Operação Barkhane

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Soldados franceses do 126º Regimento de Infantaria e soldados do Mali, em 2016.

Operação Barkhane foi uma operação anti-insurgente na região do Sahel, na África, iniciada em 1 de agosto de 2014 e que durou até 9 de novembro de 2022.[1] Consistiu em uma força francesa de 3 000 militares, sediada em Jamena, a capital do Chade.[2] A operação foi projetada com cinco países, e ex-colônias francesas, abrangendo todo o Sahel: Burquina Fasso, Chade, Mali, Mauritânia e Níger. [2] Estes países são referidos coletivamente como o "G5 do Sahel".[3] A operação recebeu o nome de uma duna em forma de meia-lua no deserto do Saara.[4]

A operação foi sucessora da Operação Serval, a missão militar francesa no Mali,[4] e a Operação Epervier, a missão no Chade.[5]

Operações[editar | editar código-fonte]

Retirada das tropas francesas (2021–22)[editar | editar código-fonte]

Em 2 de janeiro de 2021, dois soldados franceses do 2.º Regimento Hussar foram mortos enquanto participavam de uma missão de coleta de inteligência no nordeste do Mali.[6] Seis soldados franceses ficaram feridos em 10 de janeiro quando um homem-bomba atacou seu comboio durante uma patrulha na região central perto de Gourma.[7] As forças francesas e malianas conduziram uma operação ofensiva conjunta chamada Operação Eclipse de 2 a 20 de janeiro nas florestas ao redor da cidade de Boni. Mais de 100 jihadistas foram mortos e 20 capturados pelas forças francesas durante a operação.[8] As forças francesas realizaram um ataque aéreo controverso durante a Operação Eclipse, que os moradores alegaram ter como alvo uma cerimônia de casamento na vila de Bounti, na região central de Mopti, em 3 de janeiro.[9] Os militares franceses negaram essas alegações e afirmaram que o ataque atingiu com sucesso um grupo de combatentes jihadistas.[10]

A França anunciou que suspendeu as operações militares conjuntas com o Mali em 3 de junho, em resposta ao golpe de Estado realizado pelos militares malianos, resultando na deposição do presidente interino Bah Ndaw e do primeiro-ministro, Moctar Ouane.[11] O presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou em 10 de junho que a operação chegaria ao fim em breve e seria substituída por uma missão envolvendo forças de mais países. Ele também acrescentou que as forças francesas iriam se retirar de forma faseada, mas algumas permaneceriam como parte de outra missão internacional, para a qual a França convenceria outros países a se juntarem. Quanto ao motivo da retirada, afirmou que a França não pode continuar a trabalhar com os governos nacionais da região do Sahel, pois estavam negociando com terroristas.[12]

Em 2 de julho, a França anunciou que retomaria suas operações militares conjuntas suspensas com o Mali, após discussões com o governo interino do país.[13] Em 9 de julho, Macron afirmou retirar de 2,5 e 3 mil soldados do Sahel, mantendo outras tropas para impedir as operações militantes e apoiar as forças regionais.[14] Em 13 de julho, anunciou que a operação Barkhane terminaria no primeiro trimestre de 2022.[15] Em 15 de setembro as forças de Barkhane haviam matado Adnan Abu Walid al-Sahrawi, líder do Estado Islâmico no Grande Saara (ISGS).[16] O assassinato foi realizado em 17 de agosto usando um drone na Floresta Dangalous do Mali, perto da fronteira com o Níger, de acordo com o chefe do Estado-Maior da Defesa, Thierry Burkhard, depois de coletar informações sobre locais onde al-Sahrawi provavelmente se esconderia. Burkhard acrescentou que al-Sahrawi estava viajando em uma motocicleta com outra pessoa quando foi morto. Uma unidade composta por 20 soldados das Forças Especiais do Exército Francês foi então enviado para confirmar as identidades dos mortos e descobriu que o ataque havia matado dez membros do IS-GS.[17] Em 24 de setembro, um soldado francês foi morto em um confronto armado com insurgentes no Mali, perto da fronteira com Burkina Faso.[18]

Por ano, a operação Barkhane custou cerca de 1 bilhão de euros por ano.[19] Em 11 de fevereiro de 2022, o exército francês anunciou que matou 40 militantes em ataques aéreos em uma coluna de motocicletas na área do Parque Nacional W em cooperação com as forças burquinas no dia anterior. Os militantes realizaram dois ataques armados no Benin nos dias 8 e 9 de fevereiro, matando nove pessoas.[20] A França, juntamente com seus aliados europeus, anunciou o início da retirada das tropas do Mali em 17 de fevereiro, culpando a junta militar do Mali por obstruções na realização de suas operações militares. A França afirmou que a retirada foi feita para seus soldados da Operação Barkhane e da Força-Tarefa Takuba.[21] Macron afirmou que a base da operação mudaria do Mali para o Níger.[22] A França começou a redistribuir suas forças para outros países do Sahel como o Chade.[23]

Em 7 de março, os militares franceses declararam que suas forças haviam matado o comandante da al-Qaeda Yahia Djouadi, conhecido como "Abu Ammar al-Jazairi", durante a noite entre 25 e 26 de fevereiro. Djouadi foi ex-emir do grupo na Líbia antes de fugir para o Mali em 2019. Ele ajudou a organizar o grupo, além de gerenciar seus suprimentos, logística e finanças na região de Tombuctu.[24] Em 18 de março, o governo militar do Mali pediu à França que retirasse suas tropas "sem demora". O presidente Macron, no entanto, respondeu que cerca de 5 mil soldados franceses deixariam o Mali de forma "ordenada" nos próximos quatro a seis meses, a fim de fornecer proteção para a Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para Estabilização do Mali (MINUSMA) e forças de outras nações estacionadas no Mali.[25] Em 15 de junho, a França havia capturado Oumeya Ould Albakaye, um líder sênior do ISGS no Mali durante a noite entre 11 e 12 de junho.[26] No dia seguinte, afirmou que cerca de 40 militantes foram mortos em ataques de drones em uma coluna de motocicletas perto da fronteira do Níger com Burkina Faso em 14 de junho.[27][28]

As forças francesas completaram sua retirada do Mali em 15 de agosto.[29] Os militares franceses afirmaram que 3 mil soldados permaneceriam na região de Sahel como parte da operação Barkhane, e acrescentaram que ela não estava terminando, mas sendo reformulada.[30] No entanto, em 9 de novembro, Macron anunciou o fim da operação, afirmando que algumas tropas francesas permaneceriam na região sob novos arranjos.[31]

Referências

  1. France sets up anti-Islamist force in Africa's Sahel, bbc.co.uk.
  2. a b «François Hollande's African adventures: The French are reorganising security in an increasingly troubled region». Economist 
  3. Larivé, Maxime H.A. «Welcome to France's New War on Terror in Africa: Operation Barkhane». nationalinterest.org 
  4. a b Hollande announces new military operation in West Africa Arquivado em 8 de outubro de 2017, no Wayback Machine., france24.com.
  5. Opération Barkhane, French Ministry of Defense.
  6. «Two French soldiers killed during operation in Mali». France 24. 2 de janeiro de 2021. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  7. «Six French soldiers injured in Mali». Anadolu Agency. 10 de janeiro de 2021. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  8. «Une centaine de djihadistes tués lors d'une opération militaire franco-malienne». Le Monde. 27 de janeiro de 2021. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  9. «Wedding guests killed in Mali airstrike, local sources say». The Guardian. 3 de janeiro de 2021. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  10. «Sahel conflict: France rejects reports of airstrike on Mali wedding». BBC. 5 de janeiro de 2021. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  11. «France halts joint army operations with Malian forces over coup». Al-Jazeera. 3 de junho de 2021. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  12. «How France lost Mali: failure to quell jihadi threat opens door to Russia». Financial Times. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  13. «France resumes joint military operations in Mali». Al-Jazeera. 3 de julho de 2021. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  14. «France to pull more than 2,000 troops from Africa's Sahel». Associated Press. 9 de julho de 2021. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  15. «Macron announces France's Sahel military force will end in early 2022». France 24. 14 de julho de 2021. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  16. «French Forces Kill an ISIS Leader in Sahara, Macron Says». The New York Times. 16 de setembro de 2021. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  17. «France calls killing of Islamic State leader big victory». Associated Press. 16 de setembro de 2021. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  18. «French soldier killed in Mali in clash with armed terrorist group». France 24. 24 de setembro de 2021 
  19. John Irishand Tiemoko Diallo (17 de fevereiro de 2022). «French military to quit Mali in possible boost to jihadists». Reuters. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  20. «French forces 'neutralize' 40 militants in Burkina Faso». Deustche Welle. 12 de fevereiro de 2022. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  21. «France, European allies announce military withdrawal from Mali». Al Jazeera. 17 de fevereiro de 2022. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  22. «Macron announces French troop withdrawal from Mali». France 24. 17 de fevereiro de 2022. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  23. «Barkhane commander visits Chad military base to deploy new equipment». Africanews. 25 de fevereiro de 2022. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  24. «French army says senior al Qaeda leader killed in Mali». France 24. 7 de março de 2022. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  25. «Mali's ruling junta asks France to withdraw troops 'without delay'». France 24. 18 de março de 2022. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  26. «France announces capture of senior Islamic State figure in Mali». Reuters. 15 de junho de 2022. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  27. «Nearly 40 extremists killed in drone strikes in Niger: French military». Associated Press. 16 de junho de 2022. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  28. Dominique Vidalon (16 de junho de 2022). «French army says killed close to 40 militants in strike in Niger». Reuters. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  29. Annie Risemberg (15 de agosto de 2022). «French Forces Complete Departure from Mali». Voice of America. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  30. «Barkhane: 3,000 French troops deployed in the Sahel, after Mali». Africanews, Agence-France Presse. 18 de agosto de 2022. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  31. «France calls time on anti-jihadist Operation Barkhane in Sahel». BBC News. 9 de novembro de 2022. Consultado em 14 de novembro de 2022