Nilto Maciel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde fevereiro de 2010)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Nilto Maciel
Nascimento 30 de janeiro de 1945
Baturité
Morte 29 de abril de 2014 (69 anos)
Fortaleza
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Ocupação Escritor e pesquisador
Principais trabalhos Contistas do Ceará — D’A quinzena ao caos portátil

Nilto Maciel (Baturité, 30 de janeiro de 1945 - Fortaleza, 29 de abril de 2014) foi um escritor e pesquisador brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Formou-se pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará.

Morou em Brasília de 1977 a 2002, tendo trabalhado na Câmara dos Deputados, Supremo Tribunal Federal e Tribunal de Justiça do DF.

Em Fortaleza, foi um dos fundadores da revista O Saco (1976).

Editou, de 1992 a 2008, a revista Literatura.

Tem contos e poemas publicados em esperanto, espanhol, italiano e francês. O Cabra que Virou Bode foi transposto para a tela (vídeo), pelo cineasta Clébio Ribeiro, em 1993.

Organizou, com Glauco Mattoso, Queda de Braço — Uma Antologia do Conto Marginal (Rio de Janeiro/Fortaleza, 1977). Participa de diversas coletâneas, entre elas Quartas Histórias – Contos Baseados em Narrativas de Guimarães Rosa, org. por Rinaldo de Fernandes (Ed. Garamond, Rio de Janeiro, 2006); 15 Cuentos Brasileros/15 Contos Brasileiros, edición bilingüe español-portugués, org. por Nelson de Oliveira e tradução de Federico Lavezzo (Córdoba, Argentina, Editorial Comunicarte, 2007); e Capitu Mandou Flores, org. por Rinaldo de Fernandes (Geração Editorial, São Paulo, 2008).

Obra publicada[editar | editar código-fonte]

  • Itinerário, contos, 1.ª ed. 1974, ed. do Autor, Fortaleza, CE; 2.ª ed. 1990, Scortecci Editora, São Paulo, SP.
  • Tempos de Mula Preta, contos, 1.ª ed. 1981, Secretaria da Cultura do Ceará; 2.ª ed. 2000, Papel Virtual Editora, Rio de Janeiro, RJ.
  • A Guerra da Donzela, novela, l.ª ed. 1982, 2.ª ed. 1984, 3.ª ed. 1985, Editora Mercado Aberto, Porto Alegre, RS.
  • Punhalzinho Cravado de Ódio, contos, 1986, Secretaria da Cultura do Ceará.
  • Estaca Zero, romance, 1987, Edicon, São Paulo, SP.
  • Os Guerreiros de Monte-Mor, romance, 1988, Editora Contexto, São Paulo, SP.
  • O Cabra que Virou Bode, romance, 1.ª ed. 1991, 2.ª ed. 1992, 3.ª ed. 1995, 4.ª ed. 1996, Editora Atual, São Paulo, SP.
  • As Insolentes Patas do Cão, contos, 1991, Scortecci Editora, São Paulo, SP.
  • Os Varões de Palma, romance, 1994, Editora Códice, Brasília.
  • Navegador, poemas, 1996, Editora Códice, Brasília.
  • Babel, contos, 1997, Editora Códice, Brasília.
  • A Rosa Gótica, romance, 1.ª ed. 1997, Fundação Catarinense de Cultura, Florianópolis, SC (Prêmio Cruz e Sousa, 1996), 2.ª ed. 2002, Thesaurus Editora, Brasília, DF.
  • Vasto Abismo, novelas, 1998, Ed. Códice, Brasília.
  • Pescoço de Girafa na Poeira, contos, 1999, Secretaria de Cultura do Distrito Federal/Bárbara Bela Editora Gráfica, Brasília.
  • A Última Noite de Helena, romance, 2003. Editora Komedi, Campinas, SP.
  • Os Luzeiros do Mundo, romance, 2005. Editora Códice, Fortaleza, CE.
  • Panorama do Conto Cearense, ensaio, 2005. Editora Códice, Fortaleza, CE.
  • A Leste da Morte, contos, 2006. Editora Bestiário, Porto Alegre, RS.
  • Carnavalha, romance, 2007. Bestiário, Porto Alegre, RS.
  • Contistas do Ceará: D'A Quinzena ao Caos Portátil, ensaio, 2008. Imprece, Fortaleza, CE.
  • Contos reunidos (volume I), 2009. Editora Bestiário, Porto Alegre, RS.
  • Menos vivi do que fiei palavras, 2012. Editora Penalux, Guaratinguetá, SP.
  • Sôbolas Manhãs, 2014. Editora Bestiário, Porto Alegre, RS.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio da Secretaria de Cultura e Desporto do Ceará, 1981, com o livro de contos Tempos de Mula Preta;
  • Prêmio da Secretaria de Cultura e Desporto do Ceará, 1986, com o livro de contos Punhalzinho Cravado de Ódio;
  • Prêmio “Brasília de Literatura”, 90, categoria romance nacional, promovido pelo Governo do Distrito Federal, com A Última Noite de Helena;
  • Prêmio “Graciliano Ramos”, 92/93, categoria romance nacional, promovido pelo Governo do Estado de Alagoas, com Os Luzeiros do Mundo;
  • Prêmio “Cruz e Sousa”, 96, categoria romance nacional, promovido pelo Governo do Estado de Santa Catarina, com A Rosa Gótica;
  • Prêmio VI Prêmio Literário Cidade de Fortaleza, 1996,
  • Prêmio Fundação Cultural de Fortaleza, CE, com o conto Apontamentos Para Um Ensaio;
  • Prêmio “Bolsa Brasília de Produção Literária”, 98, categoria conto, com o livro Pescoço de Girafa na Poeira;
  • Prêmio "Eça de Queiroz", 99, categoria novela, União Brasileira de Escritores, Rio de Janeiro, com o livro Vasto Abismo.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Antonio Miranda
  • Entrelinhas Tortas, por Nilto Maciel
  • Editora Thesaurus
  • Macedo, Dimas. Uma novela de Nilto Maciel, in Leitura e Conjuntura, Secretaria de Cultura e Desporto do Ceará, Fortaleza, 1984, 1.ª ed., e UFC/Casa de José de Alencar, Fortaleza, 1995, 2.ª ed. ver. amp.
  • Estaca Zero, in Ossos do Ofício, Editora Oficina, Fortaleza, 1992.
  • Contos Picarescos e Alegóricos, in Punhalzinho Cravado de Ódio, Secretaria de Cultura e Desporto, Fortaleza, CE, 1986.
  • Visão e Revisão das Letras Cearenses, in A Metáfora do Sol, Ed. Oficina, Fortaleza, CE, 1989.
  • Punhalzinho Cravado de Ódio, in Crítica Imperfeita, Imprensa Universitária da UFC, Fortaleza, CE, 2001.