Metacognição

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A metacognição é um campo de estudos relacionado à consciência e ao automonitoramento do ato cognitivo. Consiste na aprendizagem sobre o processo da aprendizagem ou a apropriação e comando dos recursos internos se relacionando com os objetos externos. A metacognição consiste na capacidade do indivíduo de monitorar e autorregular os próprios processos cognitivos.[1]

O termo vem da palavra raiz meta, que significa "além".[2] A metacognição pode assumir muitas formas; inclui conhecimentos sobre quando e como usar estratégias específicas para aprender ou para resolver problemas.[2] Em geral, a metacognição abarca dois elementos. A saber: (1) o conhecimento sobre cognição e (2) a regulação da cognição.[3]

A metamemória definida como conhecimento sobre a memória e estratégias mnemônicas, é uma forma especialmente importante de metacognição.[4] Pesquisas acadêmicas sobre o processamento metacognitivo entre culturas estão nos estágios iniciais, mas há indícios de que trabalhos adicionais podem fornecer melhores resultados na aprendizagem transcultural entre professores e alunos.[5]

Alguns psicólogos evolutivos levantam a hipótese de que os humanos usam a metacognição como uma ferramenta de sobrevivência, o que tornaria a metacognição igual em todas as culturas.[5] Escritos sobre a metacognição foram objetos de, pelo menos duas obras do filósofo grego Aristóteles: De Anima e Parva Naturalia.[6]

Ícone de esboço Este artigo sobre Sociobiologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. «Estratégias metacognitivas como intervenção psicopedagógica para o desenvolvimento do automonitoramento». Revista Psicopedagogia. 30. ISSN 0103-8486 
  2. a b Metcalfe, J., & Shimamura, A. P. (1994). Metacognition: knowing about knowing. Cambridge, MA: MIT Press.
  3. Schraw, Gregory (1998). «Promoting general metacognitive awareness». Instructional Science (em inglês). 26: 113–125. doi:10.1023/A:1003044231033 
  4. Dunlosky, J. & Bjork, R. A. (Eds.). Handbook of Metamemory and Memory. Psychology Press: New York.
  5. a b Wright, Frederick. APERA Conference 2008. 14 April 2009. http://www.apera08.nie.edu.sg/proceedings/4.24.pdf[ligação inativa]
  6. Colman, Andrew M. (2015) [2001]. «metacognition». A Dictionary of Psychology. Col: Oxford Paperback Reference 4 ed. Oxford: Oxford University Press. p. 456. ISBN 9780199657681. Consultado em 2 de junho de 2018.. Writings on metacognition can be traced back at least as far as De Anima and the Parva Naturalia of the Greek philosopher Aristotle (384-322 BC) [...].