Excedente econômico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gráfico comparativo que mostra o efeito do crescimento dos preços das mercadorias no excedente econômico de consumidores (vermelho) e produtores (azul)

Na doutrina econômica ortodoxa, excedente econômico, também conhecido como bem-estar total ou Excedente Marshalliano (após Alfred Marshall]), refere-se a dois quantidades relacionadas: o Excedente do consumidor ou superávit é o ganho monetário obtido pelos consumidores porque eles são capazes de comprar um produto por um preço que é menor que o preço mais alto que eles estariam dispostos a pagar; e o Superávit do produtor ou excedente dos produtores é a quantia que os produtores se beneficiam vendendo a um preço de mercado que é maior do que o mínimo que eles estariam dispostos a vender; isto é aproximadamente igual a lucro (uma vez que os produtores normalmente não estão dispostos a vender com prejuízo, e normalmente são indiferentes a vender a um preço de breakeven).[1][2]

Em algumas escolas da economia heterodoxa, o excedente econômico mede a renda total obtida pela classe dominante derivada da propriedade dos escassos fatores de produção, reinvestidos na produção ou no consumo.

Para os marxistas, o conceito está relacionado com a mais valia, produção excedente e mão-de-obra excedente, razões da acumulação capitalista.


Cálculo do excedente em relação a demanda[editar | editar código-fonte]

O excedente do consumidor (individual ou agregado) está na área abaixo da (individual ou agregada) curva da demanda e numa linha horizontal do preço atual (na hipótese agregada: o preço em equilíbrio). Se a curva de demanda se afigurar como uma linha reta, o excedente do consumidor estará na área de um triângulo:

Quando Pmcd está em equilíbrio (de preços), excedente é igual a demanda. Qmcd é a quantidade total adquirida pelo preço em equilíbrio e Pmax é a quantidade pelo preço desejado que tende a 0 (ou seja, o ponto onde a curva de demanda intercepta o eixo do preço). Para diferentes níveis da função demanda e excedente, as áreas não serão de triângulos mas poderão ser determinadas por meio de cálculo integral. O excedente do consumidor é na verdade a integral da função demanda em relação ao preço, num mercado onde a possibilidade da venda pelo preço máximo é preservada (i.e. a interceptação do preço na função demanda):

onde

Se houver um aumento no nível de preço e uma baixa no ponto de equilíbrio da quantidade, o excedente do consumidor diminuiu.

Distribuição de lucros na baixa de preços[editar | editar código-fonte]

Quando o excedente de bens se expande, os preços baixam (assumindo que a curva de demanda é descendente) e o excedente do consumidor aumenta. Os lucros serão distribuídos pelos dois grupos.

Considere-se o exemplo de curvas lineares de excedente e demanda. Para o excedente E 0, o excedente do consumidor é um triângulo acima da linha formada para o preço P0 para a linha de demanda (limitada a esquerda pelo eixo dos preços e acima pela linha de demanda). Se o excedente se expande para E0 para S1, o excedente do consumidor se expande para o triângulo acima P1 e abaixo da linha de demanda (ainda delimitada pelo eixo dos preços). O mercado do excedente de consumidor é definido pela área dos dois triângulos, e o bem-estar do consumidor está associado à expansão do excedente.

Algumas pessoas estavam dispostas a pagar o maior preço P0. Quando o preço se reduz, seus ganhos serão a área do retângulo formado acima por P0, e abaixo por P1, à esquerda pelo eixo de preços e à direita por uma linha vertical ascendente de Q0.

O segundo cenário para ganhos são consumidores que compram mais, e os novos consumidores, que irão pagar pelo preço decrescente (P1) mas não o maior preço (P0). Esse mercado adicional de consumidores é a diferença entre Q1 e Q0. O excedente do consumidor é o triângulo delimitado por uma linha vertical ascendente de Q0, à direita e acima pela linha de demanda e abaixo por uma linha horizontal ascendente de P1.

Regra da média[editar | editar código-fonte]

A regra da média ou da "metade" estima a alteração do excedente do consumidor para pequenas negociações com uma curva de demanda constante. Nesse caso especial a curva de demanda é linear e o excedente do consumidor é a área do triângulo delimitado pela linha vertical Q=0, a linha horizontal e a curva de demanda linear. Adicionalmente, a alteração do excedente do consumidor é a área do trapézio que i) tem altura igual a alteração de preços e ii) semirreta igual a média do equilíbrio das quantidades antes e depois:

onde:

  • EC = Excedente do consumidor
  • Q0 e Q1 são, respetivamente, a quantidade demandada antes e depois da alteração no excedente
  • P0 e P1 são, respetivamente, os preços antes e depois da alteração no excedente

Leitura (em inglês)[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Boulding, Kenneth E. (1945). «The Concept of Economic Surplus». The American Economic Review. 35 (5): 851–869. JSTOR 1812599 
  2. «Consumer and producer surplus|Microeconomics|Khan Academy». Khan Academy (em inglês) 
Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.