N. Gregory Mankiw

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Nicholas Gregory Mankiw
Conhecido(a) por Presidente do Conselho Económico de George W. Bush
Nascimento 3 de fevereiro de 1958 (61 anos)
Trenton, Nova Jérsia
Nacionalidade Estados Unidos norte-americano
Alma mater Universidade de Princeton
Campo(s) Macroeconomia

Nicholas Gregory Mankiw (Trenton, 3 de Fevereiro de 1958) professor de economia na Universidade de Harvard, onde ensina introdução à Economia[1]. Por vezes, é classificado como um expoente do neokeynesianismo em sua obra acadêmica.

Estudou economia na Universidade de Princeton e no MIT. Os seus trabalhos são publicados em periódicos acadêmicos como American Economic Review, Journal of Political Economy e Quartely Journal of Economics, bem como em publicações destinadas ao público mais amplo, como o The New York Times, Boston Globe e The Wall Street Journal. Ele questiona o excesso de reservas no bacen que levou a uma alta dos juros em sua teoria.[2]

Mankiw escreve prolificamente sobre Economia e política econômica. Enquadra-se no espectro conservador da política dos EUA e, inclusive, já atuou como conselheiro econômico para alguns políticos republicanos. Neste âmbito, seu momento de maior proeminência foi como diretor do Conselho de Consultores Econômicos (CEA) à Presidência da República, na gestão de George W. Bush (2003-2005). Em sequência, trabalhou com Mitt Romney em 2006 e também em suas campanhas presidenciais de 2008 e 2012.

Produção acadêmica[editar | editar código-fonte]

O trabalho mais expressivo de Mankiw é “A Contribution to the Empirics of Economic Growth” (Uma contribuição para o empirismo do crescimento econômico, em tradução livre), escrito junto a David Romer e David Weil e publicado em 1992 no Quarterly Journal of Economics. Sua argumentação é em defesa do modelo de crescimento de Solow, acrescido da variável “capital humano”, como um bom descritivo diferenças de padrão de vida entre nações.

Mankiw é também autor de dois famosos livros universitários de Economia: Introdução à Economia (Brasil: Cengage) e o volume de nível intermediário Macroeconomia (Brasil: LTC).

Os dez princípios da Economia[editar | editar código-fonte]

Em seu livro clássico Introdução À Economia[[1]], Gregory Mankiw faz uma síntese do comportamento dos agentes em qualquer cenário econômico. Ele classifica os dez princípios da economia em três tipos: decisões dos indivíduos, interação entre eles e o funcionamento da economia com um todo, conforme abaixo:


Como as pessoas tomam decisões:

1.- As Pessoas Enfrentam Tradeoffs;

2.- O Custo de Algo é o que você desiste para obtê-lo;

3.- Pessoas racionais pensam na margem;

4.- Pessoas reagem a incentivos;

Como as pessoas interagem:

5.- O comércio pode ser bom para todos;

6.- Os mercados geralmente são uma boa maneira de organizar a atividade econômica;

7.- Às vezes os governos podem melhorar os resultados dos mercados;

Como a Economia funciona:

8.- O padrão de vida de um país depende da sua capacidade de produzir Bens e Serviços;

9.- Os preços sobem quando o governo emite moeda demais;

10.- sociedade enfrenta um Tradeoff de curto prazo entre Inflação e Desemprego.

Títulos honoríficos[editar | editar código-fonte]

2007: Eleito membro da American Academy of Arts and Sciences.

2012: Nomeado um dos 300 melhores professores nos EUA pela Princeton Review.[3]

2014: Eleito, junto com David Card, vice-presidente da American Economic Association.[4]

2017: Recebe o Visionary Award do Council for Economic Education.

Outras informações[editar | editar código-fonte]

Greg Mankiw vive em Massachussets com a esposa, Deborah, três filhos e um cão.[5]

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • Livro Introdução à Economia - Princípios de Micro e Macroeconomia, editora CAMPUS.

Edita o blog http://gregmankiw.blogspot.com



Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. «Blogger: Perfil do usuário: Greg Mankiw». www.blogger.com. Consultado em 27 de novembro de 2018 
  2. Why Are Banks Holding So Many Excess Reserves?
  3. «Best 300 Professors Press Release | Public Relations | The Princeton Review | The Princeton Review». www.princetonreview.com (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2018 
  4. «American Economic Association». www.aeaweb.org (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2018 
  5. «Miss Roloff Has Nuptials» (em inglês)