Mixoma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mixoma
Mixoma atrial (centro) com um pequeno pendículo e aparência gelatinosa.
Especialidade oncologia
Classificação e recursos externos
CID-10 D21.9
CID-9 212.7
ICD-O: M8840/0
OMIM 255960
DiseasesDB 30736
eMedicine med/186
MeSH D009232
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Mixoma é um tumor benigno originado do tecido conectivo do coração. É o tumor primário mais comum do coração, afetando pacientes com idade entre 30 e 60 anos. É mais comum em mulheres. Cerca de 70 por cento se originam no interior do átrio esquerdo, cerca de 30 por cento no átrio direito e menos de 1 por cento nos ventrículos.[1]

Causas[editar | editar código-fonte]

A causa geralmente é desconhecida. Tumores originados no coração são raros (primários), mas dentre eles os mixomas são os mais comuns. Cerca de 10 por cento são genéticos.[2]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sintomas de um mixoma são os mesmos de uma estenose aórtica, e podem incluir[2]:

  • Dificuldade respiratória enquanto deitado;
  • Dor torácica opressiva;
  • Tontura;
  • Desmaio;
  • Sensação de sentir o batimento cardíaco (palpitações);
  • Falta de ar depois de atividade física;

Quanto maior o tumor piores os sintomas. Sem tratamento podem produzir embolos (pedaços do tumor fluindo no sangue). Outras possíveis complicações incluem arritmia, obstrução da válvula mitral e edema pulmonar. Como é benigno, raramente se torna maligno e faz metástase.[2]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Pode ser detectado por exames de imagem como[2]:

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Uma cirurgia é necessária para remover o tumor. Os mixomas devem ser removidos com margem de 5mm ou podem regredir se não forem completamente removidos. O septo é reparado usando tecido do pericárdio. Ecografias devem ser feitas anualmente por cinco anos após a cirurgia para verificar se o mixoma não voltou a crescer. A taxa de sobrevivência para esta operação é excelente.[3]

Referências

  1. Gale Encyclopedia of Medicine. Copyright 2008 The Gale Group, Inc. [1]
  2. a b c d Michael A. Chen, MD, PhD; David Zieve, MD, MHA; Isla Ogilvie, PhD; A.D.A.M. Editorial team. Atrial myxoma. U.S. National Library of Medicine. https://medlineplus.gov/ency/article/007273.htm
  3. PHC Editorial Team (2012). Myxoma. http://www.primehealthchannel.com/myxoma.html