Medalha comemorativa das campanhas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Medalha Comemorativa
de Campanhas
Campanhas1971.jpg
Descrição
País Portugal Portugal
Outorgante Estado-Maior-General das Forças Armadas
Criação 30 de Novembro de 1916
Tipo Medalha Militar
Elegibilidade Militares que serviram em campanha.
Estado Activa
Organização
Graus Medalha (MC)
Hierarquia
Inferior a Medalha de Mérito Aeronáutico
Superior a Medalha Comemorativa de Comissões de Serviço Especiais
Fita Medalha Comemorativa das Campanhas fita.png

A Medalha Comemorativa de Campanhas, criada em 30 de Novembro de 1916 pelo Decreto n.º 2870, em conjunto com a Cruz de Guerra, comemora as campanhas das Forças Armadas Portuguesas fora de Portugal metropolitano, principalmente face ao contexto da entrada portuguesa na I Guerra Mundial. A medalha é atribuída “aos militares que tenham servido em situação de campanha” (Art. 46.º do Regulamento de 2002).

Passadeiras[editar | editar código-fonte]

Esta medalha funciona como medalha geral, sendo cada campanha específica indicada pela colocação de uma passadeira na fita, da mais recente acima à mais antiga abaixo. As seguintes passadeiras foram aprovadas:

  • Sul de Angola, 1914 A 1915 (Decreto n.º 2941, 18/1/1917)
  • Moçambique, 1897-1898 (Decreto n.º 2965, 1/2/1917)
  • Timor, 1912-1913 (Decreto n.º ..., 23/9/1918)
  • Moçambique, 1914 A 1918 (Decreto n.º 5060, 30/11/1918)
  • No Mar, 1916-1917-1918 (Decreto n.º 5086, 3/1/1919)
  • França, 1917-1918 (Decreto n.º 5400, 12/4/1919)
  • Lunda, 1911 (Decreto n.º ..., 14/5/1919)
  • Congo, 1914-1915 (Decreto n.º ..., 14/5/1919)
  • Defesa Marítima, 1914-1918 (Decreto n.º 5799, 28/5/1919)
  • No Mar, 1916-1917-1918 (Decreto n.º 5983, 31/7/1919) + Defesa Marítima, 1914-1918
  • Ocupação do Distrito de Moçambique, 1906-1913 (Decreto n.º 6546, 8/4/1920)
  • Cuanza-Sul, 1917-1918 (Decreto n.º ..., 30/4/1920)
  • Além-Cunene, 1904 (Decreto n.º 6731, 8/7/1920)
  • Cuanhama, 1915 (Decreto n.º 7433, 25/6/1920)
  • Satary, 1912 (Decreto n.º 7434, 18/7/1920)
  • C.E.L., Defesa Marítima, 1916-1918 (Decreto n.º 1123, 4/3/1921) + Funchal, Defesa Marítima, 1916-1918 + Ponta Delgada, Defesa Marítina, 1916-1918
  • Bissau 1915 (Decreto n.º ..., 10/9/1920)
  • Cabo Verde 1917-1918 (Decreto n.º 8613, 3/2/1923)
  • Dembos 1918-1919 (Decreto n.º 8791, 1/5/1923)
  • Lunda 1922-1923 (Decreto n.º ..., 12/7/1924)
  • Lunda 1920 (Decreto n.º 10442, 31/12/1924)
  • Congo 1918 (Decreto n.º 15026, 13/1/1928)
  • Norte de Angola (anos civis desde 15/3/1961) (Decreto n.º 19683, 4/2/1963)
  • Guiné (anos civis desde 1/3/1963) (Decreto n.º 20564, 7/5/1964)
  • Moçambique (anos civis desde 1/8/1965) (Decreto n.º 21941, 6/4/1966) (ver foto em cima)
  • Angola (anos civis desde 23/12/1966) (Decreto n.º 22838, 21/8/1967) (extingue a legenda Norte de Angola)
  • Afeganistão 2008[1]
  • Kosovo 2012-2013
  • Somália / África 2009-2013 (Combate à Pirataria)

Conforme indica o artigo 6.º do Regulamento específico a esta medalha, publicado a 18 de Janeiro de 1917, a medalhas das Campanhas vinha também em ligação directa à Medalha Rainha Dona Amélia, que desde 1902, servia como medalhas geral de campanhas. Todas as passadeiras que foram aprovadas para esta última poderiam ser usadas na nova medalha.

Desenho[editar | editar código-fonte]

O desenho, desde 2002, é o seguinte:

  • Anverso: emblema nacional rodeado de um listel circular com a legenda «CAMPANHAS E COMISSÕES ESPECIAIS DAS FORÇAS ARMADAS PORTUGUESAS», em letras de tipo elzevir, maiúsculas, a legenda cercada de duas vergônteas de louro, frutadas e atadas nos topos proximais com um laço largo; encimando este conjunto, uma coroa mural de cinco torres.
  • Reverso: disco tendo, na parte superior, uma Bandeira Nacional; sobrepostas a ela, e medindo quase todo o diâmetro, as figuras de um soldado do Exército, à dextra, um soldado da Força Aérea, ao centro, e um marinheiro da Armada, à sinistra, de pé e firmados num pedestal; o disco rodeado da legenda «ESTE REINO É OBRA DE SOLDADOS», em letras de tipo elzevir, maiúsculas, num listel circular, rematado inferiormente por um laço largo; encimando este conjunto, uma coroa mural idêntica à do anverso.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Exército Português. «Condecorações»