consumidas.[3]

A indústria cultural idealiza produtos adaptados ao consumo das massas, assim como também pode determinar esse consumo trabalhando sobre o estado de consciência e inconsciência das pessoas. Ela pode ainda ter função no processo de acumulação de capital, reprodução ideológica de um sistema, reorientação de massas e imposição de comportamento.[4]

Histórico

Fotografia tirada em Abril de 1964 por Jeremy J. Shapiro. Horkheimer está em frente, a esquerda, Adorno em frente a direita e Habermas está ao fundo, a direita, com a mão em seu cabelo.

Indústria cultural, foi termo concebido pelos teóricos da escola de Frankfurt, Theodor Adorno e Max Horkheimer. As reflexões acerca desse tema surgiram a partir de uma “cultura industrializada” vista no período do nazismo, pois toda arte produzida era dirigida somente àquele sistema. Já nos Estados Unidos, Adorno vê o sistema da indústria cultural de forma “enrustida” principalmente no entretenimento, e é através do cinema, por exemplo, que a indústria cultural se faz presente e nos apresenta uma comunicação de massa, pois neste caso tinha o intuito de “desviar” os olhares da população aos problemas sociais da década de 30 que se consagrou.


Dessa forma, as manifestações de arte não são vistas somente como únicas, extremamente belas, mas principalmente como “mercadorias”, que incentivam uma reificação (ou transformação em coisa), e a alienação da arte feita para poucos e carentes de uma visão crítica a respeito.

A intenção da indústria cultural não é promover um conhecimento, porque conhecer levanta questionamentos, rompe paradigmas e necessita de novas respostas. Esse sistema incorpora nos participantes uma nova necessidade: a “necessidade do consumo”, geradora de mercadorias próprias para a venda e vinda do capitalismo e desta forma é possível representar e incentivar o produto ao invés do conhecimento. O conhecimento, por sua vez, se torna produto da elite e é sobre esses aspectos que Adorno e Horkheimer questionam quando tratam de indústria cultural. Sobre a forma pela qual as artes e o conhecimento humano são tratadas e se tornaram de fácil manipulação. [5]

No entanto, falar de indústria cultural levanta também questões sobre a comunicação, a cultura e a manipulação de massas.

Comunicação de massa

Ver artigo principal: Comunicação de massa

A indústria cultural e a comunicação de massa não podem ser tratadas como coisas distintas[6], pois, ambas são capazes de atingir um grande número de indivíduos, de transmitir um conhecimento ou de alienar. São pertencentes a cultura de massa a televisão, o rádio, os jornais, as revistas e toda e qualquer fonte de informação. Não pelo que são, mas sim por serem utilizadas pela elite com o real intuito de manipular a população.

O primeiro passo para o surgimento de um veículo de comunicação veio através de Gutenberg. Com os tipos móveis de imprensa, Gutenberg trouxe novos meios e mais ágeis para a reprodução (principalmente de livros). A criação deste "meio de comunicação" não pode ser vista como responsável pela indústria cultural, mas pode se ter, através daí, o surgimento de uma cultura elitizada (pois o consumo era destinado a uma elite de letrados) de uma reprodução em grande escala, e de uma objetivação cada vez maior do lucro.

Cultura, arte e o conceito de Kitsch

Ver artigo principal: Kitsch

Kitsch é o termo usado para denominar uma nova forma de arte: a pseudo-arte. Com o surgimento da nova classe média e a grande demanda informacional, tornou-se necessário à cultura e a arte uma adaptação ao seu novo público e a produção em massa.[7]

Para Silva (2011)[8], a indústria cultural descaracterizou a arte, deixando de lado a sua verdadeira essência. Do homem como autônomo, da beleza impossível na vida real, mas possível através da arte. Para esse autor, tal adaptação da arte e cultura foram causadas pela filosofia capitalista. Como o sistema dominante necessita de lucro, a aceitação e a alienação massificada para a sua sobrevivência transforma a cultura em mais um dos instrumentos do capitalismo.

Referências

  1. a b Horkheimer, Max; Adorno, Theodor W.; Ed. by Gunzelin Schmid Noerr. Transl. by Edmund Jephcott (2002). Dialectic of enlightenment philosophical fragments (PDF) [Nachdr.] ed. Stanford, Calif.: Stanford Univ. Press. p. 107. ISBN 978-0804736336 
  2. HORKHEIMER, M.; ADORNO, T.W. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro:Jorge Zahar Ed. 2006. P. 132
  3. FREITAG. B. Política educacional e indústria cultural. São Paulo: Cortez, Autores associados, 1987.
  4. COHN. G. Comunicação e indústria cultural. 2° ed. Editora Nacional, 1971.
  5. SILVA, D. R. Adorno e a Indústria Cultural. Disponível em: <http://www.urutagua.uem.br//04fil_silva.htm> Acesso em: 27 jun. 2011
  6. Rodríguez-Ferrándiz, Raúl (2011). «From Cultural Industries to Entertainment and Creative Industries. The Boundaries of the Cultural Field». Comunicar (em espanhol). 18 (36): 149–156. ISSN 1134-3478. doi:10.3916/c36-2011-03-06 
  7. CHARLIE. Cul(ura) e Kitsch. Disponível em: <http://www.cultkitsch.org/ser/manifesto.htm> Acesso em: 01 set. 2011.
  8. SILVA, D. R. Adorno e a Indústria Cultural. Disponível em: <http://www.urutagua.uem.br//04fil_silva.htm> Acesso em: 01 set. 2011

Ver também