Marcelo Mirisola

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Marcelo Mirisola
Marcelo Mirisola por João Marcondes
Nascimento
São Paulo,  Brasil
Influências
Género literário Romance, conto

Marcelo Mirisola (São Paulo, 9 de maio de 1966) é um escritor brasileiro, autor de contos, romances, crônicas e dramaturgia.[1] É considerado uma das maiores revelações da literatura brasileira da década de 1990, e conhecido por seu estilo inovador, ousadia e, em muitos casos, virulência com que se insurge contra o status quo e as panelinhas do mundo literário.[2] Sua obra literaria é marcada pela mistura entre autobiografia e ficção.[3] Mirisola também colaborou e colabora regularmente para revistas, jornais e websites brasileiros (Congresso em Foco e Revista Cult, entre outros).[4][5] Bacharel em Direito, o autor optou por não exercer a profissão.[6]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Marcelo Mirisola é descendente de imigrantes italianos. Nascido na cidade de São Paulo, passou parte da infância em Santos, São Paulo, morou durante anos em Florianópolis, Santa Catarina, viajou pelo Brasil e retornou a São Paulo. Atualmente Marcelo Mirisola vive na cidade do Rio de Janeiro.

Obras[editar | editar código-fonte]

Relançamentos[editar | editar código-fonte]

Contos em coletâneas[editar | editar código-fonte]

Textos avulsos[editar | editar código-fonte]

Em tradução[editar | editar código-fonte]

  • Joana Against My Will [tradução de Joana a contragosto]. Translated by Fal Azevedo. KBR Digital Editora, 2013.
  • "Some Spiffing Up To Be Happy" [tradução de "Basta um Verniz para Ser Feliz", em O herói devolvido, páginas 97- 101]. Translated by Eric Mehl and Gabriel Mordoch. The Knowledge Bank at The Ohio State University, September 2016 (acessado em 19/12/2017).

