Nicolau Tolentino de Almeida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Nicolau Tolentino de Almeida
Nascimento 10 de setembro de 1740
Lisboa
Morte 23 de junho de 1811 (70 anos)
Cidadania Portugal
Alma mater Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra
Ocupação poeta, professor, poeta jurista, escritor
Empregador Universidade de Coimbra
Movimento estético Arcádia Lusitana

Nicolau Tolentino de Almeida (Lisboa, 10 de setembro de 1740Lisboa, 23 de junho de 1811) foi um poeta português. Pertenceu ao movimento da Nova Arcádia (1790-1794).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do Dr. José de Almeida Soares e de D. Ana Teresa Fróes de Brito. Aos vinte anos ingressou em Leis na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, mas ao invés dos estudos optou por uma vida boémia e de poeta. No ano de 1765 tornou-se professor de retórica, numa das cátedras criadas pelo Marquês de Pombal, após a expulsão dos jesuítas.[1]

Seus versos continham sempre pedidos, pleiteando um cargo na secretaria de estado, até que este foi satisfeito, com a nomeação como oficial de secretaria.[1]

Foi professor durante quinze anos, mas esta vida desagradava-o. Inadaptado e descontente até conseguir o posto na Secretaria dos Negócios do Reino. Obteve tudo quanto pretendeu, o que não o fez deixar de deplorar uma suposta miséria.

Bom metrificador, compôs sátiras descritivas e caricaturais, sonetos e odes, que reuniu em 1801 num volume chamado Obras Poéticas. Ficou na superfície, mas apreendeu bem os erros e ridículos da época. O seu cómico consistia no agravamento das proporções, hipertrofiando o exagero, que encontrava.

Usavam-se, então, penteados muito altos, daí o haver Tolentino informado que lá se podiam esconder os mais variados objectos: uma arca, um colchão e até mesmo um homem. Ridiculariza as que se enfeitavam com vistosas cabeleiras, sem melhorar o juízo; as velhas que recorriam à formosura postiça; os vadios e ociosos; os maridos que apanhavam da mulher. Disse mal dos seus professores e até das suas aulas.

Acabou por falecer sozinho com 70 anos de idade, na Rua dos Cardais de Jesus, freguesia das Mercês (Lisboa), sendo sepultado num jazigo subterrâneo da igreja paroquial das Mercês.

Obras principais[editar | editar código-fonte]

Escreveu as seguintes obras poéticas:[1]

  • Miscelânea Curiosa e Proveitosa
  • Bilhar
  • Passeio
  • Função
  • Guerra
  • Amantes
  • Obras poéticas de Nicoláo Tolentino de Almeida, Tom. I
  • Obras poéticas de Nicoláo Tolentino de Almeida, Tom. II (eBook)
  • Obras posthumas (eBook)

Referências

  1. a b c José Marques da Cruz (1939). História da Literatura. [S.l.]: Brasiliense. p. 215 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]