Manuel Baptista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Manuel Baptista
Manuel Baptista, 10-07-2015
Nascimento 1936 (81 anos)
Faro
Nacionalidade Portugal Português
Prémios Prémio Autores de 2012
Área Artes Plásticas, pintura

Joaquim Manuel Guerreiro Baptista (Faro, 1936) é um artista plástico e pintor português.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Manuel Baptista nasceu em Faro em 1936. Entre 1957 e 1962 frequentou o curso de pintura da ESBAL; no ano seguinte partiu para Paris como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Entre 1964 e 1972 lecionou na ESBAL.

Participou pela primeira vez em mostras coletivas em 1956 e expôs no 1º e 2º Salões de Arte Moderna da Sociedade Nacional de Belas Artes (1958 e 1959). Realizou a primeira exposição individual em 1961, na Galeria do Diário de Notícias, Lisboa; nesse mesmo ano participou na II Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

Foi um dos artistas convidados pela secção portuguesa da AICA para participar na renovação da decoração do café A Brasileira que teve lugar em 1971. Entre 1977 e 1980 deslocou-se regularmente a Lippstadt e Schmallenberg, República Federal da Alemanha, realizando tapeçarias para a Fábrica Falke (Imago). Entre 1990 e 2003 assumiu a direção das galerias municipais Trem e Arco, Faro.

Foram-lhe atribuídos os seguintes prémios: 1º Prémio de Pintura / Prémio Guerin de Artes Plásticas (1968); Prémio Soquil (1970); Prémio de Pintura IV Bienal de Cerveira (1984); Prémio BANIF de Pintura (1993).

Obra[editar | editar código-fonte]

Relevo-colagem, 1973, lápis de cera e tecido sobre tela de linho, 130 x 100 cm

Influenciado por referências diversas, de Miró e Klee a Matisse, os seus trabalhos iniciais abordam temáticas como "a lavadeira, as peixeiras num mercado, trabalhadores em atividade […], a par de naturezas mortas de eco matisseano, de traço sumário mas expressivo" [2].

Na década de 1960 a abstração torna-se dominante. Manuel Baptista efetua uma "valorização do suporte, com aglomerações de panos colados, modulação de relevos em positivo/negativo, recorte geométrico dos suportes, quadrículas de base e colagem de camadas". Essas opções confirmam-se na década seguinte, que corresponde a um tempo de "vigorosa afirmação desse trabalho de desconstrução e recomposição das superfícies, de tela recortada e colada"; a "sugestão paisagística cruza-se com a ornamental" [3] em trabalhos "minuciosos e perfeitíssimos" onde uma "estética do fragmento tanto sugere a poética do vitral como um ensaio de manufatura textil" [4].

Uma outra faceta da sua produção artística foi apresentada em 2011, numa grande exposição no Museu da Eletricidade que integrava obras tridimensionais projetadas desde meados dos anos 60 e nunca concretizadas: "Objectos quotidianos mais ou menos intemporais (envelopes, camisas com gravata, mesas…), elementos soltos de cenografias naturais e/ou paisagísticas (arbustos, falésias, bouquets de flores), alguns objetos com valias simbólicas (novelos) […]. Pelos seus temas, materiais e escala as obras de Manuel Baptista aproximam-se do discurso ocidental do seu tempo. [...] Devemos pensar que a sua abordagem parte de um olhar tocado pela poética crítica da Arte Povera e do Nouveau réalisme; e ainda pelo modo como recebeu e entendeu a particular situação política, social e tecnológica portuguesa de onde partia e onde regressou" [5].

Exposições individuais – seleção[editar | editar código-fonte]

  • 1961 – Galeria Diário de Notícias, Lisboa.
  • 1964 – Galeria Divulgação, Lisboa.
  • 1965 – Galeria 111, Lisboa.
  • 1966 – Galeria Quadrante, Lisboa.
  • 1981 – Museu de Arte de São Paulo, Brasil.
  • 1983 – Kasseler Kunstverein, Kassel, Alemanha.
  • 1992 – Galeria Quadrado Azul, Porto.
  • 1993 – Galeria Luís Serpa, Lisboa.
  • 1996 – Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, Almada.
  • 2006 – Falke Werk, Lipupstadt, Alemanha.
  • 2007 – Galeria Fernando Santos, Porto.
  • 2011 – Fora de Escala - Desenho e Escultura 1960-1970, Museu da Electricidade, Fundação EDP, Lisboa.
  • 2011 – Escrever Paisagem - Desenho 1960-1970, Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Referências

  1. Manuel Baptista - Infopédia
  2. Nazaré, Leonor – Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão: roteiro da coleção. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004, p. 104.
  3. Nazaré, Leonor – Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão: roteiro da coleção. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004, p. 104.
  4. Silva, Raquel Henriques da – Manuel Baptista. In: A.A.V.V. (coordenação de Raquel Henriques da Silva) – 50 Anos de Arte Portuguesa. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007, p. 116.
  5. Pinharanda, João – Fora de escala: Manuel Baptista, desenhos e esculturas 1960-70. Folha de sala, exposição no Museu da Eletricidade, Fundação EDP, 2011.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.