Entrevistas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia crítica[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Marcelo Mirisola
  1. «Editora 34». www.editora34.com.br. Consultado em 25 de dezembro de 2017. 
  2. Congresso em Foco (21 de fevereiro de 2008). «Colunistas - Marcelo Mirisola». Consultado em 4 de Julho de 2012. 
  3. Enciclopédia Itaú cultural. «Marcelo Mirisola». Consultado em 13 de dezembro de 2017. 
  4. Congresso em foco. «Todas as postagens de Marcelo Mirisola». Consultado em 20 de dezembro de 2017. 
  5. Revista Cult. «Revista Cult - Marcelo Mirisola». Consultado em 20 de dezembro de 2017. 
  6. a b Luciano Trigo (22 de Novembro de 2008). «Entrevista: Marcelo Mirisola». Globo.com. Consultado em 4 de Julho de 2012. 
  7. Sérgio Salvia Coelho (24 de janeiro de 2003). «Bortolotto oferece espelho para a classe média urbana». Folha de São Paulo. Consultado em 17 de dezembro de 2017. 
  8. Pen, Marcelo (9 de março de 2002). «Destruição e esterilidade assombram autor». Folha de S.Paulo. Consultado em 17 de janeiro de 2018. 
  9. Mata, Anderson Luís Nunes da (2006). «Marcelo Mirisola – Joana a contragosto». Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. 28 
  10. Fuks, Julián (10 de dezembro de 2005). «Mirisola reverbera obsessões e rancores». Folha de S.Paulo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. 
  11. Schwartz, Adriano (10 de dezembro de 2005). «Nova obra do autor é 'ritual de passagem'». Folha de S.Paulo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. 
  12. Nazarian, Santiago (23 de abril de 2005). «Mirisola volta a encarar seus demônios». Folha de S.Paulo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. 
  13. Marco Antonio Barbosa (6 de Setembro de 2009). «Inteligência corrosiva e humor unem dupla paulista». Jornal do Brasil. Consultado em 4 de Julho de 2012. 
  14. «Mona Dorf - Mona Dorf: cultura, diversão e arte – iG » Marcelo Mirisola, um escritor que incomoda». Consultado em 1 de novembro de 2015. 
  15. «"Charque" traz Marcelo Mirisola em seu melhor estilo, confundindo os limites da ficção e da biografia, da verdade e da mentira Lu Fernandes». www.lufernandes.com.br. Consultado em 1 de novembro de 2015. 
  16. Márcia Denser. «A literatura como sentença de morte». Congresso em Foco. Consultado em 1 de novembro de 2015. 
  17. Josélia Aguiar. «Folha de S.Paulo - Fama de encrenqueiro atrapalha lançamento de livro de Mirisola - 05/11/2011». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 1 de novembro de 2015. 
  18. Gisele Eberspächer. «Desventuras do mundo | Jornal Rascunho». rascunho.gazetadopovo.com.br. Consultado em 1 de novembro de 2015. 
  19. Costa, Mônica Rodrigues da (30 de março de 2013). «Livro de Marcelo Mirisola e Furio Lonza retrata peripécias com picardia e realismo.». Folha de S.Paulo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. 
  20. Fajardo, Elias (13 de janeiro de 2014). «Resenha de 'O Cristo empalado', de Marcelo Mirisola». O Globo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. 
  21. «'Paisagem em Campos do Jordão', de Mirisola, debate limite da afeição». Folha de S.Paulo. 31 de janeiro de 2018. Consultado em 22 de fevereiro de 2018. 
  22. Machado, Bruno (7 de fevereiro de 2018). «'Paisagem em Campos do Jordão' troca o vulgar por humor subversivo». Folha de S.Paulo. Consultado em 28 de fevereiro de 2018. 
  23. Luciano Trigo. «Marcelo Mirisola: 'A literatura brasileira virou um sofá da Hebe Camargo' | G1 - Pop & Arte - Máquina de Escrever». TVG. Consultado em 1 de novembro de 2015. 
  24. Guilherme Sobota. «Marcelo Mirisola volta com seu narrador característico e divertido - Cultura - Estadão». Estadão. Consultado em 1 de novembro de 2015. 
  25. «Hosana na Sarjeta é a 16º obra de Marcelo Mirisola». Diário do Grande ABC. 29 de outubro de 2014. Consultado em 24 de dezembro de 2017. 
  26. Moser, Sandro (3 de outubro de 2014). «Amor e tragédia na nova obra de Marcelo Mirisola». Gazeta do Povo. Consultado em 1 de janeiro de 2018. 
  27. Marcelo Mirisola. «Paisagem sem reboco». Yahoo Notícias. Consultado em 1 de novembro de 2015. 
  28. Marcelo Mirisola. «Relatos Selvagens Cariocas. Ou Paisagem sem reboco (parte 2)». Yahoo Notícias. Consultado em 1 de novembro de 2015. 
  29. Moraes, Reinaldo (18 de dezembro de 2015). «O mirífico Mirisola». Nexo. Consultado em 24 de dezembro de 2017. 
  30. Cavalcanti, Jardel Dias (1 de dezembro de 2015). «A escrita boxeur de Marcelo Mirisola». Digestivo Cultural. Consultado em 1 de janeiro de 2018. 
  31. Luciano Trigo (22 de maio de 2016). «Marcelo Mirisola retrata a "geração cover" no romance "A vida não tem cura"». Globo.com. Consultado em 21 de dezembro de 2017. 
  32. Jardel Dias Cavalcanti (26 de novembro de 2017). «Marcelo Mirisola e a literatura do mal». Folha de São Paulo. Consultado em 26 de novembro de 2017. 
  33. Marcelo Mirisola (15 de outubro de 2017). «Leia trecho de Como se me fumasse». Folha de São Paulo. Consultado em 21 de dezembro de 2017. 
  34. Casarin, Rodrigo (19 de dezembro de 2017). «Para falar de amor Marina Ruy Barbosa deveria ler Marcelo Mirisola». Blog Página Cinco. Consultado em 24 de dezembro de 2017. 
  35. Maciel, Maria Esther (6 de janeiro de 2018). «Em novo livro, Marcelo Mirisola vai buscar a salvação no inferno». Folha de S.Paulo. Consultado em 6 de janeiro de 2018. 
  36. Meireles, Maurício (6 de janeiro de 2018). «Marcelo Mirisola desfia obsessões em novo livro, 'Como se Me Fumasse'». Folha de S.Paulo. Consultado em 7 de janeiro de 2018. 
  37. Sobota, Guilherme (23 de janeiro de 2018). «Marcelo Mirisola volta a explorar suas obsessões em 'Como Se Me Fumasse'». Estadão. Consultado em 24 de janeiro de 2018.