Oração Sacerdotal de Jesus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Oração Sacerdotal de Jesus foi proferida após a Última Ceia, antes da agonia experimentada por Jesus no Getsêmani. Encontra-se no capítulo 17 do Evangelho segundo João, tratando-se de uma intercessão não somente pela vida dos discípulos mas também por todos que futuramente viessem a crer em Jesus. De acordo com a Bíblia, o desejo de Jesus é que independente do tempo em que as pessoas viesem a crêr em seu nome, tivessem como alvo a exelência na unidade. Na unidade a igreja de Jesus é habilitada para dar testemunho da sua fé e sua eficásia.

A cooperação humana axilia Deus à alcançar sua vontade, que segundo o texto em 2 Coríntios 2:1,é boa perfeita e agradável. “Cooperar é uma palavra sinergismo”, que é a combinação de dois resultados, com um só efeito. Uma corda de três dobras é 100 vezes mais forte. Isso é sinergismo.

Quando oramos, em unidade com a mesma intensidade e com o mesmo propósito, o sinergismo está estabelecido; e contra a força não há resistência. A concordância nas dobras de oração vai multiplicar a capacidade do cabo de força. O poder e a força vêm de um cordão. Quando juntamos o cordão aumentamos o poder e a resistência do cordão. A oração Sacerdotal de Jesus demonstra que Deus está profundamente interessado que o seu povo entenda, o valor da oração por meio da unidade; oração sem discordância. Jesus está dizendo em sua palavra: “Existe um sinergismo quando somos unanimes na oração, e no partir do pão”.

Vemos Universalidade da Unidade Quando olhamos para tri unidade de Deus, vemos o reflexo da unidade na individualidade das três pessoas, que possuem a mesma natureza e o mesmo propósito; embora sejam distintos. A tri unidade concilia a deidade dessas três pessoas, que são unidas em Deus Pai e que têm entre si um trabalho de cooperação para que o Filho e o Espírito, glorifique ao Pai.

Unidade Singular (Romanos 11:36)Porque dele, e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.

Esse atributo salienta a unidade e a unicidade de Deus, o fato de que Ele é numericamente três e que, pela natureza do caso, só pode existir apenas um, e que todos os outros tem sua existência dele, por meio dele e para Ele. 

O texto da oração[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Bíblia, este é o texto que corresponde à tradução da oração sacerdotal de Jesus:

1 Jesus falou assim e, levantando seus olhos ao céu, disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que também o teu Filho te glorifique a ti;

2 Assim como lhe deste poder sobre toda a carne, para que dê a vida eterna a todos quantos lhe deste.

3 E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.

4 Eu glorifiquei-te na terra, tendo consumado a obra que me deste a fazer.

5 E agora glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo antes que o mundo existisse.

6 Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste; eram teus, e tu mos deste, e guardaram a tua palavra.

7 Agora já têm conhecido que tudo quanto me deste provém de ti;

8 Porque lhes dei as palavras que tu me deste; e eles as receberam, e têm verdadeiramente conhecido que saí de ti, e creram que me enviaste.

9 Eu rogo por eles; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus.

10 E todas as minhas coisas são tuas, e as tuas coisas são minhas; e nisso sou glorificado.

11 E eu já não estou mais no mundo, mas eles estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, guarda em teu nome aqueles que me deste, para que sejam um, assim como nós.

12 Estando eu com eles no mundo, guardava-os em teu nome. Tenho guardado aqueles que tu me deste, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que a Escritura se cumprisse.

13 Mas agora vou para ti, e digo isto no mundo, para que tenham a minha alegria completa em si mesmos.

14 Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo.

15 Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal.

16 Não são do mundo, como eu do mundo não sou.

17 Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade.

18 Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo.

19 E por eles me santifico a mim mesmo, para que também eles sejam santificados na verdade.

20 E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela sua palavra hão de crer em mim;

21 Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.

22 E eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós somos um.

23 Eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que tu me enviaste a mim, e que os tens amado a eles como me tens amado a mim.

24 Pai, aqueles que me deste quero que, onde eu estiver, também eles estejam comigo, para que vejam a minha glória que me deste; porque tu me amaste antes da fundação do mundo.

25 Pai justo, o mundo não te conheceu; mas eu te conheci, e estes conheceram que tu me enviaste a mim.

26 E eu lhes fiz conhecer o teu nome, e lho farei conhecer mais, para que o amor com que me tens amado esteja neles, e eu neles esteja.

Ícone de esboço Este artigo sobre Cristianismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

A oração proferida por Jesus é uma indicação de uma prece eficaz e poderosa da soberania de Deus visto que ele ora a Deus pai, compreendendo que sua missão é cumprida, na obediência a sua iminente morte vicária, por isso ora dizendo: "Mas agora vou para ti, e digo isto no mundo, para que tenham a minha alegria completa em si mesmos" (João 17:13), ele afirma com seus passos rumo a via dolorosa, a certeza de comunhão com o pai e sua verdade, ele passa a oração sem mencionar seu sacrifício, pois o sacrifício representa a parte pratica de sua Oração. Jesus ora pela conservação dos discípulos em caráter santo diante de um mundo malogro e pecaminoso, para manifestação do evangelho da verdade em suas vidas pela graça do filho, esta oração exige ação dos discípulos precisa se de um mover voluntario a favor da vontade do pai expressa no filho.A igreja que manifesta o filho de Deus em seu viver toma posse das benesses desta oração santificadora.E se expõe defensora da Verdade.

Oração Sacerdotal de Jesus

“Deseja que sejamos Perfeitos na Unidade” (João 17:23)

“Ele pede que o Pai nos faça um com Ele. Jesus deseja nos ver em unidade com Ele na mesma medida em que Ele é Um com Pai: “Eu neles e Tu em Mim, para que sejam perfeitos na unidade”.

Individualidade: É o elo da unidade.

Quem produz a unidade é Cristo em nós, por que Ele está unido ao Pai. Se permanecermos em Jesus, garantimos a força do elo que nos une a Ele. Estaremos, assim, cumprindo vontade que Ele expressou: “Permanecei em Mim e eu permanecerei em vós” (João 15,4).

A individualidade compõe a unidade. A individualidade não é individualismo, mas, a soma de elementos distintos, que movidos e guiados pelo mesmo Espírito cooperam para a saúde edificação do corpo . 

•      O texto de Romanos 12:4-8 diz que em um corpo existem vários membros e cada um deles tem uma função específica. Assim somos nós como Corpo de Cristo. Cada um tem o seu lugar, a sua função e o seu valor dentro da sua individualidade, que permite a composição da unidade em sua variedade.

•      Para transcender a dimensão da individualidade humana, exige que, de fato, entendamos o nível da ciência humana, as características de um sujeito, que é como átomo, não pode ser dividido, caso seja; será destruído. (Mt 10:25)

•      Existe uma fronteira abstrata que não tem janelas ou portas de entrada e saída na individualidade, e sempre que tentarmos construir um caminho, vamos nos deparar com uma fronteira  de singularidade; que tem a imagem e semelhança de Deus na unidade, da unicidade, da tri unidade divina. (Gênesis 1:26)