Moisés de Morais Velinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde setembro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Moisés Velinho
Nome completo Moisés de Morais Velinho
Nascimento 6 de janeiro de 1902
Santa Maria, Brasil
Morte 27 de agosto de 1980 (78 anos)
Porto Alegre, Brasil
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Cônjuge Lygia Vellinho
Ocupação Escritor, jornalista e político

Moysés de Moraes Vellinho (Santa Maria, 6 de janeiro de 1902Porto Alegre, 27 de agosto de 1980) foi um escritor, jornalista e político brasileiro.

Filho de João Rodrigues Vellinho e Adalgiza de Moraes Vellinho, estudou o primário na aula pública da Professora Cacilda Fontoura, em sua cidade natal, no Colégio Paroquial São Luís, Santa Maria; Colégio Anchieta e Colégio Júlio de Castilhos, ambos de Porto Alegre.

Na mocidade, assinava sempre sob o pseudônimo de Paulo Arinos. Foi um dos criadores da Fundação Eduardo Guimaraens, Porto Alegre. Membro do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul. Integrou o Conselho Federal de Cultura, Rio de Janeiro, de 1967-70. Membro da Academia Portuguesa de Cultura Internacional.

Foi redator de A Federação e escreveu para o jornal Correio do Povo, ambos de Porto Alegre. Foi oficial de Gabinete do Ministério da Justiça, Rio de Janeiro, 1931; e do Ministério do Trabalho, depois deputado à Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, 1935-37. Membro do Departamento Administrativo do Estado, Porto Alegre, 1938-45. Diretor da revista Província de São Pedro, Porto Alegre, 1945-57. Ministro do Tribunal de Contas do Estado.

Historiador, escritor, ensaista e crítico literário. Vinculado à vertente lusitana da historiografia riograndense (junto com Aurélio Porto, Souza Docca, Othelo Rosa), dedicou-se a defender a origem e a evolução cultural luso-brasileira do Rio Grande do Sul.

Estudou o gaúcho brasileiro e sua importância no estabelecimento das fronteiras nacionais. Distingue o gaúcho brasileiro do gaucho platino , atribuindo menor influência indígena e africana ao primeiro (distinção polêmica que gera a acusação de fazer apologia de supremacia étnica).

Para ele, cada região do Brasil apresenta necessariamente suas características ou acento próprios, sem que daí decorram quaisquer riscos para a realização de um destino comum e solidário. Concorda com o sociólogo Paulo Prado em que a salvaguarda de nossa unidade territorial está na legítima expansão dos regionalismos.

Em seu ano de falecimento, 1980, foi homenageado como patrono da Feira do Livro de Porto Alegre.

O Arquivo Histórico de Porto Alegre foi batizado Moysés Vellinho em sua homenagem.

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

A aclamada banda de punk rock de Porto Alegre Moisés Velhinho possui esse nome em homenagem a ele. O batismo ocorreu após uma visitação ao Arquivo Histórico de Porto Alegre, durante uma disciplina do curso de Arquivologia da UFRGS, cursado por 3 integrantes da banda. As letras do conjunto se focam nas agruras e delícias de cursar Arquivologia e experiências da vida acadêmica, bem como temas dos universos underground, mainstream e o que mais aparecer.[1]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • O Rio Grande e o Prata
  • Capitania dÉl-Rei : aspectos polêmicos da formação Rio-Grandense. 2 ed.Porto Alegre: Editora Globo, 1970. Edições posteriores: Porto alegre: Instituto estadual do Livro, CORAG,2005
  • Fronteiras
  • Aparas do Tempo. Porto Alegre: Companhia União de Seguros Gerais,1981.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Cópia arquivada». Consultado em 28 de abril de 2014. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015