Propensão marginal a consumir

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Propensão marginal a consumir mede quanto se incrementa no consumo de uma pessoa quando há um acréscimo em sua renda disponível (a renda disponível depois do pagamento dos impostos) em uma unidade monetária[1] .

Fórmula Matemática[editar | editar código-fonte]

A propensão marginal ao consumo define-se como a variação do consumo a uma nova renda disponível, pode ser expressa matematicamente derivado da seguinte forma:

PMC=\frac{dC}{dY_D};

que explica como as mudanças de consumo mudam quando a renda muda[2] . Na análise do consumo keynesiana, formulamos a seguinte expressão para o consumo:

C=C_0+cY_D\,;

É considerada válida para intervalos de variação dos resultados em que a PMC permanece aproximadamente constante:

C\, = Consumo
C_0\, = Consumo autônomo ou fixo.
c\, = Propensão marginal a consumir
Y_D\, = Renda disponível Y(1-t)
(1-c)=b\, = Propensão marginal a poupar.

Exemplo[editar | editar código-fonte]

Se a propensão marginal a consumir é 1, o indivíduo gasta completamente toda a nova renda que adquire. Se fosse 0, então pouparia toda a nova renda.

Se a propensão é 1, o indivíduo ou a economia não irá poupar[3] . No caso de ser inferior a 1, existe certa propensão marginal a poupar que é (1-c)=b, e há uma acumulação de dinheiro seja pela economia como um todo ou individual. A propensão marginal a poupar depende, como visto a partir do ponto de vista endógeno ao modelo, da capacidade de poupança que tem a economia, e da possibilidade desta. Se espera que (b) tenha um valor mais alto em economias mais desenvolvidas[4] .

Variação da PMC[editar | editar código-fonte]

\frac{dc}{dY_D} = \frac{d^2C}{dY_D} \le 0

Outros conceitos[editar | editar código-fonte]

Não se deve confundir propensão marginal a consumir com a propensão média a consumir (PMCm), que é o percentual que o indivíduo consome de acordo com sua renda. Na verdade, dada a convexidade da função consumo é satisfeito se:

\mbox{PMC}_m = \frac{C(Y_D)}{Y_D} \ge \frac{dC(Y_D)}{dY_D} = \mbox{PMC} \ge 0

Referências

  1. Unimep "A relação entre a pobresa e o crscimento econômico do Brasil: Uma análise via propensão marginal a Consumir" (PDF). Ednalva Felix Das Neves. Consult. 13 de dezembro de 2010. 
  2. Neema: a Economia Pesqueira "Macroeconomia: Modelo Keynesiano Simples" (PDF). Rogério César. Consult. 13 de dezembro de 2010. 
  3. Eumed "Demanda efetiva, emprego, propensão a consumir e efeito multiplicador". Jorge Antonio Santos Silva. Consult. 13 de dezembro de 2010. 
  4. Universidade de Brasília "Macroeconomia" (PDF). Roberto de Góes Ellery Júnior. Consult. 13 de dezembro de 2010. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Wolfgang Cezanne: Allgemeine Volkswirtschaftslehre, Oldenbourg Wissenschaftsverlag, 6. Auflage, ISBN 978-3-486-57770-9
  • Robert Barro and Vittorio Grillio (1994), European Macroeconomics, Macmillan Publishers. ISBN 0-333-577764-7.