O astronauta caído

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Astronauta Caído
Fallen Astronaut.jpg
Autor Paul Van Hoeydonck
Data 1971
Técnica alumínio
Altura 8,5 cm 
Localização Lua

O astronauta caído (em inglês: Fallen Astronaut) é uma escultura de alumínio de 8,5 cm de altura de um astronauta com seu traje espacial, que homenageia astronautas e cosmonautas que morreram no avanço da exploração espacial. A obra é do artista belga Paul Van Hoeydonck e está na região lunar de Hadley Rille, na Lua, e foi colocada lá pela tripulação da Apollo 15 em 1º de agosto de 1971,[1] juntamente com uma placa contendo os nomes de 8 astronautas e 6 cosmonautas que morreram em missões ou durante treinamentos.

História[editar | editar código-fonte]

Paul Van Hoeydonck conheceu o astronauta David Scott em um jantar, e o astronauta pediu ao artista para criar uma estatueta para homenagear os astronautas e cosmonautas que morreram na exploração espacial. Foram dadas algumas restrições de design: a escultura teria que ser ao mesmo tempo leve e firme, capaz de suportar as temperaturas extremas da Lua, não poderia ser identificável nem como uma figura feminina nem masculina, nem como algum grupo étnico. De acordo com o desejo de Scott de evitar a comercialização do espaço, o nome do artista não seria publicado na escultura.

O astronauta caído é a única obra de arte realizada com o propósito de permanecer na Lua.

Nomes na Placa[editar | editar código-fonte]

David Scott, o comandante da missão Apollo 15, observou que faltavam dois nomes na placa: Valentin Bondarenko e Grigori Nelyubov. Ele explicou que, devido ao sigilo envolvendo o programa espacial soviético na época, não estavam cientes dessas mortes.

Resultado[editar | editar código-fonte]

Depois que a tripulação mencionou a estatueta em uma conferência pós-voo, o Museu do Ar e do Espaço pediu que fosse feita uma réplica para exibição pública. A tripulação concordou, sob a condição de que fosse exibida com bom gosto e sem publicidade. A réplica foi doada ao Instituto Smithsoniano em 17 de abril de 1972, um dia após o âncora da CBS Walter Cronkite ter revelado durante a transmissão do lançamento da Apollo 16 a existência de "O Astronauta Caído" e a placa como a primeira instalação de arte na Lua.

Em maio de 1972, Scott descobriu que Van Hoeydonck planejava fazer mais réplicas e vendê-las. Acreditando que seria uma violação do acordo feito, ele tentou convencê-lo do contrário. Foi publicado em uma página inteira em julho de 1972 na revista "Art in America"[2][3] que 950 réplicas assinadas pelo autor seriam vendidas pela Waddell Gallery of New York por US$750 cada[4] a second edition, at a lower, unspecified price; and a catalog edition, at $5.[5] Após comentários negativos da NASA sobre a venda pretendida, Van Hoeydonck desistiu da venda e nenhuma réplica foi vendida.

Em uma carta datada de setembro de 2007, Van Hoeydonck disse que foram feitas 50 réplicas e a maioria delas ainda estava com ele, não assinadas. Ele disse que, exceto por uma réplica, nunca recebeu dinheiro por uma das réplicas, apesar das muitas ofertas recebidas.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «images.jsc.nasa.gov». images.jsc.nasa.gov. 1 de agosto de 1971. Consultado em 29 de abril de 2013 
  2. Associated Press (21 de julho de 1972), «Commercialism Taints Another Apollo Memento», Modesto Bee: page 7 
  3. Check-Six.com - 'Fallen Astronaut' - includes copy of July 1972 "Art in America" ad
  4. «NASA News Release 72-189». Collectspace.com. Consultado em 29 de abril de 2013 
  5. Wieck, Paul (25 de julho de 1972), «Anderson Will Probe Unauthorized Sales», Albuquerque Journal: page 16 
  6. Letter by Paul Van Hoeydonck explaining the number of copies made

Ligações externas[editar | editar código-fonte]