O Segredo de Miguel Zuzarte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O Segredo Miguel Zuzarte
Portugal Portugal
2010 •  cor •  100 min 
Realização Henrique Oliveira
Argumento Rodrigo Freitas
Pedro Lopes
Henrique Oliveira
João Tordo
Mário Ventura
Elenco Ivo Canelas
Catarina Avelar
Luís Alberto
António Cordeiro
Ana Nave
Género drama / histórico
Lançamento 9 de outubro de 2010
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

O Segredo de Miguel Zuzarte é um telefilme português que retrata a época da Proclamação da República em Portugal. É baseado no romance homónimo de Mário Ventura. Foi realizado por Henrique Oliveira e, os seus actores principais são: Ivo Canelas, Catarina Avelar, Ana Nave, Luís Alberto e, António Cordeiro.

Embora se trate de um filme, a RTP exibiu-o em duas partes, respetivamente nos dias 9 e 10 de outubro de 2010.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Em outubro de 1910, nas vésperas da Proclamação da República em Portugal, uma grande instabilidade se vive em todo o país, principalmente em Lisboa. Na aldeia alentejana de São Lourenço, essa instabilidade parece não ter chegado, pois a vida corre devagar e, nada de novo acontece.

As únicas ligações de São Lourenço com o resto do país e, do mundo são: um comboio que faz chegar e levar os produtos e as pessoas e, um telégrafo que faz chegar as notícias. Quando o telegrafista de São Lourenço morre, é delegado para a função Miguel Zuzarte (Ivo Canelas), natural de Lisboa, monárquico e que, chega à aldeia a 4 de Outubro, a véspera da proclamação da República.

Miguel é recebido com bondade mas também com alguma desconfiança pela população, por ser de Lisboa, mas rapidamente se entendem todos, pois Miguel Zuzarte é familiar do anterior telegrafista entretanto falecido. Miguel é um monárquico fervoroso que defende que a República só virá destruir Portugal.

No dia 5 de Outubro, primeiro dia oficial de trabalho de Miguel, a primeira notícia que recebe no telégrafo é a da proclamação da República e, consequentemente do exílio do rei D. Manuel II e, da raínha D. Amélia. Então, tal é a fúria com que Miguel fica ao saber da notícia que, sem se controlar, corta os fios do telégrafo e, se abate psicológicamente. Mais, decide ocultar a notícia à população, para o desgosto não ser ainda maior.

Porém, no dia 5, o comboio não chegou como era hábito diário. Embora com alguma estranheza, a população não dá grande importância. Mas, nos dias seguintes o comboio continua a não passar e, a aldeia fica em risco do completo isolamento. Então todos começam a desconfiar que Miguel Zuzarte lhes está a esconder algo, embora este negue constantemente.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Equipa técnica[editar | editar código-fonte]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme português é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